29 de fevereiro de 2004

Rombo (parte II)

Hoje recebi duma amiga um mail com aqueles "pensamentos orientais" e concluí que afinal o meu "rombo" não foi assim uma coisa tão má...
Senão vejamos:
Se tive um desfalque no vencimento é porque:
1. Tenho emprego
2. Até me pagam o salário
3. Tenho saúde para trabalhar.
E pronto, da maneira que este país anda, devia dar-me por satisfeita...

(Mas então porque é que não estou?????)

28 de fevereiro de 2004

Rombo

Este mês tive um rombo no meu ordenado, fruto da greve do passado dia 9.
Nesse dia o estado arrecadou milhões de euros, pois não só não pagou vencimentos como também poupou em luz, água, telefone, etc.. Eu e mais uns milhares de portugueses ajudámos nesse dia a encher os cofres do estado.
Lá vão eles comprar mais uns carritos para a frota do governo, pois estão mesmo a precisar, taditos...
Depois fico a pensar: vale a pena fazer greve??
Não ficarão ainda a rir-se de nós?
O meu trabalho?
Esse estava lá direitinho à minha espera no dia seguinte... E não ficou por fazer!

26 de fevereiro de 2004

25 de fevereiro de 2004

Fábula da fábula

Era uma vez
Fábula famosa
Alimentícia
E moralizadora,
Que, em verso e prosa,
Toda a gente
Inteligente
Prudente
E sabedora
Repetia
Aos filhos,
Aos netos
E aos bisnetos.
À base de uns insectos,
De que não vale a pena fixar o nome,
A fábula garantia
Que quem cantava
Morria
De fome.
E realmente...
Simplesmente,
Enquanto a fábula cantava,
Um demónio secreto segredava
Ao ouvido secreto
De cada criatura
Que quem não cantava
Morria de fartura.

Miguel Torga

24 de fevereiro de 2004

O meu blog

Fazer um blog, eu??
A minha opinião, os meus sentimentos...interessam a quem? Afinal não sou famosa e nunca apareci na TV...(oops, bom começo porque já devo ser caso raro!...)
Mas, pensando melhor: a opinião daqueles senhores que fazem blog´s e até os discutem na televisão é mais importante que a minha? Porquê?
Afinal os concorrentes do BB também lá aparecem e isso nada abona em seu favor, antes pelo contrário.
Enfim, pesando os prós e os contras e depois de consultada a família (afinal foi só o marido, mas isso agora não interessa), decidi que ... sim, porque não?
Se alguém ler as minhas escritas e ficar a pensar "também já me senti assim" e por isso se sentir mais acompanhada(o) neste mundo, já vai valer a pena.