31 de janeiro de 2008

Esqueci-me do Carnaval, sniff!


É verdade: esqueci-me do Carnaval!
Lembrei-me só hoje, à hora de saída e graças à professora de inglês, que amanhã é o último dia de aulas antes do Carnaval!
Sendo assim, não há enfeites na sala nem avisei as crianças para irem para a escola mascaradas!

Alguns (aqueles que vão mascarados só porque as mães fazem questão disso) vão-me agradecer este esquecimento durante toda a vida!

Também, quem é a pessoa normal que se lembra do Carnaval em Janeiro?
Além disso o meu subconsciente tem tendência a esquecer daquilo que a "dona" não gosta!

30 de janeiro de 2008

Avaliações, mais uma vez!

(clicar para ler)

Não sei quem é o autor deste cartoon (mas a assinatura não me é estranha...)
E gostava mesmo de saber, para poder processar este senhor por plágio!!
Então não é que um dia depois de eu ter inventado as "auxiliares titulares" ele aparece com os "alunos titulares"??
Ai, ai!

(e pronto, graças às indicações do Anterozóide e depois de umas pesquisas pelo google, dei com o Refluxo, cheio de excelentes cartoons)

29 de janeiro de 2008

Lista incompleta

Só quando cheguei a casa soube da notícia: o governo andou a fazer limpezas...

Só lamento que a lista esteja tão incompleta...
A limpeza foi aldrabada!

Avaliações e companhia

Deve estar por aí a rebentar a avaliação do pessoal não docente.
Como coordenadora de escola, é um frete que tenho de enfrentar todos os anos.

(Por saber como é difícil avaliar o trabalho das pessoas, mesmo quando ele se vê no concreto - escola limpa, boa organização, etc. - imagino o que vem por aí com a avaliação dos professores!!!)

Então lembrei-me de propôr o seguinte:
Eu não tenho nada que avaliar a auxiliar da minha escola. Elas que arranjem "auxiliares titulares" que as avaliem...

E é se querem!!

27 de janeiro de 2008

Uma fotografia por domingo (41)

Costa Nova, ao lusco-fusco.
(clicar para ver melhor)

Apesar de muitas tentativas para a descaracterizar e da construção de prédios mesmo em cima do mar, ainda consegue ser um local muito bonito, principalmente nesta zona à beira-ria!
(para já não falar nos deliciosos pastéis de nata!)

Gandas Uportenidades

Numa altura em que os professores se preparam para serem "avaliados" por colegas que lhes assistirão às aulas (como se tivessem voltado a ser estagiários) e em que os novos professores irão de ser avaliados com uma prova onde, se não obtiverem 14 valores, não poderão ingressar no ensino,
nada como brincar com leis estúpidas imaginadas com certeza por alguém que tirou assim o seu curso!!
Ah, e não se esqueçam de comprar Bolicao!!


25 de janeiro de 2008

Professores são profissão em que portugueses mais confiam...

"Os professores merecem a confiança de 42% dos portugueses, muito acima dos 24% que confiam nos líderes militares e da polícia, dos 20% que dão a sua confiança aos jornalistas e dos 18% que acreditam nos líderes religiosos. Os políticos são os que menos têm a confiança dos portugueses, com apenas 7%."
(podem ler o resto do artigo aqui)

Depois de ler esta notícia só posso concluir que a ministra da educação não é portuguesa...
Para ela os professores não são confiáveis, são uns malandros faltistas, e então vá de os pôr a avaliarem-se uns aos outros, essa cambada!
A culpa do (mau) estado da nossa educação é culpa deles e só deles!
Nunca lhe passou pela cabeça que a maior parte da culpa é das péssimas políticas dos sucessivos ministérios da educação - com o actual num "honroso" primeiro lugar!! - e de programas curriculares completamente absurdos!

24 de janeiro de 2008

Fins de tarde

perfeitos são:
quando eu chego a casa ainda com sol e vou lanchar para o quintal.

Não tenho de pôr a mesa nem de levar nada.
Basta-me estender o braço e apanhar uma laranja (ou duas, ou três...).
Sabe bem comê-las assim, directamente da árvore, pespegadinha ao sol e com a Xena por companhia!



São servidos?


A Xena, enquanto espera pacientemente, vai aproveitando para fazer a higiene diária...

23 de janeiro de 2008

Racismo? O que é isso?

Imaginem uma funcionária que é completamente incompetente no seu trabalho.

Não cumpre as suas obrigações, ou seja não faz o trabalho para que é paga, prejudicando assim imensa gente (porque o trabalho que ela não faz, também não é feito por mais ninguém).

As colegas vão reclamando mas de nada adianta...
Parece que a dita senhora está bem "encostada".
O "público" para quem ela trabalha (embora indirectamente) também não se queixa, ou vai-se queixando à boca pequena, mas sem grandes manifestações.

E tudo isto porquê?
Porque a dita senhora é negra, e as pessoas têm medo de, ao queixarem-se, serem acusadas de racistas!

21 de janeiro de 2008

Telenovela

Até que enfim, uma novela daquelas que eu gosto!
Adoro este tipo de novelas, passadas numa cidade fictícia (neste caso acho que se chama Passaperto) com todas aquelas personagens fantásticas que só os brasileiros sabem fazer: o prefeito, o padre, o delegado, o cacique lá da terra (neste caso uma mulher), o barbeiro que também é fotógrafo...

Agora já vou poder ter o meu momento "zen" ao serão: ver a novela e desligar do resto do mundo!

Que bom!

19 de janeiro de 2008

Demagogia, feita à maneira

Em Anadia morreu um bebé.
A morte de um bebé é sempre uma tragédia.

Por isso, ainda é mais nojento o aproveitamento político que esse triste acontecimento provocou.
É preciso não ter vergonha na cara para fazer demagogia com uma morte trágica!

O que eu ouvi do acontecido foi o pai do bebé que contou, por isso deve ser verdade (embora para políticos e alguns jornalistas não o seja):
O bebé já estaria sem respirar quando o pai telefonou para o 112. Combinou encontrar-se com o INEM à porta do hospital porque tinham de se encontrar em algum lugar!
Aliás e também segundo o pai da criança já passaria das 8 horas, o que quer dizer que as urgências do hospital já estariam abertas.

Portanto, a guerra das urgências não tem nada a ver com este caso!
E é lamentável que a oposição deste país, em vez de fazer um trabalho sério, se dedique a estes jogos sujos.

18 de janeiro de 2008

Descobriram a pólvora!

Afinal, parece que fumar em casinos e discotecas não prejudica a saúde, nem a dos fumadores activos nem a dos passivos.

Agora só fico à espera que descubram pastelarias onde os pastéis não engordem e geladarias onde os gelados não nos acrescentem nem um grama!

Estou ansiosa!

17 de janeiro de 2008

Agora entendi!

Agora entendi tudo!
Eu sou mesmo muito burra!

Foi preciso ir ao blog do José António, um rapaz muito mais esperto que eu, para perceber as coisas!!
Diz ele:

«Estava preocupado com o facto de ter de fazer de avaliador e com os bocejos que o processo acarreta.
Mas não é nada assim: os professores de ensino especial são avaliados por um professor das áreas de expressão!
Tem tudo a ver... e eu nem quero ouvir falar mais do assunto.
O infortúnio chega-se para as bandas do solfejo e eu fico com os maxilares no sítio.
Desde que não tenha de soprar no pífaro - se falo muito ainda levo com um despacho - negócio fechado!»

Fez-se luz e eu entendi, finalmente, por que colocaram na minha escola uma professora de EVT no que devia ser o Ensino Especial!

É que está tudo ligado!!

16 de janeiro de 2008

Não são só os americanos que fazem estudos,

eu também me dediquei a isso.
E vai daí fiz um estudo.
Este não é baseado num número que depois é projectado para outro maior, não senhor!
Os números apresentados são reais.

Desde o ano lectivo 1999/2000 pela minha escola passaram 23 alunos de etnia cigana.
Desses, apenas UM (que por acaso até foi uma menina), conseguiu fazer o 4.º ano de escolaridade!!

Alguém se atreve a tirar conclusões?

O velho, o rapaz e o burro

é uma velha fábula que vinha, dantes, em todos os livros de leitura.
É uma das minhas favoritas, pelo realismo e pertinência...

O último exemplo de que esta fábula está bem actual é o caso do aeroporto: as vozes discordantes são muitas.
A quantidade seria a mesma se a opção tivesse sido outra, só não seriam os mesmos.
(pensando melhor:
e não é que se calhar até seriam os mesmos??
É que nós temos por cá uns grupos partidos cuja principal actividade é discordar.
Seja do que for!)

14 de janeiro de 2008

Exageros

Para preparar as minhas aulas (1.º e 2.º ano de escolaridade) preciso de consultar 11 (ONZE) manuais, que são os que os alunos têm...
Será por isso que às vezes tenho saudades do livro único?

13 de janeiro de 2008

12 de janeiro de 2008

Mais um recado na caderneta

Com certeza serão este tipo de encarregados de educação os "interessados" que vão querer participar na "vida da escola", nos futuros Conselhos de Escola...

(encontrado no Pópulo)

11 de janeiro de 2008

Vergonhosos..

... indecentes, imorais, o que lhes quiserem chamar.

Na Visão desta semana um artigo dá-nos conta dos escandalosos salários dos gestores portugueses.
Um exemplo:

Quanto tempo precisa um funcionário de trabalhar para ganhar tanto quanto o seu administrador num mês?
No caso da PT, um funcionário para ganhar tanto como um administrador ganha num mês, precisa de trabalhar 10 anos, 7 meses e 1 semana!

O melhor mesmo é ler o artigo completo, pois há muitos mais exemplos...
(impróprio para quem ainda tem a capacidade de se indignar).

10 de janeiro de 2008

Adivinha pouco recomendável

- Quantos anos tens, professora?
- Muitos... adivinha!
- Oitenta?
- Nããão! (digo eu com expressão escandalizada)
- Já sei: noventa!

Moral da história:
nunca se deve dizer a uma criança "adivinha!"

8 de janeiro de 2008

Eu sabia, eu sa-bi-a!!

(ler com entoação adequada: olhos abertos e voz pausada e ritmada)


«Uma recomendação médica de 1945 dizia que deviam entrar no organismo de um adulto dois litros e meio de água (por dia).
Mas acrescentava que a maior parte dessa quantidade está contida nos alimentos ingeridos diariamente - e que, ao ser ignorado, deu origem ao mito.
Na verdade, beber demasiada água pode ser perigoso para a saúde

(Visão 03/01/08)

Eu sabia!
Eu tenho a certeza de que o nosso organismo é uma máquina eficiente e por isso quando precisa de ser alimentado faz-nos sentir fome e quando precisa de água faz-nos sentir sede.
Por isso sempre achei disparatado andar por aí de garrafa na mão a beber água, como se fosse um castigo.

Esta história de que as pessoas devem beber água até lhes nascerem rãs na barriga deve ter sido inventada por um desses lobbies das empresas de engarrafamento!

7 de janeiro de 2008

Saúde doente?

No Prós e Contras de hoje discute-se o estado da saúde.

O que eu sei é que a informação - vá-se lá saber porquê - tem sido tudo menos objectiva.
Quando vi o telejornal do dia 1 de Janeiro, depois de dois dias sem ouvir notícias, fiquei convencida de que o hospital de Anadia tinha fechado.
Para perceber que afinal só tinham fechado as urgências (e só da meia-noite às oito da manhã) foi preciso ler o jornal com muita atenção!

Por isso, não fiquei admirada quando, dias depois, na minha cabeleireira, as pessoas que lá estavam estarem convencidas de que o que tinha fechado tinha sido o hospital!!

Realmente, quando estamos doentes, tudo nos parece longe...
Mas o pessoal de Anadia não se pode queixar: afinal têm Coimbra a pouco mais de 20 km e por boas estradas!

(Para lerem sobre o mesmo assunto, mas em bom, é favor consultar a padaria!)

5 de janeiro de 2008

Manuais escolares


Maria Regina Rocha conclui que a maioria dos manuais de língua portuguesa do 4º ano não contribui para que os alunos compreendam o que lêem. E aponta a falta de qualidade dos manuais escolares como uma das principais razões para os baixos índices portugueses de competências na leitura.
(...)
Dos 12 manuais analisados, apenas 4 incluem textos de Aquilino Ribeiro, apenas 3 apresentam poemas de Fernando Pessoa, só dois têm contos de Miguel Torga - um dos escritores que a autora gostaria de ver entre os autores recomendados aos editores de manuais.

Finalmente um estudo da Unviversidade de Coimbra vem ao encontro daquilo que eu ando a dizer há séculos: a maioria dos manuais de Língua Portuguesa não prestam para nada, os autores são poucos e sempre os mesmos...
(foi-me dito que isto acontece porque as editoras querem poupar nos direitos de autor e eu acredito, basta ver a quantidade de livros cujos textos são apenas os dos próprios autores dos maunais!!!)

Como agora é uma professora importante a queixar-se pode ser que alguém a ouça.
Deus queira!!

4 de janeiro de 2008

Ladrões!!

Presumo que foi na noite de ano novo que a minha escola foi assaltada.
Levaram três computadores e dois rádios-leitores de CD.
Computadores já "idosos"que, para quem os roubou não vão valer grande coisa (talvez até nem valham nada), mas para nós, professoras e alunos, eram preciosos.
Preciosos porque continham todos os nossos trabalhos (de alguns anos) e porque estavam ligados à internet.

A GNR veio investigar, observaram a cena do crime, tiraram impressões digitais...
Mas sei que os computadores jamais aparecerão.
Quem se iria preocupar, mais do que o tempo estritamente necessário para não parecer mal, com três computadores velhos e dois rádios mais velhos ainda?

Nota:
A escola possui um alarme, avariado há anos, pois na autarquia não há dinheiro para estas miudezas...

3 de janeiro de 2008

Taditos dos fumadores!!


Fez-me impressão ontem, na viagem de regresso, ver os pobres dos fumadores todos à molhada à porta das estações de serviço, ao frio e ao vento (não chovia!) qual cães escorraçados.
Quem entrava ficava a olhar, entre o espantado e condoído para tal espectáculo...

Não têm direito a uns bancos (nem que sejam daqueles corridos, de madeira), a uns cinzeiros (o chão estava pejado de beatas, num espectáculo lindo!), muito menos a um telheiro para se poderem abrigar quando chove...

Mas eu sei que vivemos numa sociedade sempre a evoluir e que, assim sendo, um dia destes eles ainda vão ter direito a salas próprias para poderem fumar mais confortavelmente...
Pois, como dizia hoje uma jovem entrevistada no telejornal, se até os drogados têm direito a salas de chuto por que não hão-de os fumadores ter também??

(e o saltapocinhos - interesseiro! - aproveitou logo para acrescentar que nessas salas também deveriam fornecer tabaco à borla para os viciados!)

2 de janeiro de 2008

Indicações nas estradas: o enigma!

No dia de ano novo, ao regressar de Chaves, fiz um desvio grande para passar por Resende.
Isto só por ser gulosa e adorar as "cavacas de Resende" que são uma maravilha!
Só que, como era feriado, não encontrávamos nenhuma pastelaria aberta.

Então resolvemos perguntar a uns homens que estavam à conversa se sabiam onde poderíamos comprar as famosas cavacas.
As explicações foram tão entusiasmadas e pormenorizadas que não pude deixar de ficar a rir sozinha...

É que, um ou dois dias antes, ao ver a publicidade ao novo filme de Manoel de Oliveira - "Cristóvão Colombo, o enigma" - tinha comentado com o Saltapocinhos: "é impossível! ninguém em Portugal responderia assim a um pedido de indicações".
(para quem não sabe na publicidade há um casal jovem que pára o carro e pergunta a uma velhota se sabe indicar onde é a casa de Cristóvão Colombo, ao que ela responde com voz triste e monocórdica que nunca ouviu falar...)

Se isto fosse realidade e não um filme de Manoel de Oliveira, a velhota diria mais ou menos isto:

"ó meus filhos eu isso não sei porque não fui nascida nesta terra mas o meu Antoino foi nascido e criado cá esse sabe de certeza
ele agora está no café do Albano estão a ver aquele cruzamento de ruas ali adiante? não viram à esquerda, viram à direita e depois vão sempre em frente, sempre em frente até chegarem à igreja
à frente da igreja fica o café do Albano ele vai para lá sempre jogar as cartas mandem-no chamar que ele sabe de certeza ele nasceu aqui e já o pai dele também foi aqui nascido e criado e se a casa existe mesmo ele vai saber dizer onde é..."

No mínimo!!

1 de janeiro de 2008

Fim de ano

Mais uma vez, para poder ter uma passagem de ano com festa na rua tive de rumar a outras paragens.
Este ano a escolha recaiu na cidade de Chaves, cidade que eu não visitava há mais de 20 anos!

Além das festas nos vários hotéis (que detesto!) havia animação de rua, no largo da novíssima Biblioteca.
Havia também uma fogueira gigante e um conjunto musical (pimba mas esforçado, a rapariga tinha uma bela voz, que se notava principalmente quando ela tentava imitar a Ana Malhoa e claramente a superava...) animava as hostes.
O povo dançava, aquecia-se à fogueira, bebia, brindava...

Mais valias para a cidade?
Hotéis lotados, as ruas e as lojas cheias de gente.
Também havia imensa gente nos cafés e restaurantes.

É uma pena que em Aveiro não haja gente com dois dedos de testa a apostar na animação da cidade!!



a fogueira


e a festa...