31 de março de 2008

Segunda feira, dia de protesto!

Chegada à escola, a conversa é recorrente: avaliações, avaliações, avaliações...
Já muito se falou (e escreveu e discutiu) sobre este assunto, mas ainda não se disse tudo.
Por exemplo, diz-se para aí que os professores não são avaliados.
É mentira!

A ignorância de todos os especialistas em educação neste país, (cerca de dez milhões) é muita.
Porque, de há muitos anos para cá que os professores são avaliados!

Eu explico:
A carreira de professor evolui por escalões.
Só se muda para o escalão seguinte, se na avaliação se obtiver a menção "satisfaz".
Para obter "satisfaz" os professores têm de fazer um relatório crítico do seu trabalho, durante os anos em que estiveram num determinado escalão.
Desse relatório constam, entre outros assuntos, uma caracterização do meio onde se situa a a escola, da própria escola e dos alunos.

Também constam todas as actividades relevantes feitas nesse espaço de tempo, como por exemplo, métodos e estratégias utilizados, actividades com alunos dentro e fora da sala, actividades que envolvam a comunidade, etc.
Fazem ainda parte do relatório as faltas dadas e as suas justificações, assim como o resultado final obtido com a turma (ou turmas) em cada ano e também os cargos desempenhados.

Este relatório é entregue ao presidente do conselho executivo que o deve ler e apreciar.
Acontece que, apesar de estar consagrado no antigo estatuto do professor a menção de "bom" e "muito bom" isso nunca foi regulamentado, e todos os professores eram classificados com "satisfaz".

Mas, não basta o relatório para mudar de escalão!!
Também é preciso ter créditos, à razão de um por ano (cada crédito equivale a 25 horas de formação)!

Esta formação é séria e rigorosa.
As sessões são sempre em horário extra lectivo (à noite e/ou aos sábados).
Só a presença nas sessões já representa bastante trabalho, mas isso também não chega: é preciso apresentar um trabalho final (relatório ou portefolio) para finalmente ter direito aos créditos.

E também podia haver assistência a aulas, mas dentro de um determinado contexto.
Só para exemplificar, as últimas duas formações que tive foram, uma do quadro interactivo (50 horas) e outra de matemática (3 horas quinzenais, durante todo o ano lectivo).

Tanto numa como noutra, tive aulas assistidas pelo respectivo formador, que vinha observar como estavam os novos conhecimentos a ser postos em prática.

Depois ainda há a "avaliação" dos pais e da comunidade.
Às vezes um bocadinho subjectiva, mas normalmente certeira!
Toda a gente sabe onde estão bons e os menos bons professores!
(falo aqui principalmente do 1.º ciclo, onde contactamos com muitos dos encarregados de educação diariamente e que têm à vontade até para entrar na sala de aulas - e entram!)

E com isto tudo não me venham dizer que os professores não são avaliados!!

Deviam mas é parar com estas invenções ridículas e deixar os professores fazer aquilo que gostam e para que se formaram: ENSINAR!

(já agora, sabiam que esta palavra, "ensinar" não aparece vez nenhuma nos currículos?)

30 de março de 2008

Uma fotografia por domingo (48)


Acabaram os narcisos, mas chegaram as orquídeas!!

actual atual, finalmente!

Ontem comprei este livro:



Custou-me 4,41 € na FNAC.
Não foi tão caro que me leve à falência, mas acho que devia ter sido distribuído gratuitamente em todas as escolas!
Afinal e apesar de tudo, ainda é por lá que se aprende a ler e a escrever!
Acontece que os professores estão habituados a pagar do seu bolso todos os materiais de que necessitam, desde o computador até aos simples lápis e afiadeira!
É um acto ato tão natural que nem nos damos conta que somos uns grandes financiadores do Ministério da Educação!

28 de março de 2008

Galo desacertado!


Algures na minha vizinhança há um galo cantor.
Até aqui nada de especial, afinal eu moro na aldeia e os galos costumam cantar...

O que há de estranho com o "meu" galo cantor é que o fulaninho canta... mas por volta da 1 da manhã!

Todas as noites, sensivelmente à mesma hora, desata o bicharoco a cantar!
Será o bichinho destrambelhado do fuso horário?
Ou será, como eu, apenas noctívago que acha à noite é que se trabalha e as manhãs são para dormir?

27 de março de 2008

Mais uma da CMA, que vai de mal a pior!

Na próxima segunda-feira recomeçam as aulas e eu já estou a antever problemas.

Desta vez o pessoal da Câmara Municipal de Aveiro teve uma ideia peregrina e idiota: as senhas das refeições, que eram pagas na escola ao dia ou à semana, conforme as posses e as necessides de cada um, passarão a ter de ser levantadas e pagas nos serviços de educação da Câmara, no Centro Cultural e de Congressos.

Um local que fica mesmo à mão dos pais dos meus alunos, que vivem nas Quintãs!! (já para não falar dos que vivem na Costa do Valado, na Póvoa do Valado, em Oliveirinha, Verba, Nariz e Mamodeiro!!!)

Este serviço de almoços, que eu saiba, inseria-se no programa - tão acarinhado pela ministra - de apoio às famílias.
Se fazer os pais deslocarem-se a Aveiro (com autocarros caríssimos e raros) com um horário de atendimento das 8:30 às 16:00, é apoio às famílias, eu vou ali e já venho!!

Claro que os que não pagam só lá terão de ir uma vez e levantar todas as senhas, mas acontece que a maior parte das pessoas que pagam é que precisavam de ser apoiadas pois vivem com dificuldades económicas (e não têm direito a subsídio porque trabalham!!)!
São esses que mandam os filhos todos os dias à escola, ao contrário da maioria dos subsidiados que só aparecem quando lhes apetece!

Eu vou procurar saber o que farei na terça-feira, dia 1 e primeiro dia de utilização das senhas, aos alunos que não tiverem senha para almoço.
Ficam na escola sem comer?
Mando-os comer a casa?
À responsabilidade de quem?
E quando não está ninguém em casa?

Por enquanto, só há perguntas sem resposta!

26 de março de 2008

Indecisões meteorológicas

Afinal chove ou não chove?
O tempo está a fazer caras feias desde manhã, sempre a prometer chuva para já a seguir, mas nunca mais se decide!

E eu aqui sem saber se hei-de ir regar as minhas duas tulipas, mais as duas gerberas e ainda a minha sementeira de melões!
(sim, que para gáudio do meu pessoal, eu enterrei umas pevides de melão no quintal! eles dizem que não vai nascer nada e eu já hes prometi que, como vingança, nem uma talhada dos meus melões lhes dou a provar!!)

25 de março de 2008

Castigo exemplar

No noticiário de hoje, ainda sobre o assunto da rapariga-histérica-do-telemóvel, mostraram a frente da escola em causa, junto ao portão.
Uma imagem feia: as paredes todas sujas e "grafitadas".

Lembrei-me então de sugerir que, em vez de mandarem a menina para casa, suspensa, podiam dar-lhe um esfregão, um detergente e pô-la a limpar os muros da sua escola!

Nem ia ter tempo para pensar no telemóvel, quanto mais brincar com ele!
E também servia de aviso a futuros delinquentes!

24 de março de 2008

Sobre o mesmo assunto, retirado da Crónica da Rosarinho:

«Grande burburinho causou também aquele vídeo com uma murcona histérica a chorar baba e ranho pela merda do telemóvel que a profe lhe queria tirar.
Cá por mim, e logo à cabeça, faço votos para que, se um dia a pílula me falhar, nunca me saia na rifa um estafermo daqueles, porque pior que parir deve ser parir uma coisa daquelas e ainda ter que levar com ela toda a vida.

À parte isso, apenas mais dois pequenos reparos: Os partidos da oposição, como era de esperar, começaram logo a aproveitar-se da cena para acusar o governo disto e daquilo, como se o dador de esperma tivesse sido o Sócrates, o que não me parece, mas isso já não espanta nada.
O que me espanta é que vão sempre pedir a opinião ao Paulo Portas e não me pedem a mim, já que eu estou convencida que, apesar de tudo, tenho mais “sócios” do que ele.

Outra coisa que me espanta é que, com a cultura da inutilidade total que vivemos hoje em dia, a pita maluca ainda não tenha sido convidada para gravar um disco, apresentar um programa na sic radical ou dar opiniões no telejornal.
Não deve faltar muito.»

in "Crónica da Rosarinho"

"Olha a velha vai cair!"

"Sai da frente... sai da frente!"

"Ó gorda, ó p (...), sai daí!"

(...)
Por isto a Turma do 9.ºC tem de acabar!
Por uma questão de exemplo, os alunos têm de ser dispersos por outras turmas e o 9.º C deve ficar com a sala fechada o resto do ano, numa admoestação clara de que este género de comportamento chegou ao fim.

Maria de Lurdes Rodrigues não pode ficar à espera de receber outra vez o apoio do primeiro-ministro.
Depois disto, é seu dever sair do cargo.

E não é, como diz constantemente, a mais fácil das soluções.
É a medida necessária para que haja soluções.
A saída da ministra é, viu-se agora, uma questão de segurança nacional.
É a mensagem necessária para a comunidade escolar, alunos e professores, entenderem que o relaxe, a desordem e o experimentalismo desenfreado chegaram ao fim.
Que não há protecção política que os salve já da incompetência do Ministério, da DREN e de tudo o mais que nestes três anos nos trouxe à vergonhosa situação que o vídeo do YouTube mostrou ao país e ao Mundo.
Uma questão mais os sindicatos viram as imagens de um crime a ser cometido em público contra uma professora. Façam o que devem. Façam as devidas queixas-crime contra a aluna agressora e contra quem filmou e usou abusiva e ilegalmente da imagem da professora a ser martirizada.
O crime foi visto por todos.
O Ministério Público tem competência para mover o adequado processo contra esses alunos.
Cumpram o vosso dever sem tibiezas palavrosas.
Já não se pode perder mais tempo com disparates.

Mário Crespo no JN.

23 de março de 2008

Curiosidades sobre esta Páscoa


A Páscoa é sempre no primeiro Domingo depois da primeira lua cheia depois do equinócio de Primavera (20 de Março).

Esta datação da Páscoa baseia-se no calendário lunar que o povo hebreu usava para identificar a Páscoa judaica, razão pela qual a Páscoa é uma festa móvel no calendário romano.

Este ano a Páscoa acontece mais cedo do que qualquer um de nós irá ver alguma vez na sua vida!
E só os mais velhos da nossa população viram alguma vez uma Páscoa tão temporã (mais velhos do que 95 anos!).

A próxima vez que a Páscoa vai ser tão cedo como este ano (23 de Março) será no ano 2228 (daqui a 220 anos).
A última vez que a Páscoa foi assim cedo foi em 1913.
Na próxima vez que a Páscoa for um dia mais cedo, 22 de Março, será no ano 2285 (daqui a 277 anos).
A última vez que foi em 22 de Março foi em 1818.

Por isso, ninguém que esteja vivo hoje, viu ou irá ver uma Páscoa mais cedo do que a deste ano.


FELIZ PÁSCOA!!

22 de março de 2008

Uma aventura na cozinha...

Ontem decidimos fazer um folar cá em casa.
Arranjei uma receita e... deitámos mãos à obra.

Mas aconteceu que a massa, que devia ser moldável, ficou muito mole e elástica.
Não se descolava das mãos nem por nada, e foi preciso a ajuda do salazar para deixar as mãos do saltapocinhos mais ou menos limpas!

Então eu tive a brilhante ideia de ir acrescentando farinha...
Fui pondo, fui pondo e a receita que devia levar 500 g de farinha acabou por levar com o pacote todo!
E, embora menos peganhenta, continuava a parecer chiclete!

Depois de tanta trabalheira, era impensável deitar aquilo fora, por isso, vá de a meter no forno!

E saiu um folar.
Não está nada bom, mas é comestível, quer dizer... mais ou menos comestível, ou melhor dá para comer mas não presta, ou... esqueçam!

Pensam que desistimos?
Nem pensar!
Logo à noite vamos fazer outro! (é que ainda tenho de ir comprar farinha, que se acabou toda ontem!)

Apelo:
Alguém tem uma receita de folar?
Por favor?

21 de março de 2008

Ainda a paragem de autocarro

No Diário de Aveiro de hoje vem a notícia da paragem de autocarro destruída.
Mas a parte mais interessante da notícia é quando o Presidente da Junta de Freguesia de Aradas, confrontado com o facto, diz não ter conhecimento do sucedido e diz ainda "não tenho o hábito de passar para esse lado"
Para quem não conhece o local, "esse lado" é apenas a rua principal, a rua que atravessa a freguesia!
E ainda que mal pergunte: não será da competência de um presidente de junta ter conhecimento do que se passa na sua freguesia?

Mas como ise isto não bastasse, ainda acrescenta: "esta não é a única paragem de autocarro vandalizada na freguesia..."
Ora cá está, o trabalho ainda não está completo: só no dia em que estiverem todas destruídas é que estão como deve ser!

20 de março de 2008

Vamos avaliar?

Já que muitos jornalistas e comentadores defendem e compreendem o modelo proposto para a avaliação dos docentes, estranho que, por analogia, não o apliquem a outras profissões (médicos, enfermeiros,juízes, etc).
Se é suposto compreenderem o que está em causa e as virtualidades deste modelo, vamos imaginar a sua aplicação a uma outra profissão, os médicos.

A carreira seria dividida em duas: médico titular (a que apenas um terço dos profissionais poderia aspirar) e médico.
A avaliação seria feita pelos pares e pelo director de serviços.
Assim, o médico titular teria de assistir a três sessões de consultas, por ano, dos seus subordinados, verificar o diagnóstico, tratamento e prescrição de todos os pacientes observados.
Avaliaria também um portefólio com o registo de todos os doentes a cargo do médico a avaliar, com todos os planos de acção, tratamentos e respectiva análise relativa aos pacientes.
O médico teria de estabelecer, anualmente os seus objectivos: doentes a tratar, a curar, etc. A morte de qualquer paciente, ainda que por razões alheias à acção médica, seria penalizadora para o clínico, bem como todos os casos de insucesso na cura, ainda que grande parte dos doentes sofresse de doença incurável ou terminal. Seriam avaliados da mesma forma todos os clínicos, quer a sua especialidade fosse oncologia, nefrologia ou cirurgia estética...
Poder-se-ia estabelecer a analogia completa, mas penso que os nossos 'especialistas' na área da educação não terão dificuldade em levar o exercício até ao fim.

A questão é saber se consideram aceitável o modelo? Caso a resposta seja afirmativa, então porque não aplicar o mesmo, tão virtuoso, a todas as profissões?

(recebido por mail, desconheço o autor)

17 de março de 2008

Personagens trocadas

Alberto João Jardim apareceu hoje na televisão a dizer que era o Astérix.

Cá para mim, errou na personagem!
Ele devia querer dizer...

Ordenalfabetix!!!!

16 de março de 2008

Uma fotografia por domingo (47)

(dá para ver muiiiito maior, mas não vos adianta nada, pois quem a vai comer sou eu e mais o saltapocinhos!!)

A minha salada preferida: morango e kiwi, bem regada com sumo de laranja e um cheirinho de vinho do Porto...
Mhammmm.....

15 de março de 2008

Palavras preferidas


Como mais vale tarde que nunca, vou agora responder ao desafio que me foi lançado pela Emiéle e também pela Rita.

Teria então de dizer 12 palavras de que eu goste.
Ao contrário das senhoras desafiadoras, que fugiram ao tema inicial, eu não vou fugir.
O que se pretende é que se diga quais as palavras de que gostamos, independentemente do seu significado.
Apenas pela sonoridade...

Assim sendo, as minhas palavras preferidas são:
  • lusco-fusco

  • tangerina (como Eugénio de Andrade)

  • escaganifobético

  • Mucifal

  • Zinedine Zidane

Não são 12, mas são as que me lembro agora!

13 de março de 2008

Paragem perigosa



Esta paragem de autocarro está assim desde o fim-de-semana de 16 de Fevereiro.
Neste tempo todo não fizeram lá absolutamente nada!!
Nem sequer o que não acarreta despesas, como seja retirar os vidros que se encontram no chão e os que estão ainda agarrados à moldura, como verdadeiras lanças!

Entretanto, as pessoas esperam o autocarro à chuva e rodeadas de perigos.

Não haverá nada que funcione neste município??

12 de março de 2008

Quem semeia, colhe!

Ontem fui surpreendida por um mail do Dinis (ex golfinho) que rezava assim:

«é o meu blog!
depois preciso de saber como se faz publicidade!!
beijinhos dinis»

E lá fui eu conhecer o blog do rapaz, agora a solo.
Fiquei pasmada com o que li!
Não é bem do que se está à espera da parte de um rapazinho de 10 anos!!
Prometi-lhe que sim, que iria fazer publicidade e cá estou a fazê-lo.
Logo que possam percam um minutinho e vão dar uma força ao rapaz que o esforço dele merece.
E é sempre bom incentivar os jovens a escrever!

Obrigada, em meu nome e em nome dele.

É aqui

11 de março de 2008

A verdade verdadinha acerca da avaliação de professores

Esta história da avaliação de professores é mais complicada do que parece à primeira vista (e não só por culpa do famoso organigrama).

Os professores vão ser avaliadores uns dos outros, e aqui é que está o busilis da questão!
Senão vejamos:


Num agrupamento existe um grupo de trabalho composto maioritariamente por professores que, até aqui, tinham todos os mesmos direitos e os mesmos deveres.
De repente, e sem nenhum critério que garantisse competência (em muitos casos antes pelo contrário...) alguns desses professores foram "promovidos" a titulares.
De repente, deixaram de ser apenas colegas e passaram a ser avaliadores dos outros...
E é esta situação que os professores não engolem.
Ninguém se sentirá confortável ao ser avaliado por um colega a quem não reconhece nenhuma autoridade, nem nenhum valor acrescido!

10 de março de 2008

É mentira, senhora ministra!

Na entrevista à Judite de Sousa, a ministra da educação disse, a propósito das queixas dos professores sobre avaliarem colegas de outras disciplinas, que isso não era verdade, pois podiam delegar...
O que é mentira!

Das duas uma: ou a senhora mentiu ou não sabe do que fala.
Seja qual for a resposta certa, é grave!!

A esse propósito, o Agostinho e escreveu assim no seu blog:

«Diz a Srª Ministra que é um falso problema, os professores avaliarem outros professores de grupos diferentes, porque podem delegar noutro colega do mesmo grupo.

Então Srª Ministra, como pode explicar que no Departamento a que pertenço, o Coordenador tem que avaliar 11 colegas pertencentes a 9 grupos diferentes?

Sendo o Coordenador de EVT, tem que avaliar Educação Visual e Tecnológica, Educação Musical, Educação Física do 2º Ciclo, Educação Visual, Educação Tecnológica, Educação Física e oficina de Artes do 3º Ciclo e ainda Educação Especial e CEF de Hotelaria.

Será que a Srª Ministra conhece as centenas e centenas de professores e escolas que se debatem com este problema?

Srª Ministra, como podem estes Coordenadores de Departamento avaliar os colegas com 2+3 observações anuais, definir os objectivos individuais com cada um deles, receber as suas propostas de autoavaliação, entrevistar um a um e por fim avaliar.

Estes coordenadores por sua vez, terão que prestar contas ao Presidente do Conselho Executivo e a um Inspector, passando pelas mesmas fases de avaliação de avaliado e ainda continuar a dar aulas normalmente.»

8 de março de 2008

Vergonha e orgulho

(foto do site da RTP)

Tenho vergonha do governo deste país.
Tenho vergonha de dizer que ganharam o poder também com o meu voto...

Mas...
Tenho hoje um grande orgulho dos professores portugueses!
E tenho um grande orgulho em ser professora!
Adenda:
A ministra da educação apareceu a dizer que uma manifestação que reune 100 000 professores "não é relevante".
Se não for antes, tiraremos as teimas no próximo ano, no dia das eleições.
Aí se verá se era relevante ou não!!

7 de março de 2008

Já as formiguinhas têm catarro!

A Catarina mostra-me uma frase que escreveu e onde, em vez dos arabescos próprios de quem anda no 1.º ano, fez um "a" maiúsculo em letra de imprensa.

E dispara:
"Assim é mais fácil. Vou começar a fazer sempre assim. Habitua-te!"

4 de março de 2008

3 de março de 2008

O mundo ao contrário



- Dona Fernanda, então por aqui? Agora me lembro, ainda não lhe dei os parabéns pelo seu homem. Vi-o no concurso da televisão. Que honra! Muitos parabéns! Fiquei orgulhosa como se fosse meu!

- É verdade, dona Cátia. Estamos muito contentes. Foi muito bom, até para compensar a desgraça da minha irmã. Não sabe? Imagine que o marido dela é administrador de um banco.

- Não me diga! Que vergonha! Mas qual? Daquele criminoso, o BCP?

- Olhe nem sei bem. Mas aquilo é tudo a mesma gente. Coitada da minha irmã, anda muito ralada! Felizmente que o amante está muito bem. Era segurança num bar, mas agora conseguiu ficar dado como deficiente por causa de uma sova que levou e o subsídio é excelente.

- Ainda bem! Que sorte! Olhe, essa sorte não tenho eu. Ando muito preocupada com o meu sobrinho. Não, não é com o homossexual. Não, esse está óptimo. Foi ao estrangeiro casar com o amigo e agora até estão a pensar adoptar uma criança por lá. O que me preocupa é o outro, o Zé.
Tem um restaurante, imagine. Um restaurante de luxo.

- Ai, coitado! Em que se havia de meter! E tem tido muitas queixas?

- Pois. Calcule que nem sequer usava sabão líquido nas casas de banho e os exaustores são de baixa extracção. Estou com medo que mais cedo ou mais tarde acabe na cadeia, pobrezinho!

- Compreendo, compreendo. As ralações que temos! E então o que é que a traz por cá? Eu vou agora ali à direcção da escola queixar-me. Veja lá que a minha filha me disse que lá na escola não há máquinas de distribuição de preservativos na casa de banho das raparigas. Só na dos rapazes. Não é uma vergonha?

- Um escândalo. Depois se há problemas a culpa é dos pequenos! Eu também tenho de lá ir mas, infelizmente, é derivado ao comportamento do meu Ronaldinho.

- Não me diga que ainda é por causa da gravidez?

- Não, que ideia. Isso está tudo resolvido. Eles os dois trataram a questão com muito bom senso. Nem pareciam ter 13 anos! O aborto correu muito bem e o meu rapaz até já arranjou outra namorada bastante mais velha. Não, o que me preocupa é aquele grupo com que ele anda.

- Qual? A banda de rock satânico? Oh, minha amiga não se apoquente com isso. Nós lá em casa até dissemos ao nosso rapaz para criar uma. Antes isso que andar pelos ATL da paróquia com aqueles beatos a meter patranhas na cabeças dos miúdos. Na banda é muito mais seguro e saudável. Não só é artístico, como abre horizontes e um dia, quem sabe... Olhe, não me preocuparia nada com isso.

- Não, não é isso. Nós também estamos muito satisfeitos por ele andar com a banda. É um excelente meio de educação. Ao princípio ainda me chocavam um bocado as letras das canções, a falar de suicídio e sangue, mas agora até acho graça. Rapazes são rapazes, não é? Não, é muito pior. Ele também anda metido em coisas mesmo graves com aquele outro grupo clandestino. Já ouviu falar, não? Aquele grupo de fumadores que no outro dia até apareceu no jornal por um deles fumar dentro do metro.

- Que horror! O seu filho fuma? Mas isso faz imenso mal à saúde e polui o ambiente. Então ele não pensa no aquecimento global? Esta juventude está perdida!

- Eu sei, eu sei! Tentámos tudo para o afastar do vício, mas nada. O meu marido até quis ver se o interessava em blogs pornográficos, chats neonazis e outras coisas que fossem também um bocadinho subversivas e clandestinas mas não fizessem tanto mal. Mas nada! Ele não larga o cigarro! A culpa é do meu homem e eu já lhe disse. Imagine que quando o miúdo era pequeno lhe dava pistolas e outros brinquedos de violência. Claro que tinha de ter esta consequência, não era?

- Que horror! Imagino como anda apoquentada. E nos estudos, que tal anda ele? Os meus antigamente era um castigo. Davam muitos erros de ortografia mas isso agora, com este novo programa para o insucesso escolar, deixou de criar problemas porque já não conta. E, mesmo na Matemática, o que interessa é a criatividade dos miúdos.
Se os professores explicam mal que culpa têm os pequenos?

- Eu digo o mesmo. Se eles depois acabam todos no desemprego, ao menos gozem a juventude.


João César das Neves

2 de março de 2008

Uma fotografia por domingo (44)

(clicar para ver melhor)

Quem gostaria de viver aqui?

Quem sabe onde fica?

Complicado?

(clicar para ver ainda melhor esta facilidade)
Alguém se deu ao trabalho de fazer este organigrama acerca da avaliação de professores.
Venho pois, aqui, dar a mão à palmatória e dizer que eu não tinha razão nenhuma.
A avaliação dos professores, tal como está, é para lá de simples e prática e quem não a entender é porque é curto de inteligência!