30 de maio de 2011

Rapidinha de segunda (xviii)

Num escritório trabalhavam três raparigas e tinham uma chefe. A cada dia elas notavam que a chefe saía sempre mais cedo.
Um dia todas decidiram que, quando a chefe saísse, elas fariam o mesmo.
Afinal, depois de sair, a chefe nunca mais voltava, nem dizia mais nada, por isso estariam seguras. E porque é que também não poderiam ir para casa mais cedo?

A morena ficou absolutamente radiante por ir para casa mais cedo. Pôde tratar um pouco do jardim, passar algum tempo a brincar com o filho, e foi para a cama mais cedo.

A ruiva ficou também deliciada com esse tempinho extra. Aproveitou para uma curta aula no ginásio antes de se preparar para um encontro ao jantar.

A loura ficou contente por chegar a casa mais cedo e surpreender o marido, mas quando chegou ao quarto, ouviu vários sons abafados.
Abrindo a porta lenta e silenciosamente, ficou mortificada por ver o marido com a sua chefe em grande ação na cama!
Suavemente fechou de novo a porta e saiu da casa.

No dia seguinte, durante a pausa para café, a morena e a ruiva planeavam sair de novo mais cedo e perguntaram à loura se ela queria fazer o mesmo.

- Nem pensar! - foi a resposta - Quase que fui apanhada ontem!

26 de maio de 2011

Ser famoso,

é o que está a dar...
É ver os papás levarem os filhotes aos mais variados castings, não importa de quê, basta a esperança de virem a ver os seus rebentos ficarem famosos e aparecer na televisão.

Uma fama mais democrática e mais acessível, consegue-se no youtube ou no facebook.
Ainda na semana passada li a notícia de um jovem que morreu ao tirar uma foto radical para publicar no seu facebook (a parte boa é que o mundo ficou com menos um cromo).

As criaturas que participam no vídeo da sova à miúda de 13 anos, devem estar bem felizes: o filme passa montes de vezes por dia nas televisões, é tema de programas especiais e debates com psicólogos, psiquiatras, jornalistas, sociólogos...

Objetivo alcançado!

25 de maio de 2011

Não há coincidências?

Afinal até parece que há.
Ora observem e digam lá se não está bem apanhado!

23 de maio de 2011

Rapidinha de segunda (xvii)

No início, Deus criou a Terra e descansou.

Depois Deus criou o Homem e descansou.

Então Deus criou a Mulher.

Desde então, nem Deus nem o Homem descansam mais.

22 de maio de 2011

Uma fotografia por domingo (176)



Estamos na primavera, tomem lá mais flores.
As flores são simpáticas, estão quietinhas, deixam-se fotografar e ficam sempre lindas...

16 de maio de 2011

Rapidinha de segunda (xvi)

Vai um casal a passar por um poço dos desejos.
O homem atira uma moeda lá para baixo e pede um desejo.
A mulher, ao tentar atirar também uma moeda lá para baixo, debruça-se de mais,
perde o equilíbrio e cai ao poço!

Diz o homem:
- Ena, e não é que resulta mesmo?

15 de maio de 2011

Uma fotografia por domingo (175)

Mais uma bela flor, mas desta vez não digo o que é, fico à espera dos vossos palpites!

(se clicarem nela, podem vê-la bem maior, mas duvido que isso vos ajude, ihihih)

13 de maio de 2011

Rapidinha de segunda (xv)

No hospital, diz o médico:
- O senhor é o dador de sangue?
- Não, eu sou o da dor de cabeça!

9 de maio de 2011

Rapidinha de segunda (xiv)

A Lurdes era muito religiosa e cumpria os mandamentos de Deus.
Casou-se e teve 11 filhos. Depois o marido morreu.
Passado pouco tempo, voltou a casar. Teve mais 10 filhos. Depois o segundo marido morre.

Cinco semanas mais tarde, a Lurdes morre.

No funeral, o padre, olhando a defunta no caixão, comenta:

"Ahh.. finalmente juntos".

Uma velhota que se encontrava perto perguntou:
"Desculpe padre.. mas quando diz finalmente juntos, refere-se à defunta e o seu primeiro marido, ou à defunta e o seu segundo marido?"

"Refiro-me aos joelhos da Lurdes..."

3 de maio de 2011

Não se deve matar o mensageiro,

mas às vezes até apetece.
Eu tenho uma teoria que, aposto, ia mudar a situação em Portugal (se não a económica, pelo menos a anímica melhorava), que era que os jornais se calassem durante 1 ano.

Os jornalistas (ou pelo menos a maioria) parece que se congratulam quando as notícias são más, numa espécie de "quanto pior, melhor".
Hoje o resgate de Portugal já ia nos 100 mil milhões, depois de ter estado noticiado muito tempo que seriam 80 mil.
Afinal, são "só" 78!
E, pareceu-me que, tanto o Rodrigo Guedes de Carvalho como o comentador convidado - que não sei como se chama - estavam tristíssimos com a (boa)notícia.

Piores que os jornalistas, só alguns comentadores de serviço, como o Ricardo Costa ou o Miguel Sousa Tavares...

Quantas vezes têm ultimamente lido ou ouvido uma boa notícia?
Não há, ou não saem porque não vendem?

E calo-me por aqui, não vou falar ainda do mau português, escrito e falado (todos dizem "de encontro" quando queriam dizer "ao encontro") e das notícias mal dadas ou mal explicadas.

Nem de propósito, acabei de receber este mail, que passo a transcrever:

Eu conheço um país que em 30 anos passou de uma das piores taxas de mortalidade infantil (80 por mil) para a quarta mais baixa taxa a nível mundial (3 por mil).
Que em oito anos construiu o segundo mais importante registo europeu de dadores de medula óssea, indispensável no combate às doenças leucémicas.
Que é líder mundial no transplante de fígado e está em segundo lugar no transplante de rins.
Que é líder mundial na aplicação de implantes imediatos e próteses dentárias fixas para desdentados totais.
Eu conheço um país que tem uma empresa que desenvolveu um software para eliminação do papel enquanto suporte do registo clínico nos hospitais (Alert), outra que é uma das maiores empresas ibéricas na informatização de farmácias (Glint) e outra que inventou o primeiro antiepilético de raiz portuguesa (Bial).
Eu conheço um país que é líder mundial no sector da energia renovável e o quarto maior produtor de energia eólica do mundo, que também está a constuir o maior plano de barragens(dez)a nível europeu(EDP).
Eu conheço um país que inventou e desenvolveu o primeiro sistema mundial de pagamentos pré-pagos para telemóveis(PT), que é líder mundial em software de identificação (NDrive), que tem uma empresa que corrige e detecta as falhas do sistema informático da Nasa (Critical)e que tem a melhor incubadora de empresas do mundo (Instituto Pedro Nunes da Universidade de Coimbra).
Eu conheço um país que calça cem milhões de pessoas em todo o mundo e que produz o segundo calçado mais caro a nível planetário, logo a seguir ao italiano.
E que fabrica lençóis inovadores, com diferentes odores e propriedades anti-germes, onde dormem, por exemplo, 30 milhões de americanos.
Eu conheço um país que é o «state of art» nos moldes de plástico e líder mundial de tecnologia de transformadores de energia (Efacec) e que revolucionou o conceito do papel higiénico (Renova).
Eu conheço um país que tem um dos melhores sistemas de Multibanco a nível mundial e que desenvolveu um sistema inovador de pagar nas portagens das auto-estradas (Via Verde).
Eu conheço um país que revolucionou o sector da distribuição, que ganha prémios pela construção de centros comerciais noutros países (Sonae Sierra) e que lidera destacadíssimo o sector do «hard-discount» na Polónia (Jerónimo Martins).
Eu conheço um país que fabrica os fatos de banho que pulverizaram recordes nos Jogos Olímpicos de Pequim, que vestiu dez das selecções hípicas que estiveram nesses Jogos, que é o maior produtor mundial de caiaques para desporto, que tem uma das melhores selecções de futebol do mundo, o melhor treinador do planeta (José Mourinho) e um dos melhores jogadores (Cristiano Ronaldo).
Eu conheço um país que tem um Prémio Nobel da Literatura (José Saramago), uma das mais notáveis intérpretes de Mozart (Maria João Pires) e vários pintores e escultores reconhecidos internacionalmente (Paula Rego, Júlio Pomar, Maria Helena Vieira da Silva, João Cutileiro).

Este país é Portugal.

2 de maio de 2011

Rapidinha de segunda (xiii)

(e porque ontem foi dia da mãe...)

Uma mulher leva um bebé ao consultório do pediatra.

Depois de alguns momentos de espera na sala, a enfermeira manda-a entrar.
Feita a apresentação, o médico começa a examinar o bebé e vê que o seu peso está abaixo do normal e pergunta:
- O bebé bebe leite materno ou de biberão?
- Leite materno, diz a senhora.
- Por favor, mostre-me os seus seios.
A mulher obedece e o médico toca, apalpa, aperta ambos os seios; gira os dedos nos mamilos; primeiro suavemente, depois com mais força, coloca as mãos por baixo e levanta-os; uma vez, duas vezes; três vezes, num exame detalhado.
Faz um beicinho, sacode a cabeça para ambos os lados e diz:
- Pode colocar a blusa.
Depois da senhora estar novamente composta o médico diz:
- É claro que o bebé tem peso a menos. A senhora não tem leite nenhum.
- Eu sei, doutor. Eu sou a avó. Mas adorei ter vindo...!

1 de maio de 2011

Uma fotografia por domingo (173)



Segunda-feira, dia 25 de Abril, passeei por Braga.
A fotografia é da fachada da sua velha Sé, ainda engalanada por causa das comemorações pascais.

E, para que não vos falte nada, deixo-vos com um bocadinho de história, retirada daqui.


«Segundo a tradição, a diocese bracarense foi criada no século III; mas a História só a confirma a partir do ano de 400. O actual edifício está implantado sobre uma outra construção religiosa que, possivelmente, foi a anterior catedral.
Foi com o bispo D. Pedro (1070-1093) que se iniciou a obra da actual Sé. Depois dele quase todos os seus sucessores quiseram deixar a sua marca, fosse em pequenas alterações ou em obras de vulto. O Cabido, a quem pertencia o governo da Catedral, também imitou os arcebispos nos períodos em que se verificou Sé vacante. É por essa razão que do primitivo edifício pouco mais nos resta do que a implantação e o projecto geral, além de alguns curiosos pormenores decorativos, como as duas arquivoltas da primitiva porta principal românica, lavrados com cenas da gesta medieval da Canção da Raposa.»