3 de maio de 2011

Não se deve matar o mensageiro,

mas às vezes até apetece.
Eu tenho uma teoria que, aposto, ia mudar a situação em Portugal (se não a económica, pelo menos a anímica melhorava), que era que os jornais se calassem durante 1 ano.

Os jornalistas (ou pelo menos a maioria) parece que se congratulam quando as notícias são más, numa espécie de "quanto pior, melhor".
Hoje o resgate de Portugal já ia nos 100 mil milhões, depois de ter estado noticiado muito tempo que seriam 80 mil.
Afinal, são "só" 78!
E, pareceu-me que, tanto o Rodrigo Guedes de Carvalho como o comentador convidado - que não sei como se chama - estavam tristíssimos com a (boa)notícia.

Piores que os jornalistas, só alguns comentadores de serviço, como o Ricardo Costa ou o Miguel Sousa Tavares...

Quantas vezes têm ultimamente lido ou ouvido uma boa notícia?
Não há, ou não saem porque não vendem?

E calo-me por aqui, não vou falar ainda do mau português, escrito e falado (todos dizem "de encontro" quando queriam dizer "ao encontro") e das notícias mal dadas ou mal explicadas.

Nem de propósito, acabei de receber este mail, que passo a transcrever:

Eu conheço um país que em 30 anos passou de uma das piores taxas de mortalidade infantil (80 por mil) para a quarta mais baixa taxa a nível mundial (3 por mil).
Que em oito anos construiu o segundo mais importante registo europeu de dadores de medula óssea, indispensável no combate às doenças leucémicas.
Que é líder mundial no transplante de fígado e está em segundo lugar no transplante de rins.
Que é líder mundial na aplicação de implantes imediatos e próteses dentárias fixas para desdentados totais.
Eu conheço um país que tem uma empresa que desenvolveu um software para eliminação do papel enquanto suporte do registo clínico nos hospitais (Alert), outra que é uma das maiores empresas ibéricas na informatização de farmácias (Glint) e outra que inventou o primeiro antiepilético de raiz portuguesa (Bial).
Eu conheço um país que é líder mundial no sector da energia renovável e o quarto maior produtor de energia eólica do mundo, que também está a constuir o maior plano de barragens(dez)a nível europeu(EDP).
Eu conheço um país que inventou e desenvolveu o primeiro sistema mundial de pagamentos pré-pagos para telemóveis(PT), que é líder mundial em software de identificação (NDrive), que tem uma empresa que corrige e detecta as falhas do sistema informático da Nasa (Critical)e que tem a melhor incubadora de empresas do mundo (Instituto Pedro Nunes da Universidade de Coimbra).
Eu conheço um país que calça cem milhões de pessoas em todo o mundo e que produz o segundo calçado mais caro a nível planetário, logo a seguir ao italiano.
E que fabrica lençóis inovadores, com diferentes odores e propriedades anti-germes, onde dormem, por exemplo, 30 milhões de americanos.
Eu conheço um país que é o «state of art» nos moldes de plástico e líder mundial de tecnologia de transformadores de energia (Efacec) e que revolucionou o conceito do papel higiénico (Renova).
Eu conheço um país que tem um dos melhores sistemas de Multibanco a nível mundial e que desenvolveu um sistema inovador de pagar nas portagens das auto-estradas (Via Verde).
Eu conheço um país que revolucionou o sector da distribuição, que ganha prémios pela construção de centros comerciais noutros países (Sonae Sierra) e que lidera destacadíssimo o sector do «hard-discount» na Polónia (Jerónimo Martins).
Eu conheço um país que fabrica os fatos de banho que pulverizaram recordes nos Jogos Olímpicos de Pequim, que vestiu dez das selecções hípicas que estiveram nesses Jogos, que é o maior produtor mundial de caiaques para desporto, que tem uma das melhores selecções de futebol do mundo, o melhor treinador do planeta (José Mourinho) e um dos melhores jogadores (Cristiano Ronaldo).
Eu conheço um país que tem um Prémio Nobel da Literatura (José Saramago), uma das mais notáveis intérpretes de Mozart (Maria João Pires) e vários pintores e escultores reconhecidos internacionalmente (Paula Rego, Júlio Pomar, Maria Helena Vieira da Silva, João Cutileiro).

Este país é Portugal.

5 comentários:

mfc disse...

Temos que ter orgulho em nós!
Senão.... quem há-de ter?!
E pensando bem até merecemos!

Angel disse...

Já conhecia este texto... Apesar de estarmos a passar por dificuldades e haver mts coisas q nos entristecem, temos MUITO do q nos orgulhar!

maria mar disse...

É sempre bom sabermos quem somos e o que conseguimos. E somos muito bons em muitas areas, é bom que nos reconheçam. Bj

Renato Santos Passos disse...

No Brasil, começou-se agora a falar sobre Portugal, nos jornais, TV, revistas... É que agora há más notícias.

mlu disse...

As coisas boas que temos não interessam aos media porque não vendem! É a exploração dos sentimentos mórbidos e da auto-comiseração, em vez daquilo que poderia aumentar a auto-estima de um povo! Mau jornalismo e maus jornalistas, é o que é.

Um abraço.