31 de dezembro de 2008

Feliz 2009!!

Para todos os que por aqui passam, um EXCELENTE 2009...
sem quotas!!

Ah, e não se esqueçam de passar na Padaria e votar na minha fotonovela!

É que eu quero ganhar um cacete, ou um brioche, ou lá o que é!!

Pleeeeeeease!



29 de dezembro de 2008

O nosso presidente falou ao país, em directo.
Não me dei ao trabalho de estar atenta, pois o assunto não me interessava (nem a mim, nem a 99,99% dos portugueses, ou mais...)
E até acho que ele tem todo o direito de vir à televisão fazer as suas queixinhas.
Afinal, na televisão dão voz a tanta gente que não tem nada de importante para dizer!! E este senhor, ao menos, é o presidente da república!

O que me chateia mesmo é que este senhor não tenha tido nada a dizer ao país acerca de, por exemplo, esta história do apoio do governo aos banqueiros bancos ou também não tenha nada a dizer acerca do problema dos professores.

Por mais que me esforce, não entendo estas prioridades!

26 de dezembro de 2008

Festa, outra festa e ainda mais festa!!

Ainda não refeita das festas de Natal (duas! a Consoada e o dia de Natal propriamente dito) todas com imensa comida e ainda mais sobremesas e bebidas, eis que estou a poucas horas da partida para mais outra!
Desta vez, uma festa de casamento!
Corro o risco de chegar ao fim destes dias a rebolar em vez de caminhar!

Quando acabarem as festanças eu apareço a contar novidades!
(se couber na porta!)

24 de dezembro de 2008

FELIZ NATAL

a todos quantos por aqui passam.

Que tenham uma noite muito feliz e uma mesa farta!

farta de saúde, alegria e amigos.

E já agora, também farta de rabanadas, sonhos, azevias, bilharacos, leite-creme, filhoses...

22 de dezembro de 2008

Porque é que ninguém me avisou que este ano o Natal era mais cedo??

Ai não é?
É exactamente no mesmo dia dos outros anos?
Eu nõ acredito!
Porque hoje, segunda-feira a pouco mais de 48 horas da "festa" eu ainda não comprei as prendas mais importantes, ainda não enviei nem um postal de Boas Festas - nem sequer por mail, ainda nem comecei a ver as louças e essas tralhas (e vou ter a casa cheia de gente), ainda não fiz nem uma sobremesa - e está ali uma abóbora gigante para descascar (mas essa tarefa não será minha!!).

Por outro lado, tenho ainda as avaliações dos meus alunos para fazer (e mais uma série de burocracias que têm de ser feitas nesta altura, mas não vou pôr aqui a enorme lista porque para muitas pessoas os professores já estão "de férias"), e ainda vou ter amanhã uma reunião de pais.

Um sufoco!
Posto isto, deixo aqui os meus votos de Boas Festas a todos os que por aqui passem, já que tempo para fazer visistas individuais não vai haver.

19 de dezembro de 2008

Boas festas!

Recebi este postal de Boas Festas da "Lisboa Editora"
É caso para dizer "quando é que esta gente (=ministério da educação) entende?
Afinal há mais de 400 anos se sabe esta verdade tão simples!

18 de dezembro de 2008

De dispensa em dispensa... enche a galinha o papo?

A nossa querida e inefável ministra continua na saga do simplex e das dispensas.
Por agora serão dispensados de avaliação os professores que estejam a 3 ou menos anos da reforma e também os professores contratados dos cursos profissionais.

A seguir, aposto que serão os que tenham olhos azuis e cabelos loiros.
Cá por mim, vou ficar à espera da minha vez, ou seja, quando ela resolver dispensar professores com nick de heroína de fábula!

17 de dezembro de 2008

Já sou uma docentezeca!!

Já chegou o livro que veio alegar estes dias de trabalho!
Já o li uma vez, mas não vou ficar por aqui.
Como tristezas não pagam dívidas, se querem divertir-se um pouco à custa desta salganhada em que se tornou a educação nos últimos 3 anos, é só encomendar, AQUI.
E divirtam-se!

(atolada em trabalho, não há tempo para escritas nem para visitas...)



14 de dezembro de 2008

Uma fotografia por domingo (72)

Como devem saber (não sabem o que estão a perder se não souberem!!) mantenho, além deste blog, um outro de culinária (só de doces, como convém a uma gulosa assumida).
Nele publico só as receitas experimentadas com as respectivas fotografias.
Esta que publico hoje foi confeccionada no âmbito de um "Intercâmbio Culinário" e é uma receita tipicamente brasileira. Neste intercâmbio, juntam-se duas sócias (uma portuguesa e uma brasileira) que trocam receitas típicas do seu país.

Observem a foto, salivem muito e, se quiserem provar esta delícia, dirijam-se à Bruxinha do Lar onde podem ver a receita (só ver, infelizmente não dá para provar).


Ambrosia

(clicar para ver ainda melhor!)

11 de dezembro de 2008

Quando penso que a minha capacidade de indignação se esgotou,

que não há mais nada que me abale, acontece sempre alguma coisa que me mostra como afinal o limite ainda não era ali!

Hoje, o ME publica, na sua página oficial, um artigo chamado "10 mitos sobre a avaliação de desempenho docente".
Assim.. na página do ministério que acredito que as pessoas comuns habitualmente não lêem, portanto é dirigida aos atrasados mentais dos professorzecos...

Lá, explicam a esta cambada de burros que afinal a avaliação não é nada complicada, é tudo simplex!
Mas o que me fez arrepiar e dizer dois ou três palavrões, foi o "mito n.º 4" que reza assim:

«Mito 4 - Os professores têm que organizar um portefólio exaustivo e complexo.

Não. A escola apenas deverá requerer que o professor reúna elementos decorrentes do exercício da sua profissão que não constem dos registos e dos sistemas de informação da escola e que sejam relevantes para a avaliação do seu desempenho. Aliás, no modelo de avaliação anterior, todos os professores já tinham de organizar um portefólio para poderem ser avaliados, constituindo este (juntamente com o relatório crítico de auto-avaliação) o único instrumento de avaliação.»


Modelo de avaliação anterior?????????????????????????????
Mas afinal os professores eram avaliados?? A sério?? Juram?? E eu que pensava que não!! A propósito: não se esqueçam de avisar o primeiro-ministro, pois ele também não sabe!!

-------------------------------

A esta hora, acabada de chegar a casa, ainda nada sei do que se passou ou está a passar na reunião com a ministra...
Mas faço votos para que os sindicatos não cedam nem um milímetro a esta cambada de malfeitores que dão pelo nome de "governo"!!

10 de dezembro de 2008

E se fossem cavar batatas??

Estava eu de boca aberta por achar espantoso que ninguém soubesse quem foram afinal os deputados faltistas - afinal bastava ir ver o "livro de ponto", não é??

Afinal, parece que não é assim tão simples (e agora de boca escancarda!) porque os senhores deputados, mesmo os que faltaram, assinaram o livro de ponto!!!

Mais uma vez, o Antero consegue brincar com a situação.
Ah, e o livro dele está à venda!!

8 de dezembro de 2008

Ben Hur

Tinha eu 10 ou 11 anos quando vi este filme pela primeira vez.
Fui com a mãe da Clara ao cinema lá da terrinha, onde as cadeiras eram de madeira, iguais às da minha cozinha.
Lembro-me que fiquei impressionadíssima com o filme, chorei baba e ranho, e durante muito tempo algumas cenas não me saíam da cabeça.

Hoje revi-o.
Não me sentei só a ver televisão, estava a fazer outras coisas (trsabalhos para a escola, vejam lá!!) e ia pondo o olho.
Apesar dos anos que passaram, e das milhentas vezes que este filme já repetiu na televisão, continua a ser impressionante!!
Ainda hoje lá estava eu a torcer para que a telha não se soltasse daquele telhado, para que não acontecesse mal nenhum àquela gente!

E continuam a ser impressionantes aquelas cenas dos remadores na galera romana, a corrida das quadrigas, as masmorras, os leprosos...
Não consigo deixar de me lembrar que, apesar de estar a ver ficção, aquelas situações existiam e com certeza eram ainda mais horrendas!

Já não se fazem filmes assim!

7 de dezembro de 2008

Uma fotografia por domingo (71)

Um pormenor da minha árvore de Natal, feita hoje.

(O enfeite vermelhinho, no canto superior direito, vai durar aqui pouco tempo, porque é de chocolate...
De qualquer maneira, também está ali a destoar, não é?? Aquela cor não me parece que fique ali bem...)

6 de dezembro de 2008

O que é que o Pai Natal lhe vai trazer este ano?

Confiram como eu sou boazinha!!
Os que vêm para aqui chamar-me refilona e outros mimos, façam o favor de engolir o que dizem!!
Uma autêntica Madre Teresa, é o resultado do teste...
(mais mais alta e mais gira!!!)

4 de dezembro de 2008

Moral da história:

Nunca mais prometo nadinha!

Tinha prometido que não falava mais dele, dele, dele, dele, dele ou dele mas esta imagem que recebi é irresistível e tenho de a partilhar!!

Tenho um Magalhães destes no meu sótão, vou levá-lo para mostrar aos meus alunos!

3 de dezembro de 2008

E para finalizar o dia de greve...

...transcrevo para aqui um comentário.
A escola a que este comentário se refere é uma escola grande, com mais de 1000 alunos*, e, tanto quanto sei, onde não é costume haver este nível de adesão, nem nada que se pareça!

«Na minha escola a adesão foi de 99,5% de manhã e 100% de tarde...
Não consigo comprender como o sr. Valter Lemos diz que os objectivos da greve foram "não cumpridos, porque a maioria das escolas tem as portas abertas..."

Claro que as portas são abertas pelos funcionários, e assim se mantêm para que os alunos que forem à escola lá encontrem o acolhimnto de que sempre dispõem!!!
Não consigo compreender como um serviço que se diz MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO nega os mais elementares princípios necessários para que a educação tenha credibilidade, manipulando a opinião pública, os pais, os alunos e todo o país contra aqueles que lutam para defender verdadeiramente a escola pública, que deveria ser um direito basilar!!!
Mas a escola (com todo o leque de oportunidads, de formação, de apoio, de enriquecimento, de espaço de crescimento e de liberdade de pensamento) está a ser destruída por eles...
Enquanto os seus defensores são acusados... de corporativismo, de estarem centrados em interesses pessoais ou em lutas políticas!!! E nem sequer têm direito de antena para poderem explicar aquilo que, realmente, se passa! É inaceitável o que se passa neste país!
Quando as pessoas acordarem, será demasiado tarde...»


Graça

rectificação: são 2209 alunos!!

Greve

Em dia de greve, com a maioria das escolas do país de facto fechadas, o secretário de estado Pedreira (cadê o resto da quadrilha?) diz que "maioria das escolas estão abertas"!!!
(é capaz de ter razão, a minha deve estar aberta, já que a funcionária não fez greve e há-de lá estar!)

Também me faz impressão ouvir nas diversas notícias vários erros, como por exemplo "os professores não querem a avaliação".
Não é bem assim!
Os professores não querem ESTE modelo de avaliação.
Os professores NÃO QUEREM ser divididos em 2 categorias, uma divisão completamente arbitrária que põe uns a mandar noutros sem qualquer critério.

Emquanto este estúpido estatuto não for revogado, podem dar as voltas que quiserem que não há avaliação aceitável.
Por quanto tempo ainda vamos ter de aturar uma ministra autista que não vê, não ouve e só repete sempre a mesma coisa?? (ou, como ultimamente, manda repetir!)

«Temos um professor que há 12 anos não faltava e hoje faltou» diz uma aluna de um Liceu.




Ontem na minha escola houve uma reunião geral de pais.
Estavam praticamente todos presentes (à excepção dos ciganos que a esses o patrão não deve ter dado dispensa para poderem ir à reunião).
Como os nossos alunos são pequeninos e dependentes dos adultoa para se deslocarem para a escola, achámos por bem avisá-los da greve.
Apesar dos transtornos que sabemos que esta situação causa a muitos pais e mães, não houve um único que se tenha manifestado contra a greve!
Aliás, alguns dos que falaram do assunto foi para nos apoiar!!

2 de dezembro de 2008

BOAS FESTAS!

Se ainda não compraram postais de Natal e se acham que não há e-postal por mais "estreluzente" que seja que chegue aos pés do bom e velhinho postal de natal que chega pelo correio, então deixo-vos esta sugestão:



Lá donde este veio há mais alguns, todos igualmente bonitos.
O seu autor é o José Abrantes, que é também o autor da "minha" fada de que muito me orgulho.

No seu site podem ver o resto da colecção de postais e também encomendá-los.

1 de dezembro de 2008

O cúmulo da falta de gulodice...

... é enfeitar a árvore de Natal com enfeites de chocolate do ano anterior!!

Já os meus, se forem de chocolate, nem sequer chegam ao fim do período natalício!
A minha árvore chega aos Reis já meia despida de enfeites!!

30 de novembro de 2008

Uma fotografia por domingo (70)


Mais um candeeiro, mais uma praia.
Desta vez é a de S. Pedro de Moel, uma das mais bonitas de Portugal (e devo conhecê-las quase todas!)

27 de novembro de 2008

Vidas

A T. foi minha aluna durante 2 ou 3 anos, não sei bem.
Andou pela escola primária até aos 14 anos.
(parte da história dela foi aqui contada)

Na semana passada apareceu-me na escola para mostrar... o seu bebé!!
Tem 4 meses, é um bebé enorme e vinha instalado numa espécie de cadeira, sem qualquer protecção para o sol ou para o vento!
Tinha as mãozinhas todas sujas, as unhas pretas e, pelo que a mãe me disse, já come de quase tudo!

A T. deve ter agora 16 anos e este bebé já é o segundo filho (o primeiro morreu pouco depois de ter nascido).

26 de novembro de 2008

Não há pobreza maior que a pobreza de espírito!

Hoje, numa reunião (mais uma!), ouvi de raspão uma colega comentar - a propósito do Magalhães - que uma mãe de 3 filhos, com grandes dificuldades financeiras, e recebendo subsídio para livros, material escolar e almoços, vai querer comprar os computadores e também aderir à net (os preços rondam os 17 € mensais, com uma fidelização de 24 meses).

A referida senhora quer não uma, mas 3 ligações à internet!!

(e agora queria rematar convenientemente esta conversa, mas não me ocorre nadinha!)

25 de novembro de 2008

As "pérolas" do Expresso

A primeira "pérola" vem do cromo do MST - aquele a quem roubaram o livro! - e reza assim:

[sobre as manifestações dos alunos, a mando dos professores, é claro!]
"é certo que tinham razão relativamente ao regime de faltas, cuja interpretação em algumas escolas conduzia ao absurdo de não distinguir faltas por doença de faltas justificadas"

Bem, já todos sabíamos que Miguel S. Tavares não sabia escrever, agora ficamos a saber que também não sabe ler!!

É que o decreto-lei reza assim (artigo 22.º, ponto 2):
"Sempre que um aluno, independentemente da natureza das faltas, (...) deve realizar,
logo que avaliados os efeitos da aplicação das medidas correctivas referidas no número anterior, uma prova de recuperação(...)"


Mais adiante, no mesmo jornal, há um artigo sobre a agora famosa escola de Beiriz, a tal em que "todo o processo de avaliação decorre com normalidade" mas onde afinal está tudo parado como nas outras escolas (quem o disse foi a presidente do seu CE nos Prós de ontem!)

Passo a transcrever a pérola:

"Outro caso controverso na avaliação, mas que em Beiriz é trivial: a observação de aulas. A co-docência é frequente, diz Maria Luísa Moreira [a presidenta], sendo normal - repare-se! - normal um professor pedir a um colega que o auxilie na sala de aula."

Não sei quem foi o grunho que escreveu isto, para o poder chamar pelo nome, mas sobre isto tenho a dizer que "auxiliar" um colega na sala de aula não é o mesmo que estar a observá-lo, com um monte de papéis na mão e a fazer cruzinhas de cada vez que o observado fala, reparando em todos os pormenores da aula (e há grelhas de observação completamente pidescas, garanto-vos).

Só uma alma ignorante não distingue os dois casos!!!
Tomara eu ter "auxiliares" na minha sala todos os dias!
Infelizmente, só tenho direito a umas míseras 3 horas semanais, isto quando o meu "auxiliar" não falta, o que acontece com frequência já que ele é também o "bombeiro" de todo o agrupamento!

E é capaz de haver mais "pérolas" lá pelo jornal, só que a esta hora já está no papelão, que é o lugar dele!!

24 de novembro de 2008

Prós e contras

Logo mais à noite vai haver "Prós e Contras" e mais uma vez sobre educação.
Eu sei que vou ver, mas ao mesmo tempo acho que não o devia fazer.
Este assunto incomoda-me tanto que até me enjoa fisicamente!

Sobre o que sentem os professores, vou transcrever algumas declarações do professor Pedro Nuno Teixeira dos Santos, (no blog Educação do meu umbigo") que em princípio e apesar de bastante sacrifício pessoal, lá vai estar.
E transcrevo porque subscrevo completamente e não era capaz de o dizer tão bem!

«Na minha escola, os professores mais inconformados com a actual situação são os mais competentes, ou seja, os que supostamente teriam algo a ganhar com esta avaliação. Precisamente porque vislumbram nela uma “hipocrisia” que nada mudará nas escolas.»
(na minha também!)

«Sim é certo, existe uma minoria de professores pouco competentes. Como em todas as profissões…Os executivos sabem bem quem são. É por isso que, no início de cada ano, não lhes atribuem determinados cargos, como o de director de turma em que se lida directamente com os pais.»
(completamente verdade: os piores professores ainda são premiados porque, normamente, não têm qualquer cargo!)

«Os professores começam a dar aulas, após um ano de estágio onde foram avaliados por orientadores científicos e pedagógicos, na própria escola e na universidade. Se o governo considera que após 3 ou 4 anos de estudo e um ano de estágio é uma simples prova que permitirá aferir quem, de entre todos esses candidatos, reúne condições para ensinar, a conclusão é fácil de tirar: o ministério da educação não confia nas universidades portuguesas!»
(se calhar até há escolas que não nerecem confiança. Então fechem-nas!!)

O ano passado tive uma inspecção na minha escola. (...)
O que os incomodou foram os papéis…Ou a falta deles.»
(tal e qual como na minha: os papéis é que são importantes!!)

Força, Pedro!
Que não te faltem as palavras!

Uma fotografia por domingo (69)


20 de novembro de 2008

O pior cego é aquele que não quer ver!!

Fiquei indignada quando ouvi a ministra a dizer na entrevista que não há nenhum outro país da Europa com este (complicado) modelo de avaliação de professores porque também não há nenhum país da Europa com os nossos maus resultados académicos!!

Como se a culpa disto fosse dos professores!!
Ela não sabe em que país vive?
Comparou ela o nosso grau de literacia com o desses países?
O nosso ordenado mínimo com o desses países?
O nosso nível de pobreza com o desses países?

Esta senhora não se enxerga!

18 de novembro de 2008

Desde que me conheço por gente que vivo em democracia.

Quando se deu o 25 de Abril eu tinha 14 anos e nada sabia de política (ainda hoje não sei, pronto...). A política não fazia parte do meu dia a dia, nem das conversas lá de casa, era ignorante e feliz, como Salazar desejava.

[Lembro-me que uma vez, numa aula de História, perguntei ao professor (que era padre e além de História, também dava aulas de Geografia, de Ciências, de Desenho, de Moral...) por que razão havia guerra em África. Achava eu que era um disparate. Ele respondeu qualquer coisa como "eles não nos querem lá a mandar e por isso fazem guerra".
Ainda fiquei mais convencida da correcção da minha ideia e disse que devia mesmo ser assim, já que a terra era deles! Então ele perguntou-me se eu gostava de açúcar! "Gosto muito"
"Se os portugueses viessem embora de África, como o açúcar vem de lá, ficavas sem açúcar".
E foi assim que eu, com 11 ou 12 anos, me tornei colonialista!]

Posto isto, devo dizer que agora seria incapaz de viver sem democracia.
Não imagino uma vida em que não o pudesse fazer livremente, votar, refilar, reivindicar...
Não imagino uma vida em que os assuntos importantes para todos fossem resolvidos por um, sem os outros se poderem pronunciar.

Ultimamente atitudes deste governo fazem-me sentir apreensiva porque sinto medo. Sinto-o eu e sinto-o nos outros.

Uma pessoa que confunde autoridade com autoritarismo - como a ministra da educação - não devia ter lugar no governo de um país democrático.

Apesar de tudo ontem, no meu Agrupamento decidiu-se pela exigência da suspensão desta avaliação e deste Estatuto aberrantes, apesar dos "castigos" prometidos.
O medo saiu vencido.

17 de novembro de 2008

"Qual pesadelo, qual quê"

Um responsável do SINDEP revelou ao DN, ilustrando o modelo de avaliação da ministra Lurdes Rodrigues, o caso concreto de uma professora com 9 turmas e 193 alunos que vai ter que introduzir manualmente no computador 17 377 registos e fazer 1456 fotocópias, além de participar em algo como 91 reuniões.

Contas feitas, a 1 minuto por registo, e visto que a professora é um Usain Bolt informático, e não dorme nem come, nem se coça, nem se assoa, inteiramente entregue à avaliação, são 290 horas, isto é, 12 dias (noites incluídas).

Já 1456 fotocópias a 1 minuto cada (tirar o papel do monte, pô-lo na bandeja da fotocopiadora topo de gama da escola, esperar que saia fotocopiado e colocá-lo noutro monte), levam-lhe mais um 1 dia (noite incluída).

E 91 reuniões, também de 1 minuto, mais 91 escassos minutos. Ao todo, a professora fará a coisa em pouco mais de 13 dias (noites incluídas).
Qual "pesadelo burocrático" qual quê!
No fim ainda lhe sobrarão, se alguém a conseguir trazer do cemitério ou do manicómio, 152 dias para dar aulas, aprovar os 193 alunos e contribuir para as estatísticas da ministra.

Manuel António Pina
JN de 13/11

16 de novembro de 2008

Uma fotografia por domingo (68)

Nasceram no meu quintal, mas não sei se são comestíveis ou venenosos...
Alguém se oferece para provar?

Mas, mesmo sendo venenosos, são tão lindinhos, não são?

Por que não têm medo os professores

A senhora ministra continua, nos jornais de hoje, a dizer que não conhece nenhuma escola em que a avaliação esteja suspensa.
E de caminho, para o caso de poder haver alguma (mas não há, claro que não há), a ameaçar os professores.

Mas ameaçar com quê?

Congelamento das carreiras?
Este não assusta ninguém porque estamos "congelados" há anos e assim iremos continuar, uma vez que as carreiras foram encurtadas de 10 para 6 escalões.

Cadeia.?
Isso era muito dispendioso: as cadeias que existem não chegariam, era preciso construir mais. E tinham de ser de alta segurança para poderem albergar tão perigosos malfeitores...

Hoje fala-se (ou lê-se) que o castigo vai ser não aceder a professor titular.
Mas ó senhora ministra o "concurso" para titular foi no ano passado e agora de qualquer das maneiras, não vai haver vagas nos próximos anos!
(a não ser a falada progressão a titulares dos deputados-professores, mas esses não estão em perigo porque não são desobedientes!!)



O último e mais hilariante castigo é o de não dar o prémio de "melhor professor" aos desobedientes!!

Vou ali fartar-me de rir e volto já!

14 de novembro de 2008

Imperdoável!

Que as pessoas comuns (e até os jornalistas) digam barbaridades acerca da avaliação de professores, até se compreende: aos primeiros desculpa-se a ignorância (eu também ignoro como e quando os outros trabalhadores são avaliados, só com a diferença de que não me pronuncio sobre isso em blogs e comentários de jornais), aos segundos desculpa-se o "lambe botismo" já que a vida custa a todos e também devem ter família para sustentar.

Imperdoável é que o primeiro-ministro - e numa altura em que o assunto "professores" é o mais discutido do país - não o saiba!
Imperdoável é o primeiro-ministro deste país mentir descaradamente ao afirmar que os professores nunca foram avaliados.

Imperdoável e inesquecível, como ele irá constatar nas próximas eleições - se não for antes!

13 de novembro de 2008

Não é sobre o Magalhães, embora pareça!

Há dias eu desabafei aqui acerca das tarefas burocráticas que estão a impingir aos professores por causa do Magalhães.

Mas ainda não sabia da última, que recebi há bocadinho por mail (um mail de trabalho, não foi um dos que andam por aí sem dono!).

Reza assim uma parte das instruções:

"(...) depois introduzem o vosso número de contribuinte e o código pessoal que cada aluno tem."

Há por aí quem saiba alguma coisa sobre o assunto?
Alguém me sabe dizer o que faz o meu número de contribuinte numa compra sobre a qual eu não tenho rigorosamente nada a ver???

12 de novembro de 2008

Os decretos incompletos...

Eu estou convencida, mesmo muito convencida de que este pessoal que escreve as leis o faz de maneira a que mais ninguém as entenda a não ser eles.
Depois há os advogados que ganham a vida a interpretá-las e dois advogados podem entender duas coisas completamente diferentes, dependendo do ponto de vista ou de quem lhes paga.

Penso que devia ser precisamente o oposto: as leis deviam estar escritas de maneira a que qualquer pessoa - desde que soubesse ler - as entendesse!

E pior ainda foi o que me aconteceu hoje: queria ler um decreto (o estatuto do aluno) e dou de caras com coisas do género:

Artigo 6.º
[...]
1 — . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
2 — . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
a) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
b) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
c) Diligenciar para que o seu educando beneficie
efectivamente dos seus direitos (...)


Eu sei que para ficar a saber o que falta aqui basta ir procurar à lei anterior, de 2002.
Mas não é de fácil acesso para quem não tem por hábito coleccionar os Decretos-Lei.

Já agora custava muito a quem faz as leis, escrevê-las com todos os artigos, os alterados e os outros???
Custava??

11 de novembro de 2008

"A ministra dos milagres!" por Manuel António Pina

«Os professores portugueses parecem ter ganho o gosto às avaliações, e 120 mil (há oito meses foram "apenas" 100 mil) avaliaram de novo a ministra e a "sua" avaliação.
Depois do milagre estatístico da Matemática, Lurdes Rodrigues conseguiu proeza ainda mais improvável, a da unanimidade dos professores.
Se isso não chega para a sua beatificação - que Sócrates tem em marcha - vou ali e venho já.
120 mil professores na rua (uns "míseros votos", como lhes chamou Sócrates) contra o naufrágio do sistema educativo e o pesadelo burocrático em que foi transformada a sua profissão, e gritando "deixem-nos ser professores" não é sinal de descontentamento, é algo mais profundo.

Ou deveria ser, para quem tivesse um mínimo de humildade democrática e não confundisse firmeza com auto-suficiência e poder com mando.

Se a passagem de Lurdes Rodrigues pelo ME constitui um "study case" de incapacidade técnica e autismo político, a reacção praticamente unânime dos professores em defesa da dignidade da profissão docente é um exemplo de cidadania activa cada vez mais raro no "país em diminutivo" em que nos tornámos.»

no JN de hoje.

10 de novembro de 2008

Eu tinha prometido...

... mas não resisti a esta imagem que recebi por mail!!
Além disso hoje estive 11 horas fora de casa, ainda tenho as aulas de amanhã para preparar e nem sequer me passa pela cabeça corrigir hoje os trabalhos dos meus alunos que trago na pasta, porque convém-me estar viva amanhã para festejar o S. Martinho com eles, por isso hoje não tenho tempo para escrever aqui!!



Ora digam lá se não está muito bem apanhado!!

9 de novembro de 2008

Uma fotografia por domingo (67)

A minha nova orquídea, enquanto está bonita e cheia de flores...
Um presente para todos os que por aqui passam, mas especialmente para todos os professores deste país.


Que trabalham em condições precárias, às vezes a mais de uma centena de quilómetros de casa e longe da família e que ainda são enxovalhados por quem, por força da sua posição, os devia defender!

8 de novembro de 2008

Se 120 000 não chegam, pararemos todos!

Há em Portugal cerca de 140 000 professores.
Hoje, mais de 120 000 foram a Lisboa.

Só gente maldosa e mal formada pode achar que tanta gente está enganada, que tanta gente é malandra e não quer trabalhar nem ser avaliada.

Nos comentários dos jornais on line leio as maiores barbaridades.
Alguns comentários com nomes diferentes são das mesmas pessoas (a repetição dos mesmos erros ortográficos denunciam-nos!!).
Como funcionará a cabeça de gente que gasta o seu tempo a comentar nos jornais contra os professores?

Esses comentários - de gente frustrada e mal amada que com certeza teriam querido ser professores mas não tiveram inteligência suficiente para o conseguir - não me incomodam muito, nem me tiram o sono.
Os comentários que me incomodam até à náusea são os da ministra!
Ela continua a fingir que não está a acontecer nada, que há muitos professores que estão do lado dela!
Continua a dizer que os professores são uma classe privilegiada, que trabalha pouco e dá a entender a quem a ouve que os professores estão nas ruas apenas porque não querem ser avaliados!!
Como pode uma pessoa que é ministra da educação ser tão ignorante e tratar assim os "seus" trabalhadores??

Na sexta-feira dizia-me a mãe de uma aluna, à entrada da escola "vocês têm toda a razão, mas têm uma ministra que quando aparece na televisão só diz mal dos professores! os outros ministros não dizem mal das pessoas".
Outras que estavam lá deram-lhe razão, todas diziam que "a mulher é uma mal encarada, não tem simpatia nenhuma, se calhar nunca pôs os pés numa escola para ver como é o vosso trabalho e o que ele custa".

Mas isto são pessoas com pouca instrução a falar...

7 de novembro de 2008

Magalhães, só mais uma vez... prometo!

O texto que se segue é um comentário da Graça, no post anterior.
Só para que não pensem que eu sou "refilona" ou exagerada...
E que a realidade é ainda pior do que eu a pinto.
Porque na minha escola (ou melhor, na minha sala de aula - porque na cantina já não é assim)as crianças não passam frio.
E também, na minha escola, as fotocópias não são racionadas!

«Na minha escola grande parte dos alunos não tem direito a ter cacifo.
Andam carregados de livros e mochilas o dia inteiro...
Nas minhas aulas os alunos apertam os casacos, põem os cachecóis à volta do pescoço, esfregam as mãos para poderem escrever e tiritam de frio dentro de salas gélidas...
Na semana passada, paguei do MEU bolso as fotocópias para os MEUS alunos poderem fazer testes, porque na minha escola não há dinheiro para fotocópias...

Mas afinal... será que isto pode ser verdade?!!!
Somos RICOS!
Até os alunos que não sabem escrever têm direito a um Magalhães...
Até os alunos que já têm computador são "aconselhados" a adquirir outro: o indispensável Magalhães...
Até os políticos da cimeira têm, como prenda do senhor ministro, um Magalhães...

Por favor, tenhamos (todos) piedade de nós!!!»

6 de novembro de 2008

E como não há duas sem três.. mais Magalhães!

É notícia hoje que, afinal, não são os operadores que vão pagar os custos do Magalhães, como foi sempre afirmado pelos senhores do governo.

Foi Mário Lino (aquele senhor do "jamé", lembram-se??) quem o veio confirmar:
"O Estado pagará a diferença".

Eu gostava imenso de conhecer esse senhor para lhe agradecer a amabilidade!
Isto de viver num país rico é outra loiça!!

(tenho alunos que, apesar das enormes dificuldades financeiras, não tiveram direito a subsídio para livros e almoços...
Mas que falta fazem os livros e os almoços quando se pode ter um Magalhães?)

5 de novembro de 2008

O que eu adoro o Magalhães só tem paralelo no primeiro-ministro!

Venho aqui retratar-me e desdizer tudo o que disse de mal acerca do Magalhães.
É que recebi um mail que mostra como o computador pode, afinal, vir a ser utilizado e a revelar-se útil!!

(o senhor primeiro-vendedor-ministro disse que o Magalhães era para ser usado dos 7 aos 77, por isso parece-me que estas simpáticas senhoras estarão a prevaricar!!!)

4 de novembro de 2008

Mais Magalhães, ufa!

O Magalhães ainda não chegou, mas as instruções "para professores", essas já chegaram.
Para que não pensem que sou exagerada, transcrevo algumas dessas "instruções".
São apenas excertos, porque não vos faria a maldade de colocar aqui o documento na íntegra!

"O professor e a escola devem dar os seguintes passos"
(esta parte é fácil, vou ficar à espera que a escola tome a iniciativa!!)

"os professores devem fornecer aos EE dos alunos toda a informação"

"Os EE devem preencher e assinar estes documentos e entregar ao professor (...) delegando no professor a competência para efectuar a inscrição e acompanhar o processo"

"o professor inscreve os alunos no sítio da internet"
(na minha escola a internet é assim: há durante 5 ou 10 minutos e depois desaparece por umas horas. Haja pontaria!!)

"a escola deverá verificar a veracidade dos dados dos alunos"

"assinalar no sistema que foram efectuados os pagamentos dos computadores" (?????)

"os professores deverão entregar aos EEos recibos/facturas e aos alunos os computadores"

Só ninguém nos disse ainda a que horas devemos executar essas tarefas! Se depois do meu horário lectivo eu não admito fazer esse trabalho, só me restam as horas lectivas para o fazer... ou então as horas de reuniões...

Louvado sejas, ó Magalhães!!

3 de novembro de 2008

E agora??

Ensino as crianças a escrever "rectângulo" ou "retângulo"?

É que é um perfeito disparate eu agora dizer-lhes para escreverem duma maneira e daqui a uns dias dizer que afinal não é assim!
E a altura ideal é esta, quando eles estão a aprender as palavras pela primeira vez!

Faço o quê?
(sobre este assunto nunca recebi NADA do ministério da educação, nem façam nem deixem de fazer! E o único livro que tenho sobre esta assunto, comprei-o eu e foi se quis!)

1 de novembro de 2008

Obrigada Glicínias!

Ontem, ao fim da tarde, dirigi-me ao centro comercial cá do burgo - Centro Comercial Glicínias.
E não fui fazer compras!!
Fui lá porque eles ofereceram um computador à minha escola!!

Foi assim: eles contactaram o C. Executivo do meu agrupamento para que indicasse uma escola candidata a receber um computador.
O "meu" vice-presidente - que é um querido - indicou a minha escola.
Afinal, está quase a fazer um ano que não temos computadores na escola!

E então lá fui, eu e o vice presidente, posar para a foto, "com a mão no computador" (que está hoje no Diário de Aveiro, que também participa neste projecto).

Esta "exposição" (isto foi na zona dos restaurantes, com toda a gente que por lá estava sentada a olhar para nós, sem contar com os flashes para o jornal e para a página do Glicínias!) foi um preço pequeno a pagar para que os alunos da minha escola possam ter um computador.

Por isso, já que quem tem obrigação de equipar as escolas o não faz, "obrigada Glicínias".


Aí está o maralhal que foi buscar os computadores (abrangeu três escolas). Eu também estou por aí!!
Dão-se alvíssaras a quem me achar!!

31 de outubro de 2008

E viva a amizade!


O André e o Luís são os melhores amigos.
Juntos desde o 1.º ano e quase os únicos rapazes numa turma de raparigas, só estão bem um com o outro.
A minha tarefa é, muitas vezes, separá-los para evitar mais conversas.

Mas qualquer pretexto lhes serve para se voltarem a juntar, quando acabaram as tarefas impostas e a aula se torna mais livre, ou mesmo assim sem mais nem menos, desde que me apanhem distraída!

Na sala temos uma espécie de "quadro de honra" da leitura.
Sempre que há leitura de textos, eles fazem uma auto-avaliação.
Há uma folha no placard onde eles vão fazer a bolinha correspondente: se leram bem levam "verde", se leram razoavelmente levam "amarelo" e quando lêem mal, "vermelho".
No fim de cada mês, faz-se a contagem e o melhor (o que tiver mais verdes) ganha um prémio.
(simbólico, podem ser aqueles bonecos que vêm nos cereais ou apenas um lápis ou caneta). Mas é um prémio e eles valorizam-no bastante.

Hoje, antes da leitura, chega o Luìs ao pé de mim e diz "hoje quero ter amarelo"
"o quê rapaz, tu queres ter amarelo?"
(é que ele, nas raríssimas vezes que leva amarelo - porque lê muito bem, mas às vezes lá falha - até chora!!).
Daí o meu espanto!
"mas porquê?"
"porque não quero ganhar ao André, quero empatar com ele"

Uma amizade assim é linda e comovente, só espero que ela continue pela vida fora!
(e na segunda-feira, quando eles, à socapa, se forem sentar um ao pé do outro, vou fingir que não reparei!)

30 de outubro de 2008

Isto está mesmo a precisar de uma fábula!!

Vai o Capuchinho Vermelho, caminhando pela floresta...


Aparece o lobo e diz:
-Vou-te comer uma coisa que nunca ninguém te comeu....
Responde o Capuchinho Vermelho:

- Só se for o cesto!!!

29 de outubro de 2008

Viva a coerência deste governo!

Hoje é notícia que o CNE (não são aqueles senhores das eleições, é o Conselho Nacional de Educação) propõe o fim dos "chumbos" até aos 12 anos.
Parece que se estão a basear no modelo finlandês, onde ninguém reprova e onde o desempenho escolar é o melhor do mundo.

(aqui gostava imenso de saber se o melhor desempenho escolar do mundo se alcança por ninguém chumbar, ou se ninguém chumba por o desempenho escolar ser o melhor do mundo - mais ou menos como a história de "quem apareceu primeiro, o ovo ou galinha")

Giro, giro é fazer este paralelismo:
para avaliar os alunos o governo vai buscar o modelo finlandês, para avaliar os professores vai copiar o modelo chileno!!

Coerentes, não??

28 de outubro de 2008

Dão-se alvíssaras...

... a quem achar o nosso amigo Outono.
Cá pelos meus lados ele não deu a cara, nem passou perto.
Por aqui passei directamente do Verão para o Inverno, da manga curta para os camisolões e a gabardine.
Que tristeza!

E eu que adoro (adorava?) o Outono!!
se calhar foi por isso que também desapareceram as minhas árvores de Outono...)


Desenho da Joana Cristina, uma "golfinha".

27 de outubro de 2008

Esperar para ver

(clicar para ver melhor)
Hoje não se trata da minha fotografia de domingo, mas bem podia ser.
Esta é uma das minhas ruas.

Não é nela que eu moro, mas fica perto de minha casa e todos os dias aqui passo, várias vezes ao dia.
Adoro a imagem desta rua.
As árvores são lindas nesta altura do ano, coloridas de amarelo e castanho.
No Verão, naqueles dias em que o sol incomoda mesmo, é uma maravilha de frescura passar este bocadinho.

Mas, infelizmente, os verbos que escrevi antes não podem estar no presente, mas sim no pretérito.
Acontece que, na semana passada, cortaram todas as árvores desta rua! (as do lado esquerdo na foto, todas!)

Não sei os motivos, espero que tenham sido tão importantes que justifiquem este atentado à natureza.

23 de outubro de 2008

A senhora ministra não entende

Não entende que os professores estão contra este modelo de avaliação porque ela é impossível de realizar nos moldes que nos querem impôr.
A burocracia é imensa, um autêntico monstro. Quem se dedicar a ela como deve ser, ficará sem tempo para mais nada!
(e não vou agora falar aqui das tremendas injustiças que estão na sua génese)

A senhora ministra continua a manifestar-se contra os professores.
É tão boazinha que diz que nesta avaliação nenhum professor vai ser penalizado se tiver uma má nota.
Tão querida!
Quantos professores, em todo o país, estão contra a avaliação por recearem uma má nota??

Numa altura em que os professores estão mais desautorizados do que nunca, a senhora insiste em vir dizer para a televisão que os professores são um grupo privilegiado.

Os professores são uns sacanas e uns mal agradecidos, é o que é!!
Cambada de malfeitores!

(Fui ao Anterozoide para roubar um cartoon e descobri que ele vai editar um livro com os seus fantásticos desenhos.
Vão até lá para se inscreverem!!)

22 de outubro de 2008

Aquela de quem não se pode dizer o nome

Nos livros do Harry Potter há um nome proibido que se designa por "aquele de quem se não pode dizer o nome".

Na escola, em todos os documentos que se fazem, também existe "a palavra de que não se pode dizer o nome"!

É! Nos tempos que correm, em que se dão certificados a toda a gente desde que saiba assinar o nome (e não tenho a certeza se este requisito é necessário!), há uma palavra que não se pode dizer nem escrever: "aprender".
Ou melhor, são duas.
A outra é "ensinar"!

21 de outubro de 2008

Já lá vêm os Magalhães?

Não sei quantas vezes já disse aqui que não alinho, de maneira nenhuma, nesta história do Magalhães.

Para mim é apenas campanha eleitoral da mais demagógica que já vi em toda a minha vida!
Não alinho com o princípio em si (acho indecente andarem a dar computadores de graça a muita gente que não os merece e que já recebe do erário público muito mais do que devia!)
Não me passa pela cabeça como vou organizar a minha sala de aula quando lá chegar o malfadado Magalhães: trabalham os que têm computador?

E os que não têm? Fazem o quê?
Mexem nos computadores dos colegas para depois quando aquela tralha avariar virem os pais chatearem-me a mioleira?
É que não dou 1 mês ou 2 para não haver Magalhães a funcionar!! Uns terão sido vendidos, outros destruídos, outros avariarão infestados de vírus! E estão a ver um fulano que recebeu um computador de borla a pagar para lho arranjarem??)

Também há o problema de logística:
Para evitar que os alunos andem carregados de livros, guardo-os no armário da sala, o que nem é nada prático. Mas vale a pena o esforço porque detesto que eles andem tão carregados, faz-lhes um mal terrível à coluna.

E vão andar a carregar computadores às costas??

Depois, quem conheça as crianças, sabe que elas têm "o mau hábito" de brincar sempre que têm um bocadinho livre! E para isso nem hesitam em atirar as mochilas para o chão, imaginem!!



Onde ficam os queridos Magalhães no meio deste caos??

Ah, e não me mandem a mim "tomar conta" dos computadores!!
Já me bastará ser intermediária na sua venda!!
E sem comissão!

20 de outubro de 2008

Um novo blog, daqueles bons!

A Lucinda é a minha colega de escola.
E o artigo definido é proposital: na nossa "imensa" escola somos só nós as duas.
(Poucas mas boas...)

A notícia é que ela, finalmente, decidiu fazer um blog.
Só que o blog dela é muito sui generis: é um livro de sumários!

Não será um livro de sumários muito convencional (embora as aulas lá estejam explicadas ao pormenor!), já que a sua autora também tem pouco de convencional.
"Politicamente correcto" é uma expressão que não consta do seu dicionário!
Mas em vez de estarem aqui a perder tempo, o melhor é irem lá ver!
(e é também melhor eu ficar por aqui, que ainda me arrisco a levar nas orelhas!!)

17 de outubro de 2008

Adenda ao post anterior (ler o outro antes!)

Ao contrário da talentosa Emiele, eu não tenho jeito nenhum para achar imagens na net!
Queria arranjar um carro horroroso como o que vinha hoje atás de mim, mas não achei :(
Em contrapartida, achei um fórum de carros e havia um tipo que dizia assim:
(excertos. E os erros não são meus)

"O menino conta com algumas alteraçoes a meu gosto"

"Após denotar essa diferença fui logo directo marcar uma consulta ao meu menino"

"Vim aqui porque certamente todos nos amamos os nossos meninos e, so queremos o bem deles"

"As minhas rodas traseiras deveriam estar assim"

"E com isto tudo os pneus por dentro agora embarram por dentro e gastam-se bem mais rapido por dentro!"

Bem, não achei uma imagem de um carro xunga, mas nunca se sabe quando encontrei o próprio dono dele!!

Uma dúvida mais

Hoje, no meu percurso de vinda para casa, vinha a ouvir música...
(e daí? devem estar a pensar... toda a gente faz isso!... tadita, devem ser efeitos de tanta reunião, planificação, articulação e avaliação!)

Eu explico:
A música que eu vinha a ouvir não era a do meu rádio!
Eu vinha a ouvir a música do grunho que vinha atrás de mim, num carro que em tudo condizia com o condutor!!

Eu confesso: sou preconceituosa!
Tenho preconceitos contra uma série de pessoas e, à cabeça, vêm os gajos que põem o som tão alto que toda a gente na vizinhança os ouve.
Não há pachorra para este tipo de gentinha!!

Agora uma pergunta a pessoas mais viajadas que eu, que só fui até Vigo, aos pirexes:
Há grunhos detes noutros países?
Ou será monopólio nosso??

16 de outubro de 2008

Eu - e todos os professores que têm net - temos sido bombardeados todos os dias com milhentos e-mails acerca do tema na berra: o nosso processo de avaliação.
Ele é manifestações, ele é desistências disto e daquilo, ele é cartas abertas, ele é discussõs em blogs da moda, etc., etc.

Cada vez que leio um, imagino que a ministra também o deve ter recebido.
E imagino-a a rebolar-se a rir e a dizer de si para si qualquer coisa como "estes patetas ainda estrebucham... como se isso lhes adiantasse de alguma coisa" - ou algo que o valha.

Quanto a mim, não "boto fé" em nenhuma destas "medidas".
Os professores tiveram uma oportunidade única e irrepetível de dizer "não" a esta situação absurda e ridícula da invenção dos professores titulares.
Bastava não terem concorrido!
Não era obrigatório, não aconteceria mal nenhum a quem não concorresse.
E se não houvesse professores titulares este processo de avaliação estaria, se não acabado, pelo menos bastante comprometido.

Mas isso não aconteceu: todos concorreram!
O medo, ou a ganância, ou os dois sentimentos juntos, empurraram os professores para esta situação!
E agora querem o quê?
Concordam com uma parte e não concordam com a outra?
Mas isso é coerência?

Só nos resta uma hipótese de mostrar o nosso desagrado face a todas as sacanices que nos têm feito: as próximas eleições!
O voto é uma arma, e temos de a usar bem!

14 de outubro de 2008

Miséria total

Ontem telefonaram para a escola a perguntar se estaríamos interessadas numa sessão de esclarecimento às crianças sobre nutrição.
A pessoa que telefonou identificou-se como estagiária na Câmara Municipal de Aveiro e nutricionista.
Claro que disse logo que sim!
Iniciativas destas só pecam por serem poucas!
É claro que nós na escola falamos imenso sobre alimentação saudável, mas vir alguém de fora dá outra "importância" ao assunto.

E hoje, pelas 11 horas lá se apresentou a menina (digo menina porque era novinha, só por isso).
Juntámos as 2 turmas a que a minha escola está reduzida numa sala e ela lá falou com as crianças.
Entretanto, distribuiu aos alunos duas folhas A5, agrafadas uma à outra, com umas imagens e uns conselhos sobre alimentação.
Os alunos observavam e comentavam.
Achei a brochura paupérrima, poucas imagens, pouca informação, papel fraco, nada apelativa.
Algumas eram a cores, outras meras fotocópias a preto e branco.
Uma aula assim diferente merecia qualquer coisa mais elaborada e bonita.

Mas o meu espanto atingiu o auge quando a rapariga, assim que deu por encerrada a sua apresentação, começou a recolher as brochuras!

Perante o meu espanto, lá me confidenciou, envergonhada (como se a culpa fosse dela!) que não a tinham deixado fazer uma brochura para cada aluno, por isso aquelas iriam servir para todas as escolas!

Nota: no dia em que tiver uma boa notícia para dar da minha Câmara Municipal, juro que faço uma festa!!

13 de outubro de 2008

Histórias da Carochinha

O assunto da conversa na aula era a Carochinha, aquela que ficou viúva no dia do casamento, só porque arranjou um marido guloso!

Pois as crianças do 2.º ano tinham de preencher uma frase onde faltavam palavras.
A frase dizia mais ou menos que a Carochinha tinha casado com o rato, mas não tinha querido casar com o... e o... e era aqui que eles teriam de completar.

E lá foram colocando os nomes dos animais que a Carochinha teria rejeitado: o porco (dizem eles, eu nunca ouvi esta versão!), o gato, o cão...
E eu "ainda falta pelo menos um!"
E uma menina palpita: "a vaca, falta a vaca!"

E eu;
"a vaca?? mas a Carochinha é uma fêmea."
A P, que nos primeiros tempos de escola não falava nem sob tortura e que com o decorrer do tempo foi desabrochando, responde escandalizada (haviam de ver a cara dela!!):
"casar com uma vaca? só se a Carochinha fosse lésbica!"

(vejam isto num contexto em que as crianças têm um vocabulário tão reduzido que eu passo a vida a "traduzir" o que digo)

10 de outubro de 2008

Hoje de manhã, quando me levantei

mal falei com o meu marido.
Estava furiosa com ele!
E não é para menos!
Eu conto o que se passou:

À noite fomos ao bar da universidade. Estava lotado, cheio de professores.
Num canto havia uma mesa vaga que tinha duas cadeiras, mas uma delas estava entalada pelo tipo da outra mesa, por isso só uma cadeira era utilizável.
Vai daí, o meu marido sentou-se e eu fiquei de pé!

É claro que amuei e vim embora!
Ele não se incomodou nem um pouco e eu, em vez de sair, fiquei noutro canto onde estava um grupo de pessoas também de pé.
Às tantas reparei que essas pessoas tinham uns papéis nas mãos que liam e criticavam.
Imaginem a minha fúria quando descobri que esses papéis eram as cotações de uma prova que eu tinha feito com os meus alunos!
Quando lhes perguntei onde tinham arranjado aquilo, disseram que tinha sido o meu marido que lhos tinha dado!!
E eles criticavam os meus critérios e vinham pedir-me satisfações!
Lá me ia explicando e justificando, feita burra, mas às tantas decidi vir mesmo embora.

Não tinha as chaves do carro, por isso fiz-me ao caminho a pé.
Estava escuro e mal tinha dado uns passos começou a chover torrencialmente!
Mas não ficou por aqui: dali a um bocado estava já meia perdida e nessa altura reparei que havia um homem com cara de poucos amigos que me seguia!!

Estava o homem a alcançar-me e eu a desesperar quando...
... tocou o despertador!

O alívio foi imenso, pela primeira vez na vida não resmunguei com o despertador!
Com o meu marido é que foi pior, e só lhe perdoei à hora de almoço.

8 de outubro de 2008

Mais fábulas..

Todos os dias, 4 vezes por dia, passo ao local onde houve um acidente no início de Agosto.
Não dá para o esquecer pois ainda lá estão todas as marcas do acidente, a parede chamuscada e os vidros no chão.
Nesse acidente morreu um rapazito de cerca de 20 anos, por isso, se mais nenhum motivo houvesse, esse deveria ser suficiente para que limpassem o local.
Mas não.

Aqui há tempos, vi na televisão uma reportagem sobre um acidente com portugueses em Espanha.
O acidente tinha acontecido de madrugada mas à tarde, quando o jornalista foi ao local fazer a reportagem, já andavam lá os trabalhadores a repôr os rails de protecção...
Por cá, passam anos sem os rails serem consertados depois de um acidente.

O que provocará estas diferenças de atitude?
Não acredito que seja um problema financeiro pois os trabalhadores devem estar em algum lado, não são contratados por haver um acidente.
Parece-me mais um problema de incompetência de quem tem de gerir estas coisas, incluindo as limpezas das nossas ruas.

Uma vergonha, é o que é!

7 de outubro de 2008

Ainda bem que este blog se chama Fábulas!

Não sei por que não falei do assunto antes, devo ter passado estes dias sem acreditar muito bem no que os meus olhos estavam a ver, só pode ter sido isso.

No outro dia escrevi aqui que na minha escola não havia um único computador, lembram-se?
Pronto, exagerei um bocadinho!

A verdade é que logo na primeira semana de aulas a Câmara Municipal de Aveiro mandou instalar um computador na minha escola. Um computador moderníssimo, daqueles fininhos, com monitor LCD e Windows Vista.

Agora sentem-se, que vou contar o resto:

Esse computador foi instalado com uma única função:"ler" os cartões com que os alunos pagam as refeições!
Todas as suas funcionalidades estão trancadas para ninguém poder fazer mais nada com ele!!
Nada de nada!!!

Dá para acreditar??
Mas acreditem que é a mais pura verdade, embora pareça uma cena de um daqueles filmes nonsense que ninguém entende!

6 de outubro de 2008

As regras do jogo

Hoje é o meu dia de ficar de castigo das AEC.
O meu trabalho supostamente seria "apoiar o estudo" das criancinhas.
Como já passei 5 horas a fazer isso, nesta altura mudo de actividade (eu estou de castigo, mas eles não!)
Deixo-os então fazer o que querem: desenham, jogam, brincam...

Hoje um grupinho estava a jogar com um jogo que anda lá pela sala.

Como ninguém sabia bem as regras daquele jogo, inventaram-nas eles.
Mas um, mais espertinho e quando se viu a perder, resolveu que o pauzinho que ele tinha "pescado" tinha de valer mais pontos que os outros.
Gerou-se a discussão e eu tive de intervir.

Aproveitei e dei-lhes uma lição de moral acerca de ganhar e perder.

Mas a regra mais importante era, segundo eu, que as regras do jogo jamais se mudam durante o jogo.
Eles entenderam.

Já eu...

Eu dei por mim a pensar "mas que raio! como quero eu que crianças de 7 anos compreendam uma coisa que o pessoal que nos (des)governa - composto por adultos, pelo menos a julgar pela idade cronológica - também não comprende????

Não tiveram uma professora como eu, foi o que foi!!

5 de outubro de 2008

Se a raiva matasse a SIC estava agora moribunda!!

Estava toda contente porque hoje, finalmente, ia recomeçar a série "Donas de casa desesperadas".
Só que a esta hora ainda está a dar a novela e pelos vistos vai durar até à 1 da manhã.
Só nessa altura irá começar a série.

Mas esta gente que trata da programação pensa que ninguém trabalha?
Estão enganados, porque ainda há por aí uns totós que começam a bulir cedo para que muitos outros possam então ver séries pela noite dentro...
Que raiva!

Uma fotografia por domingo (63)

Mais uma bela imagem de Coimbra, desta vez é uma espreitadela lá para fora, a partir dos claustros da Sé Velha.

2 de outubro de 2008

Alguém conhece uma bruxa mesmo boa???

Cá por casa, ultimamente, tudo tem corrido de mal a pior.
Felizmente este azar só acontece com seres inanimados, do mal o menos!!
Mas lá que chateia, chateia!

Tudo começou com as obras do quarto de banho que foram cheias de peripécias e ainda não estão completamente resolvidas 3 meses depois do início!
Depois é o microondas que está parvo, o relógio não nos obedece e passa dos 40 aos zero segundos num piscar de olhos.
Aquecer o leite para o pequeno almoço é uma luta diária com a maquineta...
E mais uma data de pequenas coisas...

Isto para não falar dos desaires culinários: o arroz doce que ficou um horror e o doce de abóbora que endureceu tanto que demorei uma semana a conseguir salvar pelo menos os frascos!!

A mais recente aventura começou quando resolvemos reformar o nosso velhinho rádio despertador (=instrumento de tortura).
Em trocas sucessivas já vamos no terceiro e isto não vai ficar por aqui!

O primeiro que comprei era lindo e digital mas tinha um defeito inadmissível para as suas funções: se faltasse a luz o bichinho apagava-se e perdia até a memória das estações de rádio pré sintonizadas.
Claro que fomos trocá-lo.

O segundo, esse não se apagava com falhas de energia, mas parecia querer competir com o farol da Barra em noites de nevoeiro: os dígitos das horas produziam uma luz tão intensa que alumiava todo o quarto e ainda os arredores!
Dormimos com aquilo uma noite, à segunda tapei-o com um pano (!!!!) e à terceira... bem, já não houve terceira!

O actual padece do mesmo mal: embora com menos intensidade (talvez o farol numa noite sem nevoeiro), ainda assim ilumina bastante.
Demasiado para quem quer dormir!!
Ah, e todos produzem uma irritante luz verde, ao contrário daquela suave luz vermelha que se pretendia.

Posto isto, deixo aqui este apelo: alguém conhece uma bruxa mesmo, mesmo, mesmo boa???

1 de outubro de 2008

Cansada disto!

Embora não sendo hoje o meu dia de "castigo" (isso é à segunda-feira), fiquei a trabalhar na escola com um pequeno grupo de colegas até às 18 horas.

Perto das 17 horas vim à porta e já um bando de mães aguardava pelos seus rebentos que sairiam às 17:30.
E é assim todos os dias: as "ocupadíssimas" mães que a senhora ministra tanto protege e de quem tem tanta pena, ficam ali à porta da escola, no paleio, às vezes cerca de uma hora!!

Eu, cansada de trabalhar, meti-me logo para dentro, cheia de vergonha...

29 de setembro de 2008

Um conselho de amiga


Li ontem - e também vi na televisão - que desde a meia noite de sábado o pessoal se acotovela nas FNAC por causa do Magalhães.
E custa 280 €!

Eu, que sou boazinha e querida, venho aqui deixar um bom conselho:
não façam isso!
Tenham um bocadinho de paciência e aguardem uns dias...
É que não tarda nada haverá "Magalhães" à venda em todas as feiras e mercados do país!
E com certeza bem mais baratos!!

28 de setembro de 2008

Uma fotografia por domingo (62)


Atouguia da Baleia, uma das terras preferidas da rainha D. Filipa de Lencastre, e onde ela possuía um castelo, prenda do marido.
Já não se fabricam maridos assim!

26 de setembro de 2008

Impressões sobre avaliação de professores (2)

A ministra sabe bem o que faz!!
Ela sabe que há professores que conseguem ser piores que ela, "professores" que nunca o foram - porque não sabiam ou não queriam lidar com crianças - e por isso tiveram durante a sua vida "profissional" milhentos destacamentos nas mais variadas actividades (tudo menos dar aulas!!!) e que agora foram promovidos a titulares...
Ela sabe que os sindicatos só existem para levar as cotas ao pessoal e para fazerem reuniões onde se discute muito e não se resolve nada...
Ela sabe que há pessoas a quem um qualquer vestígio de poder lhes sobe à cabeça, tornando-os nos mais mansos carneirinhos...

Já aqui tinha falado de avaliação, e prometi votar ao assunto.
O texto que se segue recebi-o por mail, como tendo sido publicado no blog de Paulo Guinote e mostra as constatações de um professor sobre o que se passa na sua escola:
(com algumas supressões)

«Professores que já realizaram planificações aula a aula até ao final do 1º período.

Professores que gastaram "uma pipa de massa" a comprar hardware e software didáctico. Vários professores compraram retroprojectores digitais.

Nas planificações utlização desmesurada das tecnologias de informação. Vai-se ao ponto de digitalizar textos de livros para apresentar as aulas em Power Point, o que é uma aberração.»

E agora pergunto eu:
E os alunos?
As nossas escolas vão tranformar-se em quê?