25 de novembro de 2008

As "pérolas" do Expresso

A primeira "pérola" vem do cromo do MST - aquele a quem roubaram o livro! - e reza assim:

[sobre as manifestações dos alunos, a mando dos professores, é claro!]
"é certo que tinham razão relativamente ao regime de faltas, cuja interpretação em algumas escolas conduzia ao absurdo de não distinguir faltas por doença de faltas justificadas"

Bem, já todos sabíamos que Miguel S. Tavares não sabia escrever, agora ficamos a saber que também não sabe ler!!

É que o decreto-lei reza assim (artigo 22.º, ponto 2):
"Sempre que um aluno, independentemente da natureza das faltas, (...) deve realizar,
logo que avaliados os efeitos da aplicação das medidas correctivas referidas no número anterior, uma prova de recuperação(...)"


Mais adiante, no mesmo jornal, há um artigo sobre a agora famosa escola de Beiriz, a tal em que "todo o processo de avaliação decorre com normalidade" mas onde afinal está tudo parado como nas outras escolas (quem o disse foi a presidente do seu CE nos Prós de ontem!)

Passo a transcrever a pérola:

"Outro caso controverso na avaliação, mas que em Beiriz é trivial: a observação de aulas. A co-docência é frequente, diz Maria Luísa Moreira [a presidenta], sendo normal - repare-se! - normal um professor pedir a um colega que o auxilie na sala de aula."

Não sei quem foi o grunho que escreveu isto, para o poder chamar pelo nome, mas sobre isto tenho a dizer que "auxiliar" um colega na sala de aula não é o mesmo que estar a observá-lo, com um monte de papéis na mão e a fazer cruzinhas de cada vez que o observado fala, reparando em todos os pormenores da aula (e há grelhas de observação completamente pidescas, garanto-vos).

Só uma alma ignorante não distingue os dois casos!!!
Tomara eu ter "auxiliares" na minha sala todos os dias!
Infelizmente, só tenho direito a umas míseras 3 horas semanais, isto quando o meu "auxiliar" não falta, o que acontece com frequência já que ele é também o "bombeiro" de todo o agrupamento!

E é capaz de haver mais "pérolas" lá pelo jornal, só que a esta hora já está no papelão, que é o lugar dele!!

5 comentários:

Emiele disse...

É interessante como as posições se extremaram de tal forma que muita gente «emprenha de ouvido» e só acredita no que quer.
E depois, é também interessante reparar como se generalisa com tanta facilidade e um caso ou dois que se conheça, serve para 'avaliar' toda uma classe, para o mau ou para o bom.

Mas isso, Saltapocinhas, passa-se em quase todas as profissões e não apenas esta dos professores que está agora na berlinda.
O MST é tanto mais grave porque o homem é jurista - devia saber ler os decretos, né...?

Furetto disse...

Ahhh... eu desconfiei quando começei a ler o artigo que isto era assunto pessoal. Pessoalmente já não me "toca", no entanto, parece-me que a senhora professora que foi ao prós e contras referiu um ponto importante, não pode ser só um lado a ceder.
Quanto ao MST... já nem gasto latim!

maria mar disse...

Cara:
Nem é preciso enervar-se com esse MST!...
Morde à esquerda, à direita e ao centro e, qd não tem mais ninguém para morder, morde nele próprio. Sim, pq só 1 pai irresponsável entrega os próprios filhos a uns malvados incompetentes(?) que não percebem nada de educação/ensino(?), em vez de ficar com eles em casa e, do alto da sua douta sabedoria narcisista, ministrar-lhes "ensino doméstico"!!!
O homenzito já cansa e fede k se farta!!!

Cumps mm

Shakti disse...

Ainda ligas a esse homem...esquece !!!

bj

Bea disse...

Bem apanhadas estas, continuamos a ter de ouvir esse MST que se esquece de que a sua mãe é respeitada pelos professores há tantos anos...