31 de dezembro de 2006

**FELIZ 2007**


A todos os que aqui passam, mesmo os que passam por engano à procura de fábulas, eu desejo que o novo ano que começa daqui a poucas horas vos (nos) traga muitos dias felizes - pelo menos 365 - e que todos os desejos se realizem...
E já agora que uma estrelinha ilumine o Mundo todo e que se acabem a fome, as guerras, as injustiças...
Era tão bom, não era?

Os não propósitos

É altura, nesta época do ano, de fazermos os nossos propósitos para o ano que vai começar.
Já fiz isso algumas vezes e não cumpri!
Por isso, desta vez, vou fazer os meus "não propósitos" e assim tenho a certeza de que os cumprirei!

  1. Não prometo levantar-me cedo, pois adoro dormir...
    Se toda a gente tem direito a um desporto preferido, porque não há-de ser o meu dormir? É seguro, económico e não engorda!!

  2. Não prometo ler mais do que lia...
    Porque os dias vão continuar a ter apenas 24 horas, porque o tempo não estica, porque adoro ver televisão e porque tenho de cumprir o ponto 1.

  3. Não prometo deixar de comer tantos chocolates...
    Eu adoro chocolate, nunca dei que me fizesse mal a nada, por que carga d'água hei-de deixar de o comer?

  4. Não prometo que finalmente vou começar a ir ao ginásio...
    Porque já sei que não vou!
    Não gosto!
    Não me apetece!
    Não quero!
    Já temos tantas obrigações, por que havemos de inventar outras?

  5. Não prometo que é desta que vou ser arrumadinha e organizada com as minhas coisas e que farei tudo com antecedência...
    Porque já sei que só funciono bem sob stress e quanto mais tempo tenho de mais preciso!

30 de dezembro de 2006

Assassínios...

Uma bebé de dois anos assassinada pela mãe...
Um ditador assassinado em nome da democracia...
Seis pescadores assassinados por falta (?) de meios de socorro...
Cinco pessoas assassinadas nas estradas...

Isto já era trágico se fosse o balanço do ano!...
Infelizmente não é...
É apenas o balanço dos últimos dois dias!

Estaremos no 3.º milénio ou na Idade Média?

27 de dezembro de 2006

1000 euros por segundo...

... dizem que foi o que os portugueses gastaram em compras neste Natal.
Então o Portugal pobre e deprimido, com gente sem poder de compra, onde está?
Palavra que não entendo!
Se estou em fase optimista penso "é porque somos muito generosos, gostamos tanto de dar, que até gastamos o que nos faz falta para agradar aos amigos..."
Se estou em dia pessimista (ou realista?) só me vem à ideia um país de gente irresponsável e consumista, que não pensam no dia de amanhã.

"Eu ainda sou do tempo" em que os presentes (escassos) eram só para as crianças...
Agora é uma confusão de trocas de inutilidades entre familiares e amigos!

E as pessoas que já têm as casas cheias de tralha que só serve para dar trabalho na hora de limpar o pó, lá acrescentam mais uns quantos cacarecos aos que já existem!


Espero que, pelo menos, levem o papel para os papelões!

25 de dezembro de 2006

Natal

Um Deus à nossa medida...
A fé sempre apetecida
De ver nascer um menino
Divino
E habitual.
A transcendência à lareira
A receber da fogueira
Calor sobrenatural.

Miguel Torga
24/12/1953

22 de dezembro de 2006

Problemas com cirurgias Lasik?

Ao contrário daquilo que alguns oftalmologistas fazem crer a quem os procura, nem todas as cirurgias Lasik correm bem.
Algumas correm realmente mal, criando nas pessoas que a elas se submetem problemas de visão que não tinham anteriormente.

Duas dessas pessoas a quem isso aconteceu, juntaram-se e criaram este blogue por reconhecerem o grau de importância em aceder a informação sobre a cirurgia LASIK, na perspectiva dos potenciais interessados em se submeter a essa intervenção...

Os seus autores pretendem informar dos riscos que os médicos escondem e também criar uma associação de pessoas que tenham tido más experiências com esta cirurgia.
Com uma Associação talvez os médicos se sintam obrigados a elucidar melhor os seus pacientes e a avisar dos riscos que se correm.
Leiam e divulguem...

21 de dezembro de 2006

O especialista

A padeira mais conhecida da blogosfera tem andado a fazer um estudo altamente científico dos vários tipos de "homo", mas acho que ainda não falou no que eu vou falar hoje: o "especialista".

Todos nós conhecemos algum espécime dessa raça...
Hoje, no hiper, cruzei-me com um especialista em peixes, enquanto aguardava que me amanhassem as pescadas...

Os mais chatos são os especialistas em vinhos, porque tenho quase a certeza que a maioria deles desbobina o que ouviu dizer a outro igualmente ignorante ou então leu um artigo sobre vinhos numa revista-de-jornal-de-domingo (das fracas, porque também as há boas).
Normalmente não têm outro tema de conversa às refeições: bebem vinho e só sabem ter conversas sobre tipos de vinho, quais os melhores, quais as melhores colheitas, o ano das colheitas e blablabla.
Que seca!

Um dia destes, num jantar onde estava um desses "especialistas", daqueles mesmo, mesmo, meeeesmo convencido que é entendido em vinhos, alguém resolveu tirar o rótulo à garrafa e pedir-lhe opinião.
Que era um tinto Bairrada, sem dúvida nenhuma, e mais, da colheita de 2005!

Reposto o rótulo, afinal tratava-se de um vinho alentejano...
Mas não errou de todo: o vinho era mesmo tinto!

20 de dezembro de 2006

Petição contra a TLEBS

Anda já em circulação uma petição contra a TLEBS.
Apesar de não saber muito sobre o assunto, o pouco que sei já me chega para ter uma opinião.
Nos últimos 30 anos professores e alunos têm servido tantas vezes de cobaias para as ideias peregrinas de ministros que passam a vida a mudar, que é tempo de dizer basta!
Para refilar contra mais esta "experiência", é só irAQUI e assinar a petição.

19 de dezembro de 2006

Hoje vivi uma experiência

que nunca tinha vivido:
a visita a um acampamento de ciganos.
Já toda a gente passou perto de um, já todos olharam de relance e com mais ou menos curiosidade, mas são poucas as pessoas que se aventuram a ir mesmo lá.
E lá fui eu, "levada" pelas minhas colegas pois a G., do Ensino Especial, precisava de uma assinatura dum encarregado de educação - e cá para nós também estava cheiinha de curiosidade!

Quando vêem o carro a aproximar-se, interrompem as suas actividades e começam a olhar desconfiadamente...
Num instante aparece um simpático velhote (o chefe do clã) e algumas crianças mais curiosas que nos começam a reconhecer. "São as professoras da escola", e pronto, o medo desaparece e todos se aproximam, apresentam os filhos mais novos, os sobrinhos, os netos...

Estava uma bela manhã de sol e uma cigana estendia roupa e mais roupa, enquanto outras acartavam água para o tanque, porque água corrente não há.
São todos da mesma família e vivem em barracas feitas dos mais diversos materiais e cobertas com placas de zinco.
Há várias fogueiras, muitos estendais, montes de lenha e variedade de animais: cães, gatos, galinhas e patos que convivem pacificamente.

À vinda discutimos as vantagens e desvantagens de se viver assim: afinal o modo de vida deles é pior ou melhor do que o nosso?
E não chegamos a nenhum acordo...

16 de dezembro de 2006

Consegui!! Iuupi!!

Achei num blogue esta coisa do slide show e não resisti a tentar com as fotos que tirei hoje aos meus dois fofinhos: a Pandora e o Nico.
Não são liiiindos??

História de amor

Passo por eles todas as manhãs, antes das 9, quer chova quer faça sol.
E já andam na rua há algum tempo, pois quando os encontro estão longe de casa.
E deslocam-se bem devagar.
Porque já não são novos, mas principalmente porque ela se desloca numa velha cadeira de rodas que ele empurra, incansável...

Dá gosto ver aquele casal de velhotes, que, apesar das dificuldades de locomoção, mesmo com chuva e frio, não se conformam em ficar em casa sentados no sofá.

A isto chamo eu companheirismo, amizade, cumplicidade, entre-ajuda, enfim... o verdadeiro amor.
Quantos se poderão gabar de ter um assim?

13 de dezembro de 2006

Roubo ou sequestro?

Nas notícias de hoje ouvi, pelo menos por duas vezes, que tinham "sequestrado" o Menino Jesus do presépio de Faro.
Ora, que eu saiba, os objectos não se sequestram: para os objectos usam-se os verbos "roubar" ou "furtar"
A notícia correcta seria, portanto, "roubaram o Menino Jesus do presépio de Faro"

Mas, se os jornalistas fossem ainda mais bem informados (se recebessem os meus mails, por exemplo) saberiam que o Menino Jesus não foi sequestrado, nem roubado, muito menos furtado!
O Menino Jesus está na escola!
Só não sei de que estão à espera o burro e a vaca para ocuparem os seus postos...
Será isso um sinal de que vamos ter um Natal em paz?

10 de dezembro de 2006

Que a terra não lhe seja leve!


Morreu em paz e sossego, até teve direito a extrema unção e tudo...
Mas, se Deus existe mesmo, este deve ir direitinho para o Inferno.
Já que não houve justiça na Terra, resta-nos a esperança da justiça divina!

9 de dezembro de 2006

TLEBS

Todos temos um bocado a tendência de, à primeira vista, rejeitar o que é novo para nos agarrarmos àquilo a que estávamos habituados e familiarizados.
Mas nesta história da TLEBS, só tenho visto professores a reclamar.
Quem diz bem são, além dos que estão por trás dos novos conceitos, outros intelectuais que nunca sentaram o rabinho numa sala de aulas.
Sei muito pouco sobre o assunto, mas o pouco que sei já deu para ver que vem aí complicação da grossa...
Já falei com alguns professores, daqueles que eu sei que são muito competentes e não vi nenhum entusiasmado com a nova terminologia!!
Antes pelo contrário!
Eu ficava feliz se cada aluno que termina o 12.º ano soubesse escrever um texto escorreito e perceptível, e tivesse lido meia dúzia de obras de bons escritores na íntegra!!
Primeiro nasceu a língua, depois é que inventaram a gramática!
E se deixassem as complicações gramaticais para quem vai seguir cursos de línguas?
E que os professores fiquem apenas a ensinar os seus alunos a gostar de ler e a saber escrever!
Vem isto a propósito dum mail que recebi hoje e que passo a transcrever:
«Meu, não dá para te passar tudo, mas é uma cena... Como é que t'hei-de dizer, assim uma cena um bocado marada que não dá prá agarrar logo!
Tem bué de words novas, tu nem tosgas, eu pelo menos vejo-me à rasca.
A profe também anda bimba com a cena, parece que não topa peva, é assim uma cena toda nova.
Aquelas gaitas ca gente teve de encornar - os adjectivos, os verbos, essas cenas, 'tás a ver - agora tem tudo outros nomes, bué de compridos e depois cada cena com uma data de nomes.

Por causa daquele baril que no outro dia dizia na televisão que o fora de jogo "era consoante o árbito", até copiei a cena das consoantes que vem no paper: passou a haver "consoantes surdas"e "sonoras" mas, aguenta-te aí, que depois tens consoante oclusiva, fricativa, nasal, oral, lateral, vibrante e africada.
Esta do "africada" julgo que é por causa dos blacks, e a minha miúda, que costuma ler os jornais, ficou lixada, diz que lhe parece uma cena um bocado racista!

Acho que é uma lei que os políticos fizeram e depois os profes têm de andar com a cena e a gente é que amoxa!
Passas a ter de meter nos cornos que há verbo principal impessoal , verbo pessoal intransitivo, verbo principal transitivo directo, verbo principal transitivo indirecto e verbo principal transitivo directo e indirecto, uma cegada!
Lá o que são verbos, ainda perguntei ao meu velho lá em casa e o gajo lá disse umas coisas, até falou da cena do transitivo, mas aí já foi muita areia - mas agora isto tudo!

E, ainda por cima, dizem que é para a maralha aprender a escrever, a criar, como eles dizem, uma cena de "hábitos de leitura"!
Topas, um gajo a querer ler uma cena numa curte porreira e vêm com esta trapalhada, mais vale um tipo agarrar as words do inglês, que dão para o computas e a malta até topa logo.

Houve um gajo - penso que é do sindicato ou uma cena assim, mas é fixe, alinha com a malta - que me disse que isto vem tudo do mesmo sítio, dos mesmos cromos do Governo e do Ministério que também andam a despedir os profes, a inventar aquela cena marada das "aulas de substituição", a correr com o pessoal que tratava lá da cantina e tudo isso, a fazer um granel do camandro nesta cena toda.

A minha esperança é que agora, com o TLEBS (topas? A Terminologia Linguística para os Ensinos Básico e Secundário) isto vai ficar uma curte muito mais fixe e vou ler o Fernando Pessoa.
Ruben de Carvalho,
jornalista

5 de dezembro de 2006

Vida boa!

Enroscadinha numa velha toalha, olho para ela enquanto o sono não me domina por completo...

Ela passa a ferro a roupa de que precisa para se vestir!
E eu observo-a, aqui aconchegadinha, com o meu belo e macio casaco preto e branco, de pele verdadeira.
Nunca o tiro: ele aquece-me no tempo frio e mantém-me a uma temperatura agradável no tempo quente.
Nem preciso de o tirar quando me sujo, pois ele não é lavável nem à máquina e nem à mão, muito menos na lavandaria!

Rica vida a de uma gatinha mimada!



Assinado (como mandou a Emiéle):
Pandora

4 de dezembro de 2006

Ter ou ser?

Pergunta desnecessária, pois todos sabemos que cada vez mais se valoriza o "ter" e desvaloriza o "ser".
Como remar contra esta maré?
Não há remédio infalível, mas talvez começar a educar as crianças nesse sentido não seja má ideia...

Por isso me repugna tanto a nova publicidade à TV Cabo.
... primeiro era a mulher que abandonava o marido por não haver a dita cuja TV lá em casa (podia entrar aqui pelo tema do machismo na publicidade, mas agora não me apetece)
... depois era a empregada que se despedia pelo mesmo motivo

Pronto, até aqui tudo bem: era só mais um anúncio de mau gosto a juntar a tantos outros.
Mas agora passou as marcas da decência ao colocarem a voz duma criança a despedir-se do pai, pois vai morar para casa de uma amiga que tem a tal da TV Cabo!

Ter uma televisão com muitos canais é mais importante que a presença de um pai...
Mas alguém duvida??

3 de dezembro de 2006

Uma fotografia por domingo...

Esta fotografia não é minha (também não sei de quem é), mas ilustra bem os meus sentimentos dos últimos tempos:
... a falar para o boneco!

2 de dezembro de 2006

Tarde* de compras

Ontem à tarde fui às compras.
Ao contrário da grande maioria (?) das mulheres, detesto andar às compras.
O meu limite de tolerância ao Fórum é de cerca de 2 horas, livraria incluída.

Só queria umas simples calças de bombazina (chegou a altura de arrumar as de ganga) e acreditam que me vi aflita para encontrar umas que me servissem?
Umas que não ficassem:
  • pelo meio das ancas
  • um palmo abaixo do umbigo
  • com um espaço enorme atrás, na cintura
  • que não mostrassem as cuecas?
Depois de experimentar imeeeeeensas, e quando já me dispunha a voltar de mãos a abanar e uma grande neura, lá encontrei finalmente umas que me ficam mais ou menos?
Ufff...
Eu só não entendo como é que, havendo cada vez mais lojas - que se reproduzem como cogumelos - haja cada vez menos variedade de roupa?
As lojas são todas iguais, as roupas são todas iguais e todas mal feitas!

Mas por que que raio eu detesto saias?

*tarde: espaço máximo de 2 horas

30 de novembro de 2006

Coruja assumida

Detesto, abomino, odeio levantar-me cedo.
Sou assim desde pequenina, já não devo ter cura...

Todos os dias faço um sacrifício enorme para me levantar bem depois das 8 (e sou pontual: estou na escola ligeiramente antes das 9! Sou é muito rápida a aranjar-me!)
E que ninguém fale comigo pelo menos enquanto não tomo o pequeno-almoço!
É escusado: não ouço nem respondo.
Se for um recado sério é melhor esperar pelo menos meia hora.
Se for mesmo muito sério, aí o mais seguro é esperar 1 hora no mínimo!

No entanto, depois sabe-me bem que o dia seja "maior" e que me renda mais.
Mas nem assim me convenço.

A minha parte preferida do dia... é a noite.
Especialmente aquela parte depois do jantar e antes da hora de dormir.
Prolongo-a o mais possível.
Sempre fui assim, só na quietude da noite o trabalho me corre bem e as ideias fluem.

Hoje vou vingar-me!!
Antes de me deitar desligo o maldito despertador.
Até me nasce uma alma nova quando se apaga aquela irritante bolinha vermelha!!

28 de novembro de 2006

Espaço publicitário

(clicar para aumentar)

Cartoon roubado ao Anterozóide, que tem um excelente blogue que não devem deixar de visitar.
Imperdível, garanto!

26 de novembro de 2006

Afinal quem manda?

Fez-me impressão hoje a notícia de que nas compras quem manda são eles...

Não, não me estou a referir a brutamontes machões, mas sim às criancinhas!!
São elas que decidem a maioria das compras, dos brinquedos, aos telemóveis, à escolha do restaurante e até ao carro da família!

Mas anda tudo doido ou quê????
Claro que na escolha dum brinquedo ou de uma roupa nova faz todo o sentido que eles se pronunciem, mas devem ser os pais a estabelecer os limites: "podes escolher entre este, aquele e aqueloutro..."

Isto faz-me pasmar, porque no mundo onde eu vivo as coisas ainda não se passam assim.
As crianças têm muito mais "poder" do que nós tínhamos no tempo em que eu era criança, mas não se pode passar dum extremo ao outro!

As crianças têm de viver as suas frustrações, porque o mundo não vai sempre curvar-se aos seus desejos!
E, como tudo na vida, as frustrações também se treinam!
Uma criança habituada a ouvir alguns "não" bem explicados e fundamentados, estará muito mais apta para enfrentar a vida do que outra a quem satisfaçam todos os caprichos!

Não estamos apenas a criar uma geração de monstrinhos ditadores...
Estamos também a criar uma futura geração de adultos inadaptados!

Adenda ao post anterior:
Na minha turma de 15 alunos, 9 têm as mães em casa.

24 de novembro de 2006

Mas os filhos estorvam??

Chego da escola molhada (qb) e chateada (bastante!)
Acontece que, a juntar ao temporal, por volta das 15:40 faltou a luz na escola (e em toda a aldeia).
Uma hora depois era quase noite fechada e a maior parte dos alunos continuava na escola, nos "prolongamentos".
Só algumas mães tiveram o bom senso de, vendo que não havia luz, virem buscar os filhos mais cedo...
Claro que não me refiro às que trabalham fora de casa, mas havia imensas crianças que, com as mães em casa, continuaram na escola naquelas condições!

Eu, que sempre gostei de ter os meus filhos perto de mim, não entendo estas pessoas a quem parece que os filhos estorvam!

22 de novembro de 2006

Sempre fui contra

as aulas de substituição.
Não só a pensar nos professores (mas também), mas principalmente a pensar nos alunos.
Os "furos" são tempos sem aulas, importantíssimos para a socialização dos alunos, para conviver, para estudar, para espairecer...
(é claro que não me refiro a furos sucessivos, com manhãs ou tardes inteiras sem aulas, mas a uma dose "normal" de furos).
Quando um professor está doente é dever do ministério substituí-lo, nem que seja por uma semana.

No 1.º ciclo, onde a falta dum professor tem enormes repercussões (especialmente em escolas pequenas), nunca ninguém se preocupou com isso!
E vêm agora preocupar-se com alunos do secundário!
Com jovens que já têm idade e capacidade para saberem o que andam a fazer na escola!
Que se são bons estudantes sabem gerir os seus tempos livres, incluindo os "furos".
Se andam na escola a passear os livros também não são as aulas de substituição que os vão tornar bons estudantes!

Estou com os grevistas!

19 de novembro de 2006

Da pontualidade

A Emiéle hoje fala acerca da pontualidade.
Eu pertenço ao grupo dos pontuais, conheço muita gente pontual e não acredito que a percentagem de "não pontuais" seja tão alta.
Mas que os há, lá isso há!
E depois de uma pessoa pontual chegar uma série de vezes a uma reunião de um grupo de não pontuais?
Não acabará por sentir que não vale a pena ser pontual e assim aumentar o número de não pontuais?

Na quinta-feira tinha uma reunião às 18:30.
Estava em casa já pronta para sair mas, como era cedo, continuei a corrigir os trabalhos que estava a corrigir antes.
Distraí-me e quando olhei para o relógio eram exactamente 18:30!
Voei para o carro e para o local da reunião, onde cheguei 10 minutos depois.
Ainda por cima não era a "minha praia": era uma reunião de Assembleia de Escola, onde eu só tinha participado uma vez, reunião essa que mete encarregados de educação, funcionários da escola e presidentes de Junta.
Dirigi-me ao funcionário para perguntar em que sala estava a decorrer a reunião e ele respondeu "venha comigo que vou agora abrir a porta".
"Uff, pensei eu, podem estar todos à porta mas, pelo menos, ainda ninguém entrou!"

Mas afinal ainda não estava lá ninguém!!
Entretanto eram 18:45 e estava apenas eu e uma mãe na sala de reuniões.
Eram 19 horas quando, finalmente, a reunião começou!

18 de novembro de 2006

O casamento do Tom

Parece que o Tom se casa hoje, com muita pompa e circunstância, em Itália, num castelo e tudo, como se de um rei se tratasse.
Deve ter vindo para a Europa porque lá na terra dele não há castelos.
Poderia escolher um forte Apache se os cóbois não os tivessem destruído.

Cá em Portugal, toda a gente que se acha "bem nascida" ou intelectual tem um "não sei quê" contra tudo aquilo que eles, mentes superiores e iluminadas (como a do El-rei Tadinho do Reino das 100 janelas), consideram "piroseira dos tugas".
É piroso ter flores artificiais numa jarra, é piroso ter um galo de Barcelos em cima do frigorífico, é piroso usar naperon em cima da televisão...

Mas já não é piroso morar numa casa igual a outras casas, tal e qual, feita pelo mesmo arquitecto e decorada pelo mesmo decorador...
E que seja muito vazia, muito branca, com uns bibelots "copy/past" das revistas de decoração...
Se forem mesmo muito, muito chiques podem também viver no outro extremo: uma casa atulhada de móveis e penduricalhos trazidos das viagens ao estrangeiro, cheias de cortinas e reposteiros dourados.

O que tem isto a ver com o casamento do Tom?
Já nem eu sei bem, que as palavras são como as cerejas e aí vou eu sem rumo...

Vou pensar um 'cadito...
Ah!! Já sei!!

É que eu acho o povo americano dos mais pirosos do mundo (sem nenhum conhecimento de causa: acho e pronto!!).
E o facto do Tom se vir casar à Europa, com direito a castelo e tudo é mais uma prova dessa piroseira!
(e também de que não tem mais nada que fazer ao dinheiro, mas isso é lá com ele!)

Castelo de Almourol, Maio de 2004
(Ele queria era um assim, lá no país dele!)

16 de novembro de 2006

Outra dúvida existencial...

Qual é a diferença entre um peão com carro e um peão sem carro?

Esta dúvida ocorreu-me hoje no caminho para casa, quando passei por um peão invisível até eu passar mesmo por ele e logo a seguir por um ciclista também completamente "apagado".

Se obrigam uma pessoa que tenha de sair do carro por qualquer motivo a vestir um colete reflector, por que raio não hão-de obrigar, ou pelo menos recomendar, aos peões e ciclistas que o usem também?

14 de novembro de 2006

Importa-se de repetir?

Segundo a nossa Ministra da Educação, os professores não vão integrar os quadros de supranumerários.
Há trabalho para todos, a saber:

... «a tutela vai apostar num complemento de formação especializada para os docentes sem horário atribuído que habilite os professores a desempenhar funções técnicas nas escolas, como "o apoio à biblioteca, a manutenção do edifício, o apoio jurídico, o apoio social e a orientação vocacional". »

No mesmo saco aparecem as expressões " complemento de formação", "professores", "funções técnicas" e, a cereja em cima do bolo, "manutenção do edifício".
E é esta última que me faz acreditar que, das duas uma: ou eu não sei português, ou a ministra não sabe português, ou anda tudo doido...

Alguém me sabe esclarecer???
(não vale dizer "anda tudo doido!!")

12 de novembro de 2006

Desafio de domingo


Num lago existe um nenúfar cujo tamanho duplica diariamente.
O nenúfar demorou 30 dias para cobrir o lago.
Quantos dias demorou a cobrir metade do lago?

11 de novembro de 2006

Sobral de Monte Agraço...

...há muito tempo que tem um parque infantil, todos o sabemos.
O que muitos de vocês não sabem, a não ser os meus sortudos conterrâneos, é que Aveiro não lhe fica atrás e tem, desde há uns anos, o maior escorrega do Mundo (quiçá da Europa!!)

Foi construído ainda no mandato do anterior Presidente da Câmara.
E não foi feito para ser um escorrega, mas sim uma passagem desnivelada da Linha do Norte.
O engraçado é que, durante a construção, ninguém parece ter reparado que aquilo estava a ficar inclinado demais para ser uma estrada!
Os engenheiros não devem ter olhado para o "boneco", a autarquia não se preocupou muito porque já se sabe que nestes casos ninguém é responsabilizado e o dinheiro sai sempre do bolso dos mesmos tristes...
O que me espanta é que nem os trabalhadores tivessem dado por ela quando deixavam cair alguma ferramenta e ela despencava por ali abaixo.

Hilariante foi a explicação do então presidente, depois da ver a obra pronta e inútil "foi um erro, mas não tem importância nenhuma. Basta que a rotunda vá um bocadinho mais para a frente e depois reconstrói-se a estrada"

Só que a rotunda não foi...
E pronto...
Alguns anos depois e já com novo presidente - que prometeu na campanha eleitoral que em Maio a nova passagem estaria pronta - (só se esqueceu de dizer de que ano, mas isso é um mero pormenor...), temos o maior escorrega do Mundo!

Sugeria aqui que o transformassem em monumento nacional, que organizassem excursões para o visitar, pusessem umas tendinhas a vender recordações e assim, cheia de vergonha, talvez a rotunda finalmente se afastasse, esticando a estrada à maneira desta ficar transitável!

Ou alguém tem uma ideia melhor?



Cá está ela!
Ou pensavam que isto era uma fábula?

7 de novembro de 2006

Farta!

Sou professora.
Do 1.º ciclo, o que me torna especial e com um trabalho diferente do dos meus colegas de outros ciclos.

No 1.º ciclo não há furos, não há funcionários sempre disponíveis para nos atender os pedidos (uma percentagem enorme de escolas do 1.º ciclo nem funcionária tem, o que à partida nem sequer devia ser permitido!)...
Trabalhamos sempre 5 horas por dia, todos os dias.

No 1.º ciclo o intervalo não serve para descontrair e tomar qualquer coisa no bar... (não há bar!)
No intervalo apartamos bulhas, atendemos telefonemas e às vezes pais, lemos correspondência, vigiamos o recreio, fazemos curativos em mazelas diversas.
Isto tudo em 30 minutos...
E, se tivermos sorte, conseguimos comer as sandes que trouxemos de casa e beber um "café"!

No 1.º ciclo (nos outros também, mas neste nota-se muito mais), fazemos de mãe, de avó, de psicóloga, de confidente de vidas que nada têm de simples.

No 1.º ciclo somos polivalentes: tanto damos uma aula de música, como de educação física, como as regras da língua e os truques dos números.
Mas temos, além da formação inicial, formação também nessas áreas, que vamos fazendo ao longo da carreira.

Entrei nesta profissão por acaso, apenas para não estar parada e fugir ao bendito "ano propedêutico".
Fiquei e gostei.
E agora não a trocava por nenhuma outra...

Mas...
... estou farta de ser bode expiatório de tudo o que de mal acontece neste país;
... estou farta de ser desrespeitada por uma ministra que põe em último lugar das suas prioridades, os professores;
... estou farta de levar "puxões de orelhas" de gente que nada tem feito a favor das escolas, nem dos alunos, e que nem sequer cumprem as suas obrigações;
... estou farta de tanta burocracia que nos rouba tempo, disposição, motivação, paciência!

FARTA!!

6 de novembro de 2006

"Até os cães andam tristes..."

Foi esta a justificação de uma mãe para tirar o filho dos prolongamentos...
Chegou à conclusão de que o filho, na escola das 9 às 17:30, tinha deixado de ter tempo para actividades essenciais e, sobretudo, num ambiente diferente do da escola.

Tinha deixado de ter tempo para brincar em casa com o irmão, para conversar calmamente com a mãe e com o pai, para ler, para estudar, ou simplesmente para estar sem fazer nada...
Mas parece que quem se estava mesmo a ressentir a sério eram os dois cachorros que, segundo a mãe, andavam por lá murchos e tristes sem o companheiro de brincadeiras!

Largar a escola para brincar com os cães?
Onde é que já se viu?
(pensará a ministra e outros seres altamente pensantes, como aquele senhor da confap)

NOTA:
A cadela da foto chama-se Tara e está para adoptar aqui

5 de novembro de 2006

Desafio de domingo


Um tijolo pesa um quilo e meio tijolo.
E dois tijolos?

Nota: quero a resposta e a justificação que eu sou uma prof exigente!

4 de novembro de 2006

O que é a beleza?

"beleza é fundamental"
ou
"a beleza não põe a mesa"?

Talvez nem 8 nem 80 e toda a gente se deve arranjar para si, para se sentir bem e não só para os outros.
Este anúncio pulicitário da DOVE mostra que ninguém é perfeito...
Mas que as tecnologias de hoje transformam qualquer patinho feio no mais belo cisne!

Isto é dedicado às mais novinhas, porque as quarentonas como eu já sabem isto há muito e não se iludem com estes truques (cof, cof...)
Por isso, devem ser realistas e, quando vêem aqueles rostos e corpos perfeitos em todas as revistas, devem ter a noção de que eles/elas não acordam assim!
A beleza vem também de dentro.
Aquele brilhozinho nos olhos que torna toda a gente mais bonita não se fabrica! (a não ser no photoshop, é claro!)

3 de novembro de 2006

Ao fim de 42 dias lectivos...



...estive em 21 (sim, vinte e uma!!) reuniões!


  • reuniões de grupo
  • reuniões do conselho pedagógico
  • reuniões de preparação do conselho de docentes
  • reuniões do conselho de docentes
  • reuniões de planificação
  • reuniões para fazer os TPC das acções de formação...
  • acções de formação

...............

Alunos?
Hã?? Quem são esses??

29 de outubro de 2006

Ó homem, lava a camisa!!

Não há um dia em que não passe várias vezes na rádio...
E o pior é que fica no ouvido e depois ando todo o dia a cantarolá-la!
Encontrei-a agora mesmo na BLOGotinha e deixo-a aqui, para vos pôr todos a dançar...
Uma boa maneira de terminar o domingo!




E os votos de uma boa semana, cheia de trabalho, que o trabalho dá saúde!

27 de outubro de 2006

Lobo Antunes


Vi ontem a entrevista da Judite de Sousa ao Lobo Antunes.
Aquele homem impressiona-me sempre, às vezes pela positiva, outras pela negativa.
Lembro-me de uma vez, numa outra entrevista, o ter ouvido dizer que não gostava de dar entrevistas, que ninguém tinha nada a ver com a vida dele e que se estava borrifando (não sei se o termo foi este, se não foi, foi outro parecido) para toda a gente.
Aquilo caiu-me muito mal, porque afinal ele vive apenas da escrita o que quer dizer que "essa gente" que ele estava a desprezar é apenas e só a gente que o sustenta...

Ontem pareceu-me menos arrogante e mais "humano".
Por outro lado parecia estar a ter bastante dificuldade em expressar-se (o que não deixa de ser espantoso numa pessoa que escreve) e muito hesitante nas respostas.

De qualquer modo, é dos meus escritores portugueses favoritos e, na minha opinião, superior ao Saramago.

25 de outubro de 2006

Geração espontânea?

Apesar de todas as teorias evolucionistas, já para não falar no Adão e na Eva, estou tentada a acreditar na teoria da geração espontânea.
Se não, como seria possível haver tantos mosquitos (daqueles pequeninos) na minha casa??
E tantos caracóis minúsculos nos muros? (eu juro que aparecem de repente!)
E as lesmas gigantes no quintal?

Adenda:
Os GOLFINHOS têm um desafio aos adultos e pedem a vossa colaboração!!

23 de outubro de 2006

Estou velha!!


Hoje, na escola, farta de explicar a mesma coisa a alguns meninos mais distraídos, desabafei:
"Acabou-se, não volto a repetir! Até pareço um disco riscado!"
E ficaram 30 olhos espantados a olhar para mim, como se tivesse falado em chinês...

Até que um, mais despachado, ainda tem o desplante de me corrigir:
"Não é disco riscado, é disco rígido!!"

21 de outubro de 2006

Cada cavadela, cada minhoca

Ainda andam por aí os últimos ecos da infeliz campanha das crianças e do avião que cai e já há outra publicidade igualmente infeliz...

Desta vez o tema é o abandono escolar e aparecem umas crianças com uma voz muito infeliz que dizem "eu vou ser o último arqueólogo português", "eu vou ser a última investigadora portuguesa", "eu vou ser o último matemático português..." etc...
Isto é que o que se chama uma campanha optimista!
O abandono escolar é um tema sério demais para ser assim publicitado!
Devia antes ser combatido, com campanhas sérias que, por exemplo, incentivem os jovens que não gostam do estudo demasiado teórico ( e há muitos!) a desviarem o caminho para áreas mais práticas.
E abrir cursos tecnológicos com fartura e diversidade!

18 de outubro de 2006

O génio da lâmpada

Afinal a culpa também é minha e eu sem saber de nada!!
Óbalhamedeus, que se eu soubesse que andava a pagar luz a menos, eu tinha-me oferecido para pagar o dobro, o triplo, o que fosse preciso!

Isto uma pessoa ouve cada uma, que não sabe se há-de rir ou se há-de chorar!
Mas pronto, ainda bem que avisaram que somos nós, os consumidores, que mandamos na factura da luz!
A partir de agora vou dizer que prefio não pagar nada, a ver se pega!

17 de outubro de 2006

Esclarecimentos...


Ouvi hoje muita rádio, por isso ouvi o nosso PM dizer, três ou quatro vezes, que os professores estavam em greve por causa das avaliações.
Eu atrevia-me a aconselhar-lhe: leia o Estatuto!

Foi o que a Ministra mandou fazer aos professores!
Mas esses, acredito que o tenham lido com atenção, senão a greve não teria tido a adesão que teve.
Acredito mais que aqueles que o não leram foram os que hoje foram trabalhar alegremente!

14 de outubro de 2006

Descoberta do dia

... não se devem usar t-shirts pretas quando em casa há uma família de gatos maioritariamente brancos!

13 de outubro de 2006

Haja optimismo!

Não sendo Nicolau Santos dos meus jornalistas preferidos, achei interessante esta lição de optimismo, que ele deixou na revista Exportar.

Eu conheço...

Eu conheço um país que tem uma das mais baixas taxas de mortalidade de recém-nascidos do mundo, melhor que a média da União Europeia.
Eu conheço um país onde tem sede uma empresa que é líder mundial de tecnologia de transformadores. Mas onde outra é líder mundial na produção de feltros para chapéus.
Eu conheço um país que tem uma empresa que inventa jogos para telemóveis e os vende para mais de meia centena de mercados.
E que tem também outra empresa que concebeu um sistema através do qual você pode escolher, pelo seu telemóvel, a sala de cinema onde quer ir, o filme que quer ver e a cadeira onde se quer sentar.
Eu conheço um país que inventou um sistema biométrico de pagamentos nas bombas de gasolina e uma bilha de gás muito leve que já ganhou vários prémios internacionais.
E que tem um dos melhores sistemas de Multibanco a nível mundial, onde se fazem operações que não é possível fazer na Alemanha, Inglaterra ou Estados Unidos. Que fez mesmo uma revolução no sistema financeiro e tem as melhores agências bancárias da Europa (três bancos nos cinco primeiros).
Eu conheço um país que está avançadíssimo na investigação da produção de energia através das ondas do mar.
E que tem uma empresa que analisa o ADN de plantas e animais e envia os resultados para os clientes de toda a Europa por via informática.
Eu conheço um país que tem um conjunto de empresas que desenvolveram sistemas de gestão inovadores de clientes e de stocks, dirigidos a pequenas e médias empresas.
Eu conheço um país que conta com várias empresas a trabalhar para a NASA ou para outros clientes internacionais com o mesmo grau de exigência.
Ou que desenvolveu um sistema muito cómodo de passar nas portagens das auto-estradas.
Ou que vai lançar um medicamento anti-epiléptico no mercado mundial.
Ou que é líder mundial na produção de rolhas de cortiça.
Ou que "bateu" em duas provas vários dos melhores vinhos espanhóis.
E que conta já com um núcleo de várias empresas a trabalhar paraa Agência Espacial Europeia.
Ou que inventou e desenvolveu o melhor sistema mundial de pagamentos de cartões pré-pagos para telemóveis. E que está a construir ou já construiu um conjunto de projectos hoteleiros de excelente qualidade um pouco por todo o mundo.
O leitor, possivelmente, não reconhece neste País aquele em que vive: Portugal. Mas é verdade.
Tudo o que leu acima foi feito por empresas fundadas por portugueses, desenvolvidas por portugueses, dirigidas por portugueses, com sede em Portugal, que funcionam com técnicos e trabalhadores portugueses.
Chamam-se, por ordem, Efacec, Fepsa, Ydreams, Mobycomp, GALP, SIBS, BPI, BCP, Totta, BES, CGD, Stab Vida, Altitude Software, Primavera Software, Critical Software, Out Systems, WeDo, Brisa, Bial, Grupo Amorim, Quinta doMonte D'Oiro, Activespace Technologies, Deimos Engenharia, Lusospace, Skysoft, Space Services.
E, obviamente, Portugal Telecom Inovação.
Mas também dos grupos Pestana, Vila Galé, Porto Bay, BES Turismo e Amorim Turismo.
E depois há ainda grandes empresas multinacionais instaladas no País, mas dirigidas por portugueses, trabalhando com técnicos portugueses, que há anos e anos obtêm grande sucesso junto das casas mãe, como a Siemens Portugal, Bosch, Vulcano, Alcatel, BP Portugal, McDonalds (que desenvolveu em Portugal um sistema em tempo real que permite saber quantas refeições e de que tipo são vendidas em cada estabelecimento da cadeia norte-americana).
É este o País em que também vivemos.
É este o País de sucesso que convive com o País estatisticamente sempre na cauda da Europa, sempre com péssimos índices na educação, e com problemas na saúde, no ambiente, etc.
Mas nós só falamos do País que está mal.
Daquele que não acompanhou o progresso. Do que se atrasou em relação à média europeia.
Está na altura de olharmos para o que de muito bom temos feito.
De nos orgulharmos disso.
De mostrarmos ao mundo os nossos sucessos - e não invariavelmente o que não corre bem, acompanhado por uma fotografia de uma velhinha vestida de preto, puxando pela arreata um burro que, por sua vez, puxa uma carroça cheia de palha.
E ao mostrarmos ao mundo os nossos sucessos, não só futebolísticos, colocamo-nos também na situação de levar muitos outros portugueses a tentarem replicar o que de bom se tem feito.
Porque, na verdade, se os maus exemplos são imitados, porque não hão-de os bons serem também seguidos?

11 de outubro de 2006

Desde a abertura

até pelo menos às 21:45, o Jornal da Noite da SIC noticiou apenas o incêndio num prédio em Nova Iorque.
Para ajudar a passar o tempo, os jornalistas iam dizendo as banalidades do costume para "telespectador ver"...
Tanto tempo de antena por causa de um acidente que provocou um incêndio??
Não há pachorra!

A certa altura o jornalista dizia, para justificar aquela gente toda que é normal juntar-se nestes casos "os transeuntes que vão chegando".

Se fosse cá, a conversa do jornalista seria mais ou menos do género "como é costume em Portugal, os mirones amontoam-se atrapalhando o trabalho dos bombeiros, com a falta de civismo que já conhecemos"

9 de outubro de 2006

Relatório...

O prometido é devido, por isso cá vai o relatório dos acontecimentos de hoje:

Na sondagem sobre se acreditam em milagres, ganharam os "não".
E realmente, se houve um milagre foi o da nossa pachorra (professoras, auxiliar e algumas mães).
As louças chegaram cerca das 11...
Os alunos almoçaram na escola..
No fim a louça foi lavada à moda antiga: numa bacia de água!

O que eu temo agora é que como hoje nos "desenrascámos" esta situação tente passar a definitiva! (só tente, porque nós estaremos atentas e não deixamos...)
Até porque já saiu no jornal que na nossa escola as obras estão prontas e é tudo ouro sobre azul...

8 de outubro de 2006

Uma fotografia por domingo (22)

A minha Xena-ex-selvagem-esquelética, que agora é uma Xena doméstica, gordinha e uma doçura de "menina".

Não é linda?

7 de outubro de 2006

Sondagem

Hoje resolvi fazer uma sondagem...
Toda a gente faz sondagens, porque não eu?

Então cá vão os dados:

sexta-feira, dia 6 de Outubro, 16 horas...


Esta fotografia representa o local onde vai funcionar a cantina da minha escola. Como se pode ver pela foto, ainda está em obras...

No entanto, foi-nos garantido que na segunda-feira estará a funcionar e os alunos já lá almoçarão.

A pergunta da sondagem é:
Quem acredita em milagres?
Façam o favor de responder, que eu depois dou o resultado da sondagem e conto como foi o almoço inaugural.

6 de outubro de 2006

Sugestão de passeio

Com o fim-de-semana à porta, remeto-vos para o Blog dos Golfinhos, onde eles relatam o belo passeio que fizemos na passada quarta-feira.

Aqui fica como sugestão para um dia bem passado, ou até para um fim-de-semana!

4 de outubro de 2006

Visionarium


Hoje fui com os meus Golfinhos dar um passeio.
Entre outros locais (eles que contem que eu tenho mais que fazer e estou cheia de sono), fomos ao Visionarium em Santa Maria da Feira.

Já lá não ia há alguns anos e achei as instalações um bocado desmazeladas: algumas actividades que não funcionam ou funcionam mal, apenas uma acompanhante para tantos alunos, sendo que a maior parte das actividades que as crianças podem fazer, apesar de terem as explicações escritas são de difícil compreensão.
Os funcionários são gente muito jovem mas cheios de simpatia e muito prestáveis.
Num ano lectivo em que a ministra quer dar tanto ênfase às ciências experimentais, devia haver mais lugares onde as crianças pudessem ir ver, mexer, experimentar... e de borla!

Quem puder, que dê por lá uma volta com os filhotes: apesar de tudo vale bem a pena!

1 de outubro de 2006

O vagalume e o sapo

Entre o gramado do campo
Modesto, em paz se escondia
Pequeno pirilampo
que, sem o saber, luzia.

Feio sapo repelente
Sai do córrego lodoso,
Cospe a baba de repente
Sobre o insecto luminoso.

Pergunta-lhe o vagalume:
- "Porque me vens maltratar?"
E o sapo com azedume:
- "Porque estás sempre a brilhar!"

João Ribeiro (1860-1934)
Grande fabulário do Brasil

29 de setembro de 2006

"Deslarguem-me" que eu bato em alguém...

Todos os anos acontece e acontece sempre por esta altura, mas eu não consigo habituar-me, que é que querem?

A Câmara Municipal auxilia com uma verba os alunos mais carenciados e que façam prova disso, o que exige um montão de papelada, muito tempo e muita paciência...Tanta que muitos pais desistem e pronto.
Esse dinheiro costuma dar para pagar os livros e o material escolar e subsidiar as visitas de estudo.
Este ano, quem conseguiu esse subsídio tem ainda as refeições na cantina à borla, enquanto quem não tem paga 1,38€ por refeição.

O que me revolta é que enquanto uns penam para conseguir o subsídio e ouvem raspanetes por entregarem os papéis fora do prazo (quando a situação da pessoa mudou durante as férias), outros há que podem entregar os papéis fora de prazo sem problema nenhum...
E porquê?
Porque são ciganos, têm rendimento mínimo e tolerância máxima...
Porque se lhes levantarem problemas eles fazem barulho e nem duvido que fossem capazes de acampar, com a família toda, em frente à Câmara!

E o que lhes exigem em troca?
A única coisa que lhes "exigem" é que mandem os filhos à escola.
Mas eles não mandam, ou mandam só às vezes quando lhes apetece...
E o que lhes acontece?
NADA!
Em 10 dias lectivos já tenho uma aluna com 5 faltas!

Por outro lado, para uma aluna francesa, que vive com uma família de acolhimento e recebe um subsídio qualquer por ser deficiente, já foram preenchidos e enviados para França uns impressos onde se confirma que ela frequenta a escola e não falta a não ser justificadamente...

Estão a ver a diferença?
Eu estou, vocês com certeza também estarão, só quem manda neste raio de país é que não vê!!

(Se o meu blog fosse no sapo, agora punha aqui um sapinho zangado a dizer:
sinto-me furiosa!!)

28 de setembro de 2006

A minha alegre casinha

Saio de casa antes das nove chego agora, estafada...
Apetece-me um banho e depois esticar-me no sofá...
Que é do sofá?
Desapareceu debaixo dum amontoado de tralhas...

É que tenho a casa em obras!

"Vais ver que desta vez não vai custar nada: são só umas pinturas e uns retoques, não há barulhos nem lixo", dizia o meu marido, mais para se convencer a ele próprio que a mim...

Não há lixo?
Haviam de ver a minha sala, a esta hora com o solzinho da tarde a dar-lhe em cheio!
Realmente barulho não há, mas de resto...
É que para pintar a sala foi preciso arredar o móvel grande da parede e para arredar o móvel foi preciso tirar de lá de dentro todas as louças (mas para que são precisos tantos cacos, meu Deus???)

Também foi preciso tirar as cortinas, as tralhas das paredes, a carpete e os tapetes...
Quer dizer, por causa duma pinturinha na sala e na copa tenho a casa toda em pantanas.
E depois ainda vão para o sótão, mas lá deve ser menos complicado: nesta altura uso-o pouco, quase só para passar a ferro pois é lá que está montado o estaminé dessa prazeirosa tarefa.
Ficar uma semana ou mais sem poder passar a ferro?
Ooooooooh! Que pena!

(e que ninguém se atreva a lembrar-me que o monte de roupa cresce à mesma, por favor!!)

24 de setembro de 2006

Uma fotografia por domingo (21)

Já há alguns domingos que não publicava a minha fotografia...
Hoje retomo o hábito com esta bela fotografia dos meus ainda mais belos gatinhos:

Estou a ouvir queixas...
Quê?
Ai não estão a ver os gatinhos?
Pois eu também não, snif...
Para juntar ao computador que avariou há duas semanas, logo a seguir, pimba, avariou a máquina fotográfica.
Parece que este problema não é um exclusivo meu, anda por aí a acontecer a muitas Cannon, por isso agradeço que, quem já passou pelo mesmo, me diga como fez para o resolver (se é que há solução).

Mas, digam lá se isto não parece uma daquelas fotos todas modernaças, em que ninguém vê lá nada mas todos acham excelentes (será que também têm a máquina avariada e não deram por ela??)

23 de setembro de 2006

Mudemos de assunto, sim?

Meu Deus, devo estar mesmo mal, logo agora que é um sarilho arranjar um atestado médico!!
Não é que fui ler por aí abaixo e descobri que os últimos 9 (sim, nove) artigos estão relacionados com educação?
Balhamedeus, que isto não é um blog temático!

Vamos então mudar de assunto!
(para política?? estou mesmo muito mal!!)

Ontem chocou-me imenso ouvir o senhor Chavez insultar, num discurso, o senhor Bush!
Não foram só os insultos, que isso infelizmente vai sendo cada vez mais habitual.
Foi mais o facto de o discurso de Chavez ser... em Nova Iorque!
Se alguém viesse a minha casa e desatasse a insultar-me, ia imediatamente para o olho da rua!
Era o que faltava!
Mas já ninguém respeita ninguém??

(Esclarecimento final: não gosto de nenhum daqueles senhores, nem com molho de tomate!)

22 de setembro de 2006

Horários

A Ana Cristina levanta o problema dos horários no 1.º ciclo, que este ano vão ser obrigatórios e têm de ser rigorosamente respeitados.
A carga horária é a seguinte:

Língua Portuguesa - 8 horas
Matemática - 7 horas
Estudo do Meio - 5 horas
O resto do tempo fica ao critério do professor e pode até servir para reforçar estas disciplinas!!

Ficamos então com 2 horas e 30 minutos (apesar de em alguns documentos aparecerem 5 horas, porque se esqueceram que as crianças têm - pelo menos por enquanto - direito a 30 minutos de recreio por dia) para as seguintes disciplinas:

Expressão Plástica
Expressão Dramática
Expressão Físico-Motora
Expressão Musical
Formação Cívica
Área de Projecto
TIC

Feitas as contas dá cerca de 20 minutos para cada uma destas disciplinas...
Um tempão!

Quem fez este horário revela completa ignorância sobre pedagogia e psicologia infantil: não há criança que aguente horas seguidas de concentração sem ter actividades lúdicas pelo meio.
Quem fez este horário nunca ouviu dizer que "a brincar também se aprende".
Quem fez este horário nem deve saber que a área das expressões é importantíssima nestas idades para o desenvolvimento de competências necessárias a uma melhor aprendizagem nas outras (destreza, desenvolvimento da atenção, da motricidade, de gerir o tempo, de interiozar regras, etc...

Finalmente, quem fez este horário esquece que no 1.º ciclo há uma coisa chamada "monodocência" e outra chamada "interdisciplinaridade" (esta última já esteve muito na moda, mas actualmente parece que caiu em desuso).
Mas eu continuo a aplicá-la pois quando escrevo um problema no quadro os alunos têm de o ler, copiar e interpretar (português); depois podem ter de fazer desenhos para ajudar à resolução (plástica); eventualmente poderão ter de investigar na net ou numa enciclopédia quantas patas tem um escaravelho (TIC e Ciências); finalmente chega a Matemática quando fazem os cálculos...

E a minha pergunta é:
Em que buraquinho do horário escrevo "resolução de um problema"??

21 de setembro de 2006

Sabem aquela de quantos alentejanos...

... são precisos para substituir uma lâmpada?

Pois agora a adivinha mudou e passou a ser "quantos médicos são precisos para passar um atestado?"

Segundo as notícias desta tarde, o atestado médico não chega: é preciso, além disso, "meter baixa" pelo SNS...
Quem conhece esses serviços (eu não, felizmente) sabe bem como (não) funcionam!
E muitas pessoas recorrem a médicos que têm contratos com a ADSE em consultórios ou Clínicas, evitando assim entupir ainda mais os já entupidos centros de saúde.
E também há muita gente que vai ao consultório do seu próprio médico de família. Estes farão como?
Levam dois atestados do mesmo médico?

Desconfiam de baixas fraudulentas?
Então investiguem-nas e castiguem quem utiliza a desculpa duma doença para ter uns dias de férias!
Mas não podem punir apenas os "doentes", há que punir também os médicos que o fazem, porque uns não existem sem os outros!

19 de setembro de 2006

Prós e prós

Ontem, no programa "Prós e Contras" da RTP1 houve um pequeno quiproquó: convidaram os "prós", mas esqueceram-se dos "contras"!

Como disse, e muito bem, um professor de Seia, aquilo não era um debate, era um beija mão!
Não sei que raio de convidados eram aqueles!
No público devia haver gente interessante, mas a esses não os deixaram falar!
O único que, embora debilmente, foi remando contra a maré foi o sindicalista da Fenprof, mas quanto a mim não foi suficientemente acutilante (medo de lhe acabar o tacho no sindicato e ter de voltar à escolinha??)

Tenho medo de pensar que os professores não falem por medo!
Quero acreditar que tenha sido mesmo um erro de casting...

Notícia:
Os Golfinhos voltaram à escola e também ao blog.
Agora são finalistas, estão todos importantes por serem "os maiores da escola", mas continuam a adorar os vossos comentários... Apareçam!

18 de setembro de 2006

Sem comentários...

" En mai 99, Monsier C. est incarcéré suite à l'assassinat de son épouse devant les enfants"

Está escrito assim, tal e qual (entre muitas outras coisas, nenhuma delas agradável) no processo duma menina que vai ser minha aluna.
Na altura em que isto aconteceu a A. tinha 4 anos...
Agora tem 11, e muitas dificuldades de aprendizagem.

Há crianças que já viveram situações tão traumáticas que nem passam pela cabeça de muitos adultos!

17 de setembro de 2006

A (famosa) Finlândia e a educação

"No meu país todos têm direito a uma educação básica gratuita, que inclui o equipamento necessário e os livros escolares, transporte, se for preciso, serviços de saúde e refeições."
Antti Kalliomäki, Ministro da Educação e da Ciência da Finlândia

Lá as crianças entram para a escola só aos 7 anos, não bebés de 5 como acontece cá...
Antes da entrada na escola fazem 1 ano de pré onde adquirem noções básicas, que lhes permitirão ter sucesso num ano tão exigente como é o primeiro ano de escolaridade.
Também ao contrário de cá, onde já pouco falta para as crianças dormirem na escola (este ano há escolas onde as crianças permanecerão 10 horas!!), lá dos 7 aos 12 nunca passam mais que 4 (quatro!!) horas por dia na escola!
E os pais e mães que trabalham? (sim, que isso de trabalhar fora não é monopólio nosso)
Para esses casos há estruturas organizadas e asseguradas pelas autarquias.
Esses espaços não são no espaço escolar nem na linha do trabalho escolar.

E pergunto eu, que sou de compreensão lenta:
se por cá se gosta tanto de imitar o que vem de fora, porque não copiamos os bons exemplos?

(Entrevista e opiniões várias na Notícias Magazine de hoje, a não perder para quem se interessa por estes assuntos, que afinal dizem respeito a todos).

14 de setembro de 2006

O povo (ainda) é quem mais ordena!

Na minha escola as aulas eram para ter começado hoje, mas não começaram.
É que ontem, na reunião de pais, quando estes viram que as obras que deviam estar prontas, ainda mal tinham começado, decidiram não mandar os filhos à escola como forma de pressionar.
Eu não aprecio muito estas atitudes radicais, mas não posso obrigar os pais a mandarem os filhos para uma escola em obras, com uma sala a menos e a cantina, que a ministra tanto apregoa que é para todos, por fazer!

Hoje pude comprovar que os pais tinham razão: apareceram trabalhadores, apareceu material, apareceu tudo!
E as obras começaram a andar a bom ritmo!

Será que neste país as coisas só funcionam se for assim?

12 de setembro de 2006

Mudam-se os tempos...

Aviso:
Este post foi inteira e descaradamente roubado à Rosarinho, a menina da caixa da padaria da Didas

«É o que eu digo.
O mundo está em constante mutação.
E até eu noto, que ainda não ando por cá assim há tanto tempo como isso. Quando a minha avó Teresa (que chegou a fazer o exame da terceira, só não passou porque aquilo era muito puxado) andava na escola, os putos chegavam a casa e diziam à mãe:
- Mãe! A professora hoje bateu-me!
E a mãe dizia logo:
- Ah desgraçado! Devias ter levado mais! Vou lá dizer que para a próxima, se não chegares a casa pelo menos com um olho negro, não te mando mais à escola!

O tempo foi passando, passando, e quando a minha mãe (que essa sim, já fez a quarta completa) andava na escola, os putos chegavam a casa e diziam:
- Mãe! A professora hoje bateu-me!
E a mãe dizia logo:
- Então tá bem… - e continuava a lavar a loiça como se nada fosse.

Quando eu andei na escola, e como não era parva nenhuma, chegava a casa e dizia:
- Mãe! A professora hoje disse que eu merecia um estalo!
E a minha mãe dizia logo:
- Ai é? Então deixa estar que eu vou lá ameaçá-la com uma queixa no ministério que a lixo!

Este ano, foi criada uma linha telefónica para os professores poderem ligar e dizer qualquer como:
- O Toninho hoje bateu-me!

Fantástico, não é?
Nem consigo imaginar como será no futuro, mas vai ser de certezinha emocionante!
Ora, com estas evoluções todas, ainda há quem se admire de há 50 anos o pessoal ir à feira popular e ficar de boca aberta a olhar para uma televisão a preto e branco cheia de grão e hoje em dia qualquer parolo ter em casa um plasma para ver a sport tv e o hustler.

E pronto queridos clientes, por hoje já fiz a minha reflexão filosófica. Fiquem bem e tomem lá uma beijoca
da vossa Rosarinho»

11 de setembro de 2006

Palavras proibidas

Palavras proibidas na educação:


  • aprender
  • ensinar
  • decorar
  • reprovar/passar
  • estudar
  • trabalhar

_____________________

E como hoje é dia de triste efeméride, aconselho-vos a ler este excelente post do Farpas

9 de setembro de 2006

Rica!!! (em sonhos como a da canção)

Fiquei a saber que sou rica, graças a esta notícia!
E eu que pensava que era só remediada e fazia uma vida a condizer!
Agora vou vingar-me: almoçar e jantar fora todos os dias, (e já agora porque não também tomar o pequeno almoço em bons hotéis?), contratar uma empregada que faça tudo aquilo que eu detesto fazer, entrar numa loja e não ter a trabalheira de escolher roupas: trago a loja toda e deito fora o que não servir...

Pronto, este desabafo é para não bater em ninguém... (além disso só tenho aqui o marido e ele não merece!)
Numa altura em que professores protestam e reclamam - cheios de razão na maior parte das vezes, em que estivemos 2 anos sem aumentos, em que temos a progressão na carreira congelada até não se sabe quando - aparece assim uma notícia que, para quem acredita em tudo os que os jornais dizem vai servir para nos tornar, uma vez mais, os maus da fita!
Estou farta!

Os professores não ganham o salário mínimo, mas a maior parte ganha menos do que merece (como a maioria dos trabalhadores deste país).
Um professor em início de carreira ganha cerca de 800 euros e, nos tempos que correm, gasta uma boa parte desse dinheiro no transporte para a escola...
Isto para não falar dos professores que têm prejuizo ao fim do mês e que trabalham apenas pelo tempo de serviço porque ainda têm esperança em dias melhores!

Querem fazer um estudo sério?
Então comprem um "cesto básico" e depois digam quantos dias eu tenho de trabalhar para o pagar e quantos dias tem de trabalhar um espanhol, ou outro qualquer!
Haja decência!

8 de setembro de 2006

Futebolandia

Vinte e três minutos foi quanto durou o assunto "futebol" no Jornal da Tarde de hoje da SIC...
Foi assunto de abertura do noticiário e durou até às 13:23, com uma conferência de imprensa em directo dum tipo qualquer.
O assunto não me interessava, tirei o som à televisão mas deixei estar para ver quanto durava a palhaçada.

Eu compreendo que o futebol seja tema de muitas conversas de café, mas não que ocupem tanto espaço na televisão com os arrufos entre "dirigentes"- figura de estilo para classificar aquelas personagens - e muito menos que ocupem tanto espaço num noticiário!

No outro dia fiquei a saber que a selecção da Finlândia nunca participou num europeu de futebol, muito menos num Mundial!!
Deve ser por isso que são um país tão miserável!
Se calhar nem passam notícias sobre a vida dos dirigentes futeboleiros lá na televisão deles (será que eles têm televisão? Quase sem futebol, nem deve valer a pena!)
E anda o nosso primeiro ministro a querer imitar a Finlândia!
Descer àquele nível!
Santa ignorância!!

6 de setembro de 2006

Concurso ou sorteio?

Imaginem um concurso com 100 concorrentes.
Conforme a sua prestação foram ordenados do 1.º ao 100.º lugar.
Neste concurso há prémios para todos: 100 prémios para 100 concorrentes.
Os prémios não são todas iguais, uns são mais valiosos que outros.
O que ficou em primeiro lugar no concurso é o primeiro a escolher o prémio, depois o segundo e assim sucessivamente até ao centésimo.
Tudo bem, não é?

Agora imaginem que, por um atraso na empresa que distribuía os prémios, só chegaram 50, aleatoriamente.
Os organizadores do concurso decidiram então distribuir os 50 prémios pelos primeiros 50 concorrentes.
Assim, por exemplo, quando chegou a vez do 30.º escolher, já tinham acabado as televisões LCD e só havia varinhas mágicas e microondas...

Uma semana depois chegam os outros 50 prémios e chamam os restantes 50 concorrentes.
Desta vez houve televisores para quase todos...
Só mesmo a última meia dúzia é que levou as varinhas mágicas.

Se tivessem participado neste concurso achavam justa esta distribuição de prémios?
Com certeza que não...
Toda a gente reconhecerá neste sistema uma enorme injustiça e que a única maneira de repor a justiça seria chamar novamente todos os concorrentes e só então, com todos os prémios disponíveis, fazer novamente a distribuição.

Mas nem toda a gente consegue perceber esta simples regra: a Ministra da Educação, por exemplo, fez isto tal e qual, com a distribuição das vagas pelos professores: em vez de esperar por todas as vagas para depois fazer as colocações, fê-lo por duas vezes: a primeira em meados de Agosto e a segunda no dia 30.

Se a preocupação maior dela for realmente aproximar os professores das suas áreas de residência e fazer um concurso justo (ainda mais porque é válido para 3 anos) só tem um caminho: repeti-lo!

3 de setembro de 2006

Era bom mas acabou-se...

E acabou-se tudo: o bolo e as férias...
As férias acabaram a 31 de Agosto, o bolo começou e acabou hoje...

bolo_aniversario.jpg


As férias fora de casa foram curtinhas mas boas: praias cheias (a parte má de quem tem de gozar as férias em Agosto), mas a água quentinha das praias algarvias faz esquecer o resto.
Os passeios, os banhos de mar, as refeições à varanda, o livro que se começa a ler e que o sono da tarde interrompe, a quase ausência de horários ("já passou o tempo da digestão?", é a única pergunta relacionada com horas que se faz...)
E um intervalo para ir a S. Brás de Alportel jantar em casa de amigos e conversar noite dentro numa esplanada de aldeia, daquelas genuínas.

Hoje fiz anos, e juntei cá em casa a família mais chegada, avó incluida pois faz anos no mesmo dia.
É mais cansativo mas também é mais divertido.
Éramos 16, se contar com a gata e os gatinhos, que estão enormes e comilões...
Sirvam-se duma fatia de bolo virtual, que o verdadeiro já acabou...
Tchim, tchim... à saúde de todos!

23 de agosto de 2006

Vou de férias, iuuupi!

Amanhã vou de férias...
Eu tenho estado de férias, mas as férias a sério são quando saímos do nosso "habitat natural" e rumamos a outras paragens.
É o que vou fazer: passar uns dias numa casa que tem a praia à porta, sem necessidade de andar em bichas e depois séculos a procurar um buraco para estacionar.
Também dou uns dias de férias ao carro.
Quando muito sairá uma noite ou outra para um jantar num restaurante.
Mas o objectivo é mesmo descansar, ler bastante, tomar banhos de mar e de piscina, dormir a sesta...

Como não vos quero deixar sem nada, fiquem com este filme caseiro dos meus "gatos terroristas".
A parte verde onde eles brincam era um belo canteiro de espinafres, agora reduzidos aos caules.
O feto gigante também já desapareceu...
Mas quem se atreve a não ficar embevecido a olhar para estas criaturas tão lindas?



(este filme fui eu que fiz - nota-se pela qualidade!! - e tenho muita pena de não saber pôr uma música à maneira!)

18 de agosto de 2006

O álbum erótico do avozinho

A pedido de várias famílias (foi só a Emiéle, que pediu, mas prontos...) e embora não querendo tirar clientela aos blogues que se dedicam ao erotismo, aqui vos deixo o Album Erótico do Avozinho!

Divirtam-se...
Para mudar de página é só clicar no cantinho!

17 de agosto de 2006

Descartáveis...

Com mais tempo para ler revistas cor-de-rosa (??) não há semana em que não haja a notícia de um divórcio de gente casada há meia dúzia de meses e com bebés pequenos!
Descartáveis: são assim uma grande parte dos casamentos actuais.
Tolerância mínima, egoísmo máximo...

Apesar de achar que todas as pessoas têm o direito (e até o dever!) de procurar a felicidade, fico sempre chocada com separações e divórcios de gente cada vez mais jovem...
Não me choca nada se não houver crianças, mas havendo o problema é sério demais para ser analisado levianamente.

Já estou a ouvir "mas é melhor para as crianças que os pais se separem do que passarem a vida a discutir à frente delas"...
Eu também concordo, mas começaram a discutir quando a criança nasceu?
Se já discutiam antes não seria melhor terem-se separado antes de fazerem filhos?

E não me venham com a treta de que a separação dos pais não afecta as crianças ("elas compreendem" - que raio de compreensão tem uma criança de 2, 3 ou 4 anos?)
A verdade é que afecta e muito!
É impossível a uma criança, de qualquer idade, passar incólume pelo desmoronar da sua família e grande parte das vezes vir a servir de arma de arremesso entre os progenitores.

Vivemos na época do "usa e deita fora" até nos casamentos...
Pobres crianças!

16 de agosto de 2006

Qual o teu sítio ideal para praticar o amor?

Mais um teste de Verão... óptimo para hoje pois está frio que se farta e lá fora chove torrencialmente!!


(via Rádio Comercial)

Livra!!
Com este tempo??

E agora quero saber os vossos!

15 de agosto de 2006

Baú de memórias

Hoje à tarde andei a remexer na miha velha arca.
(Sim, que eu sou do tempo em que menina que se prezasse tinha de ter uma arca onde colocaria o enxoval...)
E não me desfaço do "mono" porque faz jeito para arrumar aquelas coisas que eu não faço ideia onde hei-de enfiar - como as dezenas de naperons que eu crochetava - e também porque a arca foi comprada com o primeiro ordenado da minha vida, uma vez que eu fui trabalhar dois meses nas férias. Cá por mim tinha esturrado tudo numa máquina fotográfica e em livros, mas o meu pai não deixou...
Tinha de comprar a bendita arca!
Com tanta sorte que ainda sobrou dinheiro para a minha primeira máquina fotográfica e ainda comprei uma meia dúzia de livros que estavam em saldo numa livraria de Aveiro!

Está cheia de tralha, principalmente lençóis antigos que eu já não uso.
Enchi dois sacos enormes com eles e vou dá-los a uns tipos que volta e meia aparecem aqui a pedir coisas.
Vão ser mais úteis do que trancados numa arca!

Roupa há lá pouca: o vestido do baptizado da minha filha, uma camisa do meu filho que eu adorava, os sapatinhos do meu baptizado...
Estão lá também o casaco do camuflado do meu marido e uma saia minha, de ganga.
Vi-a numa montra, apaixonei-me por ela. Então a minha mãe copiou o modelo e mandou fazer uma igualzinha.
Eu tinha 15 anos...

Hoje peguei nela e vesti-a...
Está um bocadinho amarrotada, a cheirar a guardado mas... serve-me na perfeição!!

As minhas dúvidas existenciais (5)

Como é que um gelado pode ter calorias??

13 de agosto de 2006

Fábula domingueira

No meio da selva com um calor terrível, o único bar existente tem uma fila de quilómetros.
Um coelho passa a correr ao lado da fila, mas ao
chegar ao lado do leão, leva uma patada e o leão diz-lhe:
"Vai para o fim da fila!!"
O coelho passa ao lado do leão e continua a correr para a frente da fila.
Passa pelo tigre e este dá-lhe outra patada e manda-o para o fim da fila.
A cena repete-se com o crocodilo.
O coelho, já farto de levar patadas e de ser mandado para o fim da fila, grita então:
"Se continuam com esta merda não abro a porcaria do bar!!!"

12 de agosto de 2006

Se fosses um petisco de praia...

Nem está errado de todo, sou mesmo pela paz e harmonia!!
Mas chamar-me conquilha??
Não sei se gostei!!
(Será por adorar xarém?? Olhão ou Faro me aguardem que estou quase aí!!)



(roubado dos Simples sopros)

E tu, o que és?

11 de agosto de 2006

Recado à Alice Vieira...

... que escreveu no JN de domingo passado o seguinte:
"(...) aqui, neste mar magnífico da Costa Nova e da Barra, com a Ria de Aveiro mesmo ao lado, o verdadeiro e genuíno «som da praia» há muito se perdeu. (...)
logo de manhã apanhamos com a rádio da praia que berra continuamente a publicidade a lojas, restaurantes, discotecas, tudo misturado com óculos, chaves e crianças que se perderam (...)"

Só um esclarecimento à Alice Vieira, de quem sou fã incondicional:
A Costa Nova é uma praia e a Barra é outra, embora haja sempre gente entre uma e outra e para quem é de fora possa ser difícil distingui-las.

Mas, posso garantir-lhe que na praia da Costa Nova não há altifalantes.
Os bares têm música mas só a ouve quem lá está dentro ou muito perto...
Na praia da Costa Nova ouve-se o barulho do mar, entremeado, de vez em quando, com uma birra duma criança ou um chamamento de um pai ou de uma mãe...
Barulhos típicos de praia no Verão.
E só!
A Alice Vieira vai ter de fazer uma visita à Costa Nova (a praia das casinhas às riscas) para tirar a má impressão!

10 de agosto de 2006

A praia de outros tempos

Depois de quinze minutos deitada de barriga para baixo e outros tantos de barriga para cima (mais minuto menos minuto), viro-me para o meu marido e pergunto:
"O que é que estamos aqui a fazer?"
Ele riu-se, mas não me soube responder...
Daí até decidirmos vir embora da praia foram só mais 2 ou 3 minutos...

Enquanto estava deitadinha na toalha, relembrava a minha praia de antigamente.
Começava de manhã bem cedo e só terminava por volta das 11 da noite, hora a que acabava a música na marginal da Costa Nova, e que era o "toque de recolher".
A casa era alugada para todo o mês de Julho e ficava apalavrada de uns anos para os outros.
Normalmente era minúscula e obrigava a que se levasse quase tudo de casa (até o fogão!!), mas essa mini mudança também fazia parte da aventura.

Depois era o grupo de amigos que se encontrava todos os anos.
Havia uma meia dúzia que formavam o "núcleo duro" e os que se iam juntando.
Às vezes chegávamos a ser 20!
Jogávamos à bola, ao mata, às prendinhas, à cabra-cega, ao lencinho, ao gato e ao rato, ao verdade e consequência...
Divertíamo-nos imenso e não chateávamos ninguém a não ser o cabo-do-mar que recebia imensas queixas dos velhos resmungões por causa de alguma bola ou de um ringue com a trajectória mal calculada...
Ou então o dono do café quando lhe enchíamos completamente a esplanada e pediamos 3 ou 4 finos para todos!

Bons velhos tempos!

8 de agosto de 2006

Ainda o turismo...

oleiro.jpg

FARAV, 2005

Comove-me a importância que a Câmara Municipal de Aveiro dá aos turistas...
Primeiro, contra tudo e contra todos (menos os donos dos bares, é claro) foi o alargamento do horário dos bares até às 4 da manhã.

Depois é a piscina fechada: se os bares estão abertos, para que raio serviria a piscina?
Que eu saiba aquilo costuma ser cheio com água e algum cloro, não com "shot's"... portanto, não interessa!

E a cereja em cima do bolo é a Feira de Artesanato, onde os artesãos têm de pagar para estar lá a trabalhar e a mostrar o seu trabalho, atraindo assim centenas de pessoas!!
(Não confundir artesãos com vendedores!)
Estou a referir-me à olaria, uma actividade típica cá da zona, que foi praticamente erradicada desta feira!
Mas isso também não é turistico, pois não?

Já agora, alguém que me explique o que é turistico!!!

7 de agosto de 2006

Turismo rural

E depois da praia... o campo!
Só que este texto não é da minha autoria... recebi por mail, desconheço o autor!

«Trata-se de um desporto nacional que antes se chamava "ir à terra".
A diferença é que se fores à tua terra, vais de borla, e se fizeres turismo rural vais a uma terra que não é a tua e pagas uma pipa de massa.
Para fazer turismo rural não serve qualquer terra.
Tem de ser uma terra "com encanto".

E o que é uma terra "com encanto"?
Obviamente, é uma terra que está num guia de terras "com encanto".
Está-se mesmo a ver. A estas terras chega-se normalmente por uma estrada municipal "com encanto", que é uma estrada com tantos buracos e tantas curvas que quando chegas à terra estás mortinho para sair do carro.

A seguir, ficas instalado numa casa rural ou "casa com encanto", que é uma casa decorada com muitos vasinhos e réstias de alhos penduradas do tecto, que não tem televisão, nem rádio, nem microondas.
Em contrapartida, tem uns cabrões de uns mosquitos que à noite fazem mais barulho que uma Famel Zundapp.

Depois apercebes-te que os da terra vivem numas casas que não têm encanto nenhum, mas têm jacuzzi, parabólica, internet e video-porteiro.
A tua casa não tem video-porteiro, mas tem uma chave que pesa meio quilo.

Outra vantagem de fazer turismo rural é que podes escolher entre uma casa vazia ou ir viver com os donos da casa.
Fantástico!!!
Vais de férias e, além da tua, ainda tens de aguentar uma família postiça.
Onde, à noite, queres ver o filme e eles os documentários, perguntas-te: "Quem é que manda mais? Eu, que paguei 600 euros ou este senhor que vive aqui?"
Ganha ele, que tem um cacete.

Ainda por cima, dizem-te que tens "a possibilidade de te integrares nos trabalhos do campo".
O que quer dizer que te acordam às cinco da manhã para ordenhar uma vaca.
Não te lixa?

É como ires à bomba da gasolina e teres de pôr tu a gasolina, ou como ires ao McDonalds e teres de arrumar o tabuleiro. Ou seja, o normal.

Mas o "encanto" definitivo são "as actividades ao ar livre".
Como quando te põem a fazer caminhada, que é aquilo a que normalmente se chama andar, e consiste, exactamente, em por um pé em frente ao outro até não poderes mais, enquanto os da terra vão num jipe com ar condicionado.
Mas tu feliz da vida, vais pelo campo atordoado.
Tornas-te bucólico e tudo te parece impressionante: vês uma vaca e dizes: "Humm, que cheirinho a campo!"
A campo não, a bosta!!!
E tudo, seja o que for, te sabe maravilhosamente: na mesa pespegam-te dois ovos estrelados com chouriço e tu na cidade não comes estes ovos, nem estes chouriços. E perguntas ao empregado?
- Este chouriço é da matança?
- Quase, porque o gajo do camião da Izidoro ia morrendo ali na curva.

De repente, ouves umas badaladas e dizes:
- Ah! Que paz! Não há nada como o som de um sino!...
E o gajo do café diz-te:
- É gravado. Não vê o altifalante no campanário?

Nesse momento, perguntas-te se os ruídos das galinhas e dos grilos Não estarão num CD: "RuralMix2006" ou
"Os 101 Maiores Êxitos Campestres".
A única coisa de que tens a certeza é que os cabrões dos mosquitos são verdadeiros.

Eu acho que, de segunda a sexta, as pessoas destas terras vivem como toda a gente, mas ao fim-de-semana espalham pela estrada uns tipos mascarados de pastores e quando vêem que se aproxima um carro, avisam os da terra pelo telemóvel:
"Ei, vêm aí os do turismo rural!"
E mudam o cartaz de "Videoclube" pelo de "Tasca", soltam uns cães pelas ruas e sentam à entrada na terra dois avôzinhos a fazer sapatos, que depois tu compras e saem-te mais caros que uns Nike.
Enfim, acho que uma montagem tão grande como esta não pode ser obra de pessoas isoladas.

Tenho a certeza de estão implicadas as autoridades.
Imagino o Presidente da Câmara:
- "Queridos conterrâneos: este Verão, para aumentar o turismo, vamos importar mais mosquitos do Amazonas, que no ano passado tiveram imenso êxito. E quero ver toda a gente com boina, nada de bonés de pala da Marlboro. E façam o favor de pintar o espaço entre as sobrancelhas, que assim não parecem da província! E as avós: nada de topless na ribeira, que espantam os mosquitos! E só mais uma coisa: este ano não é preciso ninguém fazer de maluquinho da terra, que com os que vêm de fora já chega!»

6 de agosto de 2006

Receita para um dia de praia

Ingredientes:

toalhas (1 por utilizador)
pára-vento
guarda-sol
cadeira
saco - de preferência às riscas azuis e brancas - contendo: protector solar, revistas, livros (leves, nos dois sentidos da palavra), bolachas, água, baralho de cartas, bloco de notas, esferográfica (amaior parte desta tralha não vai ser necessária, mas como isto é uma receita devem indicar-se todos os ingredientes)

Mete-se tudo na mala do carro e parte-se para a praia.
Lá chegados procede-se à procura de um buraco para meter o carro (esta operação exige tempo e paciência). Mas a tolerância reina e o carro pode ficar em cima dos passeios, em cima da parte central das rotundas, à volta das rotundas... haja imaginação!

Chegados ao areal procede-se à escolha do lugar para assentar arraial.
Esta parte também é delicada e exige alguns cuidados, a saber:
"Aqui não! Não vês que a maré está a subir?"
"Aqui está muita gente"
"Aqui está muito longe da água"
"Aqui está sujo"
etc...
Finalmente encontra-se o lugar perfeito (perfeito até se instalar mesmo ao lado uma família com garotos barulhentos e uma bola...)

Agora é dispor os ingredientes pela seguinte ordem:
  1. espetar os diversos pauzinhos do pára-vento
  2. espetar o guarda-sol
  3. estender o saco, as roupas e as chanatas ao longo do pára-vento
  4. procurar o lugar ideal para a cadeira (nem ventoso nem demasiado abrigado, nem muito quente nem muito frio, nem muito ao sol, nem muito à sombra...- esta operação requer anos de prática, não desanimem se não sair bem logo à primeira!!
Segue-se a altura de pegar no protector solar e besuntar o corpo a gosto.
Estende-se a toalha, cuidadosamente para não a encher de areia, pois esta tem o péssimo hábito de se colar ao protector solar, transformando as pessoas em rissóis prontos a fritar...
Finalmente faz-se a viagem (curta, de preferência) até ao mar.

Serve-se gelado!
Bom apetite!

NOTA: Nunca usar ao domingo

5 de agosto de 2006

... e 4!

Agora, ao fazer o meu "zapping-de-antes-de-dormir dou de caras com o "programa" «Fiel ou infiel».

Lista das dúvidas:

  • Aquela gente existe mesmo ou são ET?
  • As histórias são reais ou fictícias?
  • Se são reais há outra dúvida: serão pessoas normais as que expõem assim a sua intimidade?
  • Aquele "apresentador" que mal cabe na roupa que veste é mesmo doido ou só finge que é?
  • E aquele público? Foram buscá-los a que planeta?
E entretanto mesmo sem querer, assim como quem olha horrorizada para um acidente, ouço um "homem" insuportavelmente machista a confessar que bate na namorada ou mulher, ou companheira, ou lá o que é...

Se isto se passa com gente a sério e não com actores, aquele tipo devia sair dali direito para a cadeia!!

As minhas dúvidas existenciais (3)

Porque é que as modelos nas passerelles, caminham assim daquela maneira esquisita (nunca vi ninguém na rua a caminhar assim, pondo o pé à frente do outro), parece que se vão desmanchar a qualquer momento?
E será por esse esforço sobre humano que também nunca sorriem??

Cindy Crawford
(aqui não se vêem os pés, mas acho que ninguém se vai incomodar com isso!!)

4 de agosto de 2006

Moto quatro ou água quente?

No sábado passado, na praia da Costa Nova, o marido de uma amiga minha foi picado por um peixe-aranha.
Saiu da água cheio de dores e dirigiu-se ao nadador-salvador para que lhe acudisse...

Volta dali a pouco dizendo que o nadador-salvador não lhe fez nada, apenas o mandou caminhar pela areia quente.
E lá andámos nós com ele a passear pela areia quente!

Hoje vi uma reportagem nas notícias que confirmaram aquilo que eu já tinha ouvido falar: em caso de picada de peixe-aranha uma coisa que alivia bastante é pôr o pé de molho em água bem quente.
Bastava terem um termo com água quente para acudir às pessoas!
Mas não têm!
Entretanto, os nadadores salvadores passeiam-se pela praia de moto quatro!!

3 de agosto de 2006

Xena, a minha princesa guerreira

A minha gata é de uma meiguice extraordinária, ainda para mais levando em conta que nunca na vida deve ter tido um carinho dum ser humano.
Adaptou-se rapidamente às festinhas e até já começou a ronronar.
Também já salta para o meu colo sempre que me vê sentada ali a jeito.
Consegue fazê-lo quase sem eu sentir, tal é a sua delicadeza!
E tem um olhar meigo e doce, como raramente vi num gato!

No entanto é também uma guerreira.
Se assim não fosse não teria sobrevivido sabe-se lá em que condições e, quando já tinha aqueles seres minúsculos à sua responsabilidade, ter procurado um lugar seguro para depositar a sua preciosa ninhada... (aqui é onde o meu marido diz "mas há por aí tantas casas, tinha de escolher logo esta?")

Ontem de manhã dormi até mais tarde e já passava muito das 11 quando fui levar o pequeno almoço ao maralhal (mas à noite tinha-lhes deixado Friskies secos, leitinho e água...)
Quando eu entro no quintal ela não estava mas aparece imediatamente.
Só que não vinha sozinha: trazia na boca um pardal já morto, mas acabadinho de caçar. Não tinha uma gota de sangue...
Olhou para mim como quem diz "não nos trazias sustento, tive de me safar"
Ralhei com ela, expliquei-lhe que agora já não precisa de caçar para comer.
Muito menos passarinhos!

À tarde, ia morrendo enojada quando encontro, também morta, uma ratazana tão grande como eu nunca vi: era maior que os filhotes gatinhos!
Eu, que nem tenho nojo de ratos nem nada dessas mariquices, tive de chamar o meu marido para tirar dali a ratazana. Que noooojo!

E é assim: tenho uma gatinha que é um doce, mas que não pode renegar o lado selvagem que todos os gatos têm, mas que ela deve ter apurado melhor que os gatos que vivem desde bebés nas nossas casas.

2 de agosto de 2006

De onde vêm as bebidas??

Quantos de nós, quando enfiamos a moedinha numa máquina não ficamos a imaginar o que se passará lá dentro?
Eu confesso que fico, principalmente nas máquinas que fazem café ou capuccino (hummm)...

Então divirtam-se a ver este filme de alguém que, tendo as mesmas dúvidas, resolveu explicá-las em filme!
E que imaginação!!



(Era este post que se deveria chamar "Sharon Stone nua", mas fica para a próxima!!)

Adenda (infeliz) ao post de ontem

Quantos mais jovens precisam de morrer em estúpidos acidentes para serem revistos os horários de bares e discotecas?

1 de agosto de 2006

Pelo direito ao sossego!

Está instalada a polémica na pacata Aveiro por causa do alargamento do horário dos bares...
Pelo que percebi, a Câmara Municipal e os senhores donos dos bares resolveram alargar o horário de funcionamento dos ditos cujos até às 4 da manhã.
Isto sem dar cavaco (salvo seja!) nem aos moradores, nem aos bombeiros, nem à Polícia, nem à Junta de Freguesia, que estão todos contra o tal alargamento de horários.

Trata-se da zona mais antiga da cidade e as pessoas que moram naquele zona são principalmente pessoas de idade.
Algumas aparecem nos jornais a queixarem-se que não conseguem dormir e que, ao contrário dos frequentadores e até dos donos dos bares, têm de ir trabalhar durante o dia!!
Os bares fecham às 4 horas, mas depois o pessoal demora ainda a debandar.
Fazem barulho, sujam, estragam carros...
Não é precisa muita imaginação para adivinhar que as pessoas que ali moram perderam o sossego!

A Câmara desculpa-se com os turistas, tadinhos dos turistas que não tinham onde se divertir, mas o que eu sei (não por experiência própria porque não frequento o local, mas por ouvir falar) é que aquele local é frequentado principalmente por malta nova (mesmo muito nova), normalmente estudantes.
Ao contrário do que se pode pensar, parece que são mais os estudantes liceais que os universitários.

Até que ponto tem uma Câmara o direito de sobrepor os interesses de uns poucos ao direito ao sossego das pessoas?
Em nome dum turismo que afinal não existe?
Querem promover o turismo?
Façam pistas para ciclistas pela cidade, até às praias e entre elas...
Iluminem partes da cidade que estão às escuras como a nova zona pedonal...
Façam festas ao ar livre gratuitas (ou será que estão à espera de haver outro campeonato de futebol?)

Os turistas vêem-se de manhã bem cedo a passear por Aveiro, não me parece que tenham estado nos bares até às 4 da manhã...

31 de julho de 2006

O bronco do ano!

"O presidente da República, Cavaco Silva, inaugura hoje uma obra, em Pombal, que não dispõe de rampa de acesso para deficientes motores, porque o bispo de Coimbra, D. Albino Cleto, não autorizou a sua construção."

JN de 29 de Julho
A obra é uma igreja, e a notícia está mais bem explicadinha aqui no Pópulo.

30 de julho de 2006

A minha ida ao psiquiatra

Antes que comecem a pensar que resolvi passar as férias a visitar médicos, tenho de avisar que a história que vou contar se passou há muuuito tempo.

Mais precisamente no dia 4 de Setembro de 1999.

Andava cansada, em baixo de forma e também, como todos os anos por essa altura, apavorada com as colocações, que eram sempre nos primeiros dias de Setembro.
Como o médico de clínica geral não estava, resolvi ir ao psiquiatra... (é tudo a mesma coisa, não é?)
Ao contrário da cardiologista desta semana, a consulta demorou bastante tempo...
A primeira coisa que ele me perguntou foi "idade?" e eu respondi "29, não... 30!"
E ele meio ríspido "não sabe a sua idade?"
"fiz anos ontem, ainda não me habituei à nova idade"

E a consulta continuou com imensas perguntas.
Às tantas pergunta-me quais são os meus hábitos alimentares.
Eu respondi que eram normais, comia de tudo, gostava de quase tudo.
Ele não se deu por satisfeito e pediu-me "diga-me tudo o que comeu ontem, desde que se levantou até que se deitou."
E eu lá disse o que tinha comido ao pequeno almoço, a meio da manhã, ao almoço, ao primeiro lanche, ao segundo lanche, ao jantar...
E rematei "e antes de me deitar, aí por volta da 1 da manhã, comi 2 fatias de melão"
"Melão? Comeu melão à noite?
Olhe que já ouvi muitas coisas, mas nunca tinha ouvido nada assim!"
E disse isto algumas vezes com o ar mais espantado e escandalizado e eu sei lá quê do mundo!
Se eu lhe tivesse dito que comia cobras, lagartos, gafanhotos ou até carne humana ele não teria ficado mais escandalizado!
Eu fiquei ali a olhar para ele, até lhe passar o ataque de fúria...

E pronto, foi assim a minha primeira ( e última) visita ao psiquiatra...
Passou-me uma receita não faço ideia de quê porque a deitei fora em vez de a aviar.
Passados uns dias, quando fui ao meu médico que já me conhecia de outros carnavais perguntei-lhe:
"doutor, é grave comer melão antes de dormir?"
Ele riu-se e disse que não, mas ficou a olhar para mim com ar de quem estava a pensar "não será melhor mandar esta menina a um psiquiatra?"

(este post é dedicado ao cusco do AFlores, ele sabe porquê!!)

E agora está mesmo na horade ir comer uma ou duas fatias de melão fresquinhas!