3 de agosto de 2006

Xena, a minha princesa guerreira

A minha gata é de uma meiguice extraordinária, ainda para mais levando em conta que nunca na vida deve ter tido um carinho dum ser humano.
Adaptou-se rapidamente às festinhas e até já começou a ronronar.
Também já salta para o meu colo sempre que me vê sentada ali a jeito.
Consegue fazê-lo quase sem eu sentir, tal é a sua delicadeza!
E tem um olhar meigo e doce, como raramente vi num gato!

No entanto é também uma guerreira.
Se assim não fosse não teria sobrevivido sabe-se lá em que condições e, quando já tinha aqueles seres minúsculos à sua responsabilidade, ter procurado um lugar seguro para depositar a sua preciosa ninhada... (aqui é onde o meu marido diz "mas há por aí tantas casas, tinha de escolher logo esta?")

Ontem de manhã dormi até mais tarde e já passava muito das 11 quando fui levar o pequeno almoço ao maralhal (mas à noite tinha-lhes deixado Friskies secos, leitinho e água...)
Quando eu entro no quintal ela não estava mas aparece imediatamente.
Só que não vinha sozinha: trazia na boca um pardal já morto, mas acabadinho de caçar. Não tinha uma gota de sangue...
Olhou para mim como quem diz "não nos trazias sustento, tive de me safar"
Ralhei com ela, expliquei-lhe que agora já não precisa de caçar para comer.
Muito menos passarinhos!

À tarde, ia morrendo enojada quando encontro, também morta, uma ratazana tão grande como eu nunca vi: era maior que os filhotes gatinhos!
Eu, que nem tenho nojo de ratos nem nada dessas mariquices, tive de chamar o meu marido para tirar dali a ratazana. Que noooojo!

E é assim: tenho uma gatinha que é um doce, mas que não pode renegar o lado selvagem que todos os gatos têm, mas que ela deve ter apurado melhor que os gatos que vivem desde bebés nas nossas casas.

12 comentários:

Mafaldina disse...

Olha eu tinha um gato que era o terror da vizinhança.
Roubava tudo o que encontrava. Chegou a trazer-nos postas de bacalhau, rolas, pintainhos, ratos, bifes já temperados, etc, etc, etc...
A minha mãe já sabia que quando os vizinhos batiam á porta era para se queixarem que o Nestum (nome do gato) tinha roubado alguma coisa.
Mas o mais estranho era que ele roubava ou caçava mas não comia. Deixava-nos as coisas á porta (ás vezes até deixava dentro dos sapatos). Um dia perguntamos ao veterinário a razão de tão estranho comportamento. Ele explicou-nos que era uma forma do Nestum nos agradecer e mostrar que gostava de nós.
Os gatos são simplesmente fantásticos.

SaltaPocinhas disse...

Mafaldina A minha também não come, agora já não tem essa necessidade. Esta deixa tudo lá no quintl, ainda não tem muita confiança com a casa. Mas já tive um gato que trazia tudo para a porta de entrada!
Mas postas de bacalhau e bifes temperados, nunca! Isso é que era cá uma poupança no supermercado e no talho!!

Eu disse...

a propósito de pardais mortos, ratazanas nojentas e do texto de outro dia: não há por aí um ovo mole? é q está-me mmo a apatecer unzinho (pode ser um buzio q é dos q Eu gosto mais)

PN disse...

A minha gata também costumava fazer isso. E os filhos, quando eram mais pequenos, também nos costumavam presentear com lagartixas, ratitos e caçavam pássaros, mas esses comiam.

josé palmeiro disse...

É só a prova provada, desse lado selvagem dos gatos.
Adoro-os assim, insubmissos, autosuficientes, uma boa lição para muitos humanos.

Adenda: Agora sim, já posso estar no grupo.

anamoris disse...

Ela gosta de caçar, é uma gata a sério.
Beijos

Emiéle disse...

Que excelente post, Saltapocinhas. Tenho mesmo de to vir dizer porque gostei imenso. Está de acordo com o nome do teu blog!!! E imagina-se mesmo, mesmo ao vivo a cena toda!
Realmente um gato que vive na rua, tem mesmo de se desembaraçar para sobreviver. Para além disso eles são felinos, aqui está-lhes no sangue a caça... Mas tal como o José Pombeiro, esse toque um pouco selvagem e insubmisso, agrada-me.

Pekala disse...

Como já disseram noutros comentários essa é uma forma de ela mostrar carinho,de te ofertar:)
A última coisa que deves fazer é ralhar com ela na altura,claro que não tens que desatar aos pulos de alegria mas faz de conta que gostaste e depois,sem ela ver,deita as coisas no lixo.Ralhar não adianta nada porque ela não vai compreender,afinal estas ofertas são uma demonstração de afecto e devias estar agradecida;)

SaltaPocinhas disse...

EU, eu cá por fim prefiro as pipas, são maiores!!

PN nem precisavas de ir ao talho...

José, Anamoris Também adoro a independencia dos gatos, por isso os prefiro aos cães!

Emiéle Obrigada pelo teu comentário... Como já disse adoro os gatos por eles serem assim...
Um dia destes faço um filme com eles para fazer inveja àquele filmezeco que tu publicaste!!

Pekala, eu ralhei pouquinho, só lhe expliquei que passarinhos não, só ratos e ratazanas, (blhaaaac)!!
E fiz-lhe festinhas e ainda deixei as "amostras de gato" cheirarem o pobre do pardalinho e depois pus fora, é claro!!

eco de mim disse...

todos os gatos, mm criados spr em casa, têm esse instinto selvagem. 2º me consta as gatas são mto melhores caçadoras do q os gatos, p isso... ;)

Achadiça disse...
Este comentário foi removido por um gestor do blogue.
Achadiça disse...

ele há gatas e gatas. a minha faz-me a vida num inferno porque teimou que o melhor sítio para dormir é dentro da máquina de lavar roupa. a única coisa que me trouxe em jeito de "agradecimento" foram um sofá semi-destruído, duas jarras partidas, 100 € de despesa no veterinário e uma chinfrineira insuportável aquando do cio (esta parte já resolvi). mesmo assim vale a pena tê-la... pressente o carro a chegar e vai para a janela bambolear-se...fica toda dengosa quando irrompo pela casa dentro, enrodilha-se nos meus pés e naquele entusiasmo já cheguei a tropeçar nela e a estatelar-me no chão. desatei a chamar-lhe de nomes e, claro, foi esconder-se dentro da máquina de lavar. enfim um inferno...amoroso. ah, já me esquecia, não perde o “preço certo”… vá lá saber-se porquê (acho que foi a minha mãe que a viciou)
já agora para quem gosta de gatos e gatas