6 de setembro de 2006

Concurso ou sorteio?

Imaginem um concurso com 100 concorrentes.
Conforme a sua prestação foram ordenados do 1.º ao 100.º lugar.
Neste concurso há prémios para todos: 100 prémios para 100 concorrentes.
Os prémios não são todas iguais, uns são mais valiosos que outros.
O que ficou em primeiro lugar no concurso é o primeiro a escolher o prémio, depois o segundo e assim sucessivamente até ao centésimo.
Tudo bem, não é?

Agora imaginem que, por um atraso na empresa que distribuía os prémios, só chegaram 50, aleatoriamente.
Os organizadores do concurso decidiram então distribuir os 50 prémios pelos primeiros 50 concorrentes.
Assim, por exemplo, quando chegou a vez do 30.º escolher, já tinham acabado as televisões LCD e só havia varinhas mágicas e microondas...

Uma semana depois chegam os outros 50 prémios e chamam os restantes 50 concorrentes.
Desta vez houve televisores para quase todos...
Só mesmo a última meia dúzia é que levou as varinhas mágicas.

Se tivessem participado neste concurso achavam justa esta distribuição de prémios?
Com certeza que não...
Toda a gente reconhecerá neste sistema uma enorme injustiça e que a única maneira de repor a justiça seria chamar novamente todos os concorrentes e só então, com todos os prémios disponíveis, fazer novamente a distribuição.

Mas nem toda a gente consegue perceber esta simples regra: a Ministra da Educação, por exemplo, fez isto tal e qual, com a distribuição das vagas pelos professores: em vez de esperar por todas as vagas para depois fazer as colocações, fê-lo por duas vezes: a primeira em meados de Agosto e a segunda no dia 30.

Se a preocupação maior dela for realmente aproximar os professores das suas áreas de residência e fazer um concurso justo (ainda mais porque é válido para 3 anos) só tem um caminho: repeti-lo!

9 comentários:

AnaCristina disse...

Sem comentários mas com muita tristeza por ver a situação de alguns amigos e colegas.

Carla Silva disse...

Realmente é triste o que se passa em relação à educação no nosso país. Não se compreendem muito bem os critérios seguidos.
Beijinhos.

vinte e dois disse...

A comparação com o concurso está excelente! São as injustiças do nosso sistema que infelizmente ninguém resolve!

PN disse...

Estou solidária com os professores do 1.º ciclo. Quem é contratado já está habituado a estas coisas. Por exemplo, quando terminei o meu curso estava à frente de outras colegas nas listas. Eu fui colocada primeiro num horário de 14 horas, elas foram colocadas depois com horário completo. E todos os anos isto se repete. O que é chocante é descobrir que nem quem está já no quadro escapa a este sistema imbecil. Para mim isto é um jogo de azar ou de sorte, conforme a perspectiva.

Hindy disse...

Todos os anos é esta trapalhada nos nossos concursos... a comparação do texto à nossa realidade está muito bem feita.
Um beijinho :o)

Paula disse...

Foi mesmo assim, várias colegas minhas ficaram com varinhas mágicas, que têm mesmo que ser mágicas para conseguirem sobreviver a tanta injustiça.
Gostava de saber onde foram buscar tantas vagas entre o dia 18 e o dia 30!
Um abraço

miguel disse...

Só com algum humor se chega lá!
Beijos,
Miguel

Emiéle disse...

É o que diz o Miguel: isto só com humor...
A tua imagem é brilhante, dá bem a noção do raciocínio complicado destes senhores. e ainda se deve ficar bem contente por ter trabalho, não é? Calados e agradecidos é que convém, ou vai-se para o desemprego.

baunilha disse...

Boa!! Assim já percebi!! Tens toda a razão!!