2 de março de 2012

D. Maria Adelaide de Bragança

morreu na semana passada, com 100 anos de idade.
Vi a notícia a passar discretamente em rodapé no noticiário. Nem uma palavra sobre esta senhora.
Também não a conheceria se não tivesse acabado de ler, há uns dias, o livro "A infanta rebelde" - a sua biografia - da autoria de Raquel Ochoa.

D.  Maria Adelaide de Bragança, neta do rei D. Miguel I, nasceu na Áustria, onde os pais viviam exilados.
Teve uma vida aventurosa que atravessou duas guerras mundiais.
Na segunda guerra mundial escapou, por um triz, a ser fuzilada pela Gestapo...


A vida desta senhora dava um excelente filme. Pena que não seja aproveitada.

3 comentários:

mfc disse...

Também a vida do nosso Cônsul em Bordéus valia 20 Schindlers...
É a pequenez de se ser português.

Angel disse...

Realmente, é pena ñ se dar o devido protagonismo a pessoas marcantes, e pela positiva! Parece q só os maus exemplos são notícia, irra! Por isso, praticamente deixei de ver noticiários :(

Saltapocinhas disse...

@ mfc e angel: infelizmente não é dado o devido protagonismo a quem o merece.
em vez disso, endeusa-se uma catrefada de cromos...