4 de setembro de 2015

Prometo falhar


Prometo falhar
Pedro Chagas Freitas
Editora: Marcador



Chamem-me básica ou algo parecido, mas quando pego num livro é para ler uma história.
A maneira como é contada e o tema podem variar muito, mas tem de haver uma história.
Gosto de mergulhar lá, de me enternecer, de rir ou chorar, de "viver" com aquelas personagens por uns dias.
Este livro não tem nada disso: nem tema, nem personagens, nem história...
Tem uma amálgama de frases feitas, mais ou menos originais (?) e muito, muito, muito repetitivas.

(E muitos palavrões, porque os palavrões estão na moda, nem que venham a propósito de nada!)

E é chato, chato, chato! 
Tão chato que não o consegui acabar.
Na minha provecta idade, tenho de gerir o tempo e, por isso, não posso desperdiçá-lo a ler o que não gosto.


A única nota positiva sobre este autor é que prometeu e cumpriu!
Prometeu falhar e, na minha opinião, falhou redondamente.


3 comentários:

cereja disse...

Demolidora, Saltapocinhas!
Também embirro quando começo um livro dos que é suposto contarem uma história, e não há história! E essa dos palavrões, ou é da minha idade, ou perdeu-se mesmo o controlo! Não fazm falta, não adiantam nada, e é desagradável...

P disse...

Também concordo. Fui à apresentação do livro já depois de o ter comprado. A ideia com que fiquei é que ele aproveitou textos saídos dos cursos de escrita que ele dá e compilou tudo. Mas também disse que não era um livro para se ler do princípio ao fim e que tinha outros a ver dele melhores só que este teve uma grande campanha de marketing...

inconfessável disse...

Com esta crítica é capaz de ser para comprar