1 de junho de 2009

A avaliação dos professores (ainda!)

Disse aqui, algumas vezes, que este sistema de avaliação de professores não foi bem aceite (nem mal, já que está parado), principalmente porque os professores não reconhecem, de um dia para o outro, autoridade num colega que toda a vida foi "colega" e de repente passa a "superior hierárquico".
Isto para não falar na sobrecarga de trabalho de professores que passariam a acumular o trabalho normal com o de avaliador (e, disparate dos disparates, enquanto assistiam às aulas dos colegas teriam de deixar a sua turma entregue a um colega de mais "fraca qualidade" - já que os titulares, segundo a ministra, são "os melhores e mais bem preparados").

Agora, ao fim deste tempo todo, vem a CCAP*, dizer que, afinal,

"actualmente, muitos [professores] não possuem experiência, competência nem perfil para avaliar os colegas, como prevê o modelo de avaliação."

"Outros problemas e "tensões", acrescenta, [Alexandre Ventura, presidente da CCAP)] advêm ainda de alguns avaliados não reconhecerem competências pedagógicas aos avaliadores.

"Os professores avaliadores devem fazer uma nova formação de médio ou longo prazo ao nível do ensino superior."

E só agora repararam??

* Conselho Científico para a Avaliação dos Professores.

4 comentários:

José António disse...

O problema não é só terem reparado agora. O problema é que já há propostas para que sejam bem preparados. E eu, a esse propósito, digo o seguinte: pior a emenda que o soneto.

anna disse...

Será que este pesadelo não vai acabar?!

Bea disse...

Parece-me a mim q poderá ser um sinal de que como já não sabem o que fazer com esta avaliação, vão arranjar maneira de recuar...

Mafalda disse...

Bem. Com vocês não sei, mas onde estou a avaliação não parou. Andou e cumpre-se. Um dia faz-se assim, no outro já de outra maneira, mas foi até ao fim, para indignação de muitos (todos).
Quanto a essas formações, será que depois de feitas iremos reconhecer maior competência aos colegas que poucos anos têm a mais que nós? (para outros... quando têm mais).
Será que essas formações ensinam aos colegas a reconhecer em outros qualidades que por vezes eles não têm?
Será.... será?...