9 de março de 2010

E se mudassem de alvo?

É que sermos sempre nós já chateia!


E, ao contrário do que muitos pensam, os funcionários públicos não ganham assim tãããão bem, atendendo a que na sua maioria são pessoas bem qualificadas.
Como se não bastasse o congelamento de salários, continuam a empregar apenas 1 pessoa para cada 2 pessoas que saem. O que quer dizer que o trabalho duplicará para quem fica!
(depois admiram-se da violência nos recreios das escolas, quando não há ninguém para vigiar os alunos)

Querem poupar dinheiro?
Que tal irem verificar, caso a caso, os beneficiários do rendimento de inserção?
Que tal irem verificar as pessoas que recebem subsídio de desemprego e só não novo têm emprego porque não aceitaram o que lhe ofereceram?
Que tal baixarem para níveis normais os salários de administradores e afins, de empresas públicas e semi-públicas?

Como podem ter a lata de pedir sacrifícios a uns (sempre aos mesmos, são os que estão mais à mão), enquanto outros ganham despudoradamente?

Todos imaginávamos que, à medida que vamos evoluindo como seres humanos e que vão evoluindo as técnicas de que dispomos, o tempo que dedicamos ao trabalho seria cada vez menor.

Mas não! Cada vez se trabalham mais horas e mais anos.

Que raio de evolução é esta?