14 de dezembro de 2010

Cusco-mor

Se os outros pudessem cuscar o que se diz dentro de cada casa, ia haver gente que não gostava do que ouvia...
Por mais que nós digamos que somos frontais, que dizemos aos outros tudo "na cara", a verdade é que não o fazemos.
As nossas conversas caseiras de "má língua" são abrangentes: vão desde os políticos que nos governam (mal) até ao merceeiro, àquela mulher/homem com quem nos cruzámos, aos vizinhos e até aos familiares mais ou menos próximos.
Eu sou assim, e creio que a maioria das pessoas também assim é.

Se essas conversas banais que temos todos os dias fossem ouvidas pelos visados, era um nunca mais acabar de "incidentes diplomáticos" e era difícil manter amigos. O mesmo sucederia se conseguíssemos ler os pensamentos uns dos outros: era um deus-nos-acuda.

Posto isso, não consigo entender os defensores daquele senhor "cusco-mor" que anda a "ouvir" às escondidas o que as pessoas pensam e dizem umas das outras - em privado -, e depois espalha as novas pelo mundo.

E faz pior: ao divulgar o conteúdo de mensagens está também a violar correspondência, o que é um crime.

5 comentários:

Janaina Cruz disse...

Ah, a nossa língua ferina que "tudo sabe", mas desconhece fatos fundamentais...rs
Amei teu blog!

José António disse...

Tens razão, mas essa gente que em privado se porta como incivilizada e em público parece merecer a santificação, assenta-lhe bem a cusquice. Eu não resisti e aproveitei a cusquice para postar.

aflores disse...

Olha...eu cusquei e cheguei à conclusão que é um "pau de dois bicos"... a cusquice do "cusco-mor".


Tudo de bom.

mlu disse...

Confesso que não perdi mais de 2 ou 3 minutos com esta cusquice, por isso a minha opinião estará mal fundamentada, mas acho que se divulga segredos de Estado(s)é má. Se põe a claro coisas (ou personalidades) escuras, é boa!

Abraço.

Tina disse...

Olá, Margarida!
Venho desejar-te um Santo Natal e um Ano Novo cheio de muito Amor de muita Paz!
Beijinhos!