10 de março de 2011

Ainda o Festival da canção

Já há muitos anos não se falava tanto do festival da canção como este ano: não há dúvida que neste ponto os Homens da Luta estão cheios de razão.
(Neste momento está a dar um debate (?) sobre o assunto na RTP, mas a tv do sítio onde estou instalada está no futebol, e eu estou com preguiça de me mudar para outro lado...)

Sobre quem merecia ganhar não faço a mínima ideia, pois não vi o festival (vi apenas 1 ou 2 minutos em que uma rapariga que eu nunca tinha visto parecia estar a gemer).

O que eu acho é que nunca se deviam misturar os tipos de votação (do povo pagante votante em geral e dos especialistas.
Se eu fosse músico e tivesse gasto umas horas da minha vida a ouvir aquelas músicas todas para escolher a melhor, e depois a minha escolha fosse abafada pela da maioria, que nem percebe de música, ficava fula da vida!

4 comentários:

Angel disse...

Acho q o facto de eles terem ganho pela 'mão' do povo diz muito sobre o q se sente neste país! Já ñ via o Festival há anos, mas vi este, do início ao fim, e realmente havia pouca qualidade... Entre ficar mal classificado lá fora com uma música muito bonita e uma q apele à luta, prefiro a última! A Luta é Alegria! Força Portugal!!!

aflores disse...

Não gosto da música, não gosto da interpretação. É um direito que me assiste, gostos não se discutem e...VIVA a Democracia e o direito de gostar ou não gostar.

:)

Relativamente ao referido Festival e ao resultado, ele é o espelho do nosso País neste momento.

mfc disse...

Até parecem as eleições nacionais... em que dão o voto a quem não percebe nada de política!!!!

Graça disse...

É pena que não tenhas visto e ouvido o tal programa de debate sobre o festival e sobre o papel da música de intervenção na nossa sociedade. Acho que terias gostado!
Quer queiramos quer não, vivemos um momento histórico. Há muitas semelhanças com um outro momento em que ouvíamos e trauteávamos as canções "comprometidas", através das quais se passavam mensagens urgentes!
Agora, de novo, sentimos que "a cantiga é uma arma"! E não vale a pena fingir que nada se passa...
Quanto ao festival, o regulamento foi cumprido. Os especialistas que votaram sabiam (acho eu!) quais eram as regras... E o facto de as pessoas terem sentido que o militar, a ceifeira, o operário, etc, cantando que a "luta é alegria" tinham uma representatividade e mereciam destaque significa que a sociedade está a acordar... E isso é muito importante.
Acho que terias compreendido se tivesses acompanhado o modo como as coisas se processaram.
De resto, para citar o musicólogo Rui Nery, "temos mandado tantas bodegas à Eurovisão que não se compreende por que razão há tanta contestação neste caso"!
Além da mensagem que encerra, é uma canção alegre. De certeza que não vai ficar em lugar tão miserável como algumas das que nos têm representado ao longo dos últimos anos...
Beijinhos