7 de março de 2011

Rapidinha de segunda (vii)

O céu estava a ficar a abarrotar, então São Pedro resolveu fazer um decreto:
Para entrar no céu a pessoa deveria ter passado por um dia terrível no dia da sua morte.

O decreto entrou em vigor imediatamente.
Então, quando a primeira pessoa chegou, São Pedro perguntou:

- Como foi o seu dia, como é que você morreu?
- Já há muito tempo que eu andava desconfiado que a minha mulher me punha os cornos...
Então, resolvi voltar para casa mais cedo e apanhá-la em flagrante.
Quando cheguei ao meu apartamento, que fica no 25.º andar, minha mulher estava enrolada numa toalha, muito nervosa, e agindo de uma forma suspeita...
Comecei a procurar em todos os cantos da casa debaixo da cama, dentro do guarda-roupa... mas não encontrei ninguém. Eu já estava para desistir de procurar, quando olhei para a varanda e vi um artista pendurado no corrimão.
Transtornado, peguei na vassoura e comecei a bater nas mão dele, até que ele se soltou e caiu do 25.º andar.
Mas por infelicidade minha, ele caiu sobre um toldo que amorteceu a queda e não morreu.
Fiquei com tanta raiva que peguei no que tinha de mais pesado dentro de casa, que era o frigorífrico, e atirei-o em cima dele.
Só que eu emocionei-me tanto que tive um ataque do coração e morri.
- Realmente o seu dia foi terrível! - disse São Pedro - pode entrar

Cinco minutos depois chegou o segundo candidato à entrada ao céu.
E São Pedro perguntou:
- Como foi o seu dia, como é que você morreu?
- Bem, eu estava a fazer os meus exercícios diários na varanda do meu apartamento, no 26.º andar, quando escorreguei e caí.
Por sorte, consegui segurar-me ao corrimão do apartamento abaixo do meu...
Já estava quase a conseguir levantar-me, quando apareceu uma
mulher enrolada numa toalha e um maluco começou a bater nas minhas mãos com um cabo de vassoura, então caí.
Mas como um toldo amorteceu a minha queda, não morri.
E lá estava eu todo dorido tentando levantar-me, quando o mesmo maluco atirou um frigorífrico em cima de mim.

São Pedro começou a rir e disse:
- Já entendi tudo. Pode entrar!

Depois de mais cinco minutos, chegou o terceiro candidato. E como de costume, São Pedro perguntou-lhe:
- Como foi o seu dia, como é que você morreu?

E o rapaz, meio tonto, respondeu:
- Olhe, o senhor nem vai acreditar... eu estava escondido dentro de um frigorífico, e até agora não percebi o que me aconteceu.

7 comentários:

Há.dias.assim disse...

é assim que que se geram as confusões...

mlu disse...

Ah! Ah! Ah! Tantos azares juntos!


Bom Carnaval!

José António disse...

Ah! Esta vou roubar-te para comemorar o dia da mulher no Facebook.

mfc disse...

O máximo...!
Ehehehehehe.

arte por um canudo 2 disse...

Boa...Feliz Dia da Mulher. Gr. abraço

maria mar disse...

AhAhAh! Um azar nunca vem só!....
Beijinho

Anónimo disse...

eu sou jovem!
sou professora!
mas já fui muitas outras coisas... entretanto, devido ao comodismo de muita gente... vou deixar de ter trabalho como professora!
os comodistas dos jovens querem ter trabalho...
os comodistas dos senhores políticos não olham a meios para cortar na despesa... e os jovens que se lixem!

quando será que os jovens terão direito ao trabalho???
quando forem velhos??!!!
e até lá adia-se a Vida em todos os seus sentidos??
neste momento nem sei se no proximo ano terei direito a 300 e poucos euros de subsidio social de desemprego! será que também dará para comer??
já agora fechem o país! porque não?

f.v.