9 de agosto de 2012

Ontem fui

para a cama à uma e meia da manhã e o "5 para a meia-noite" ainda não tinha começado!
Uma enorme falta de respeito para com todas as pessoas que gostam do programa, mas principalmente para quem o apresenta, para os seus convidados e para o público no estúdio.

Mas, para mim, o pior mesmo foi o motivo do atraso do programa: uma tourada!
Sim, a tourada passa na RTP1, e é considerada "serviço público".

Um "espetáculo" onde animais torturam touros e às vezes até cavalos, é considerado uma arte e tem honras de transmissão em direto na televisão que é paga por todos nós!
Triste!

4 comentários:

Angel disse...

Olha, estou ctg a 100%!!! Não sei cm aquelas pessoas conseguem estar ali horas a assistir àquilo!!! O touro esteve na arena cerca de 3 horas!!! Ainda chamam aquilo de espectáculo!!! Nem é espectáculo e mt menos justo: o q fazem ao touro antes de entrar p a arena e dps ele andar ali a sofrer, a sangrar, a ser provocado... Ning quer saber do sofrimento dos touros, e infelizmente, só qd alguém morrer durante uma pega ou algo assim é q pensam em acabar c as touradas... Sinto-me profundamente triste e desiludida por viver num país q ñ glorifica nem defende os seus animais, sejam eles quais forem! O '5' começou já passava da 1h30, ainda consegui ver a introdução, mas adormeci pc dps, nem consegui ver nenhum dos convidados e acordei durante o genérico final :( Já fui ao site da rtp p buscar o video do programa e ver mais tarde... Até qd estes 'shows' deprimentes q apelidam de tradição?... Ñ se aprende nada com o passado?... Acham mesmo q os touros ñ sofrem?... Gente ignorante!

Jorge disse...

Pois é. Que dizer de pessoas para quem tortura é cultura!!!

aflores disse...

Eu não gosto de touradas... das que entram touros e das outras.

;)


Tudo de bom.

mlu disse...

Quando começou a tourada, desliguei a TV e até me esqueci do "5"! Fico furiosa com aquilo, em que todos são voluntários menos os touros e os cavalos! Sepultar gente nas igrejas e a escravatura, por exemplo, também foram tradições mas acabaram, felizmente.
Por que razão não há-de acabar esta? Triste civilização!