4 de janeiro de 2005

Vidas diferentes

A Francelina foi minha aluna há cerca de 5 anos, teria uns 11 ou 12 anos. Depois de aprender a ler "desapareceu" da escola.
Hoje, quando eu ia a sair, estava ela ao portão toda sorridente. Tinha vindo à loja e resolveu visitar-me.
Perguntei-lhe como lhe corria a vida. "Bem" , disse ela.
"E então, já casaste?"
Respondeu que sim, já casou há dois anos e até já tem um bebé com mais de um ano...
"E sempre te casaste com aquele namorado de quem não gostavas?"
(No tempo em que ela foi minha aluna estava "prometida" a um rapaz de quem ela dizia não gostar. Eu dizia-lhe "se não gostas dele não cases, faz uma birra!" Uma vez até falei com a mãe acerca da tristeza dela, mas a mãe disse nada poder fazer uma vez que ela já lhe estava prometida e, pelas leis dos ciganos, não podiam quebrar esses acordos).
"Não! Casei com outro!"
"Então como fizeste isso?"
"Ora, fugi com ele e depois obrigaram-nos a casar"

"E que faz ele?"
E ela, muito naturalmente: "está preso por causa da droga"
"E então mulher, como se sustentam tu e o teu filho?"
"A minha mãe e a minha tia ajudam."

Assim, tudo simples, sem dramas e sem perder aquele sorriso lindíssimo que ainda mantém.

Estava um frio de rachar e eu despedi-me pedindo-lhe para voltar outro dia com o bebé e dizendo "Vou andando, ainda tenho de ir fazer o jantar"
"Fazer o jantar? Estiveste uma tarde inteira a trabalhar, não estás cansada?"
"Lá isso estou, mas tenho de jantar na mesma!"

"E o teu marido onde está?", indaga ela.
E eu "também está a trabalhar..."
"Ahh!"
....
E não é que a Francelina fica a olhar para mim com ar de pena????

21 comentários:

Maria Papoila disse...

Outros hábitos. bjs e Feliz 2005

Anónimo disse...

É a capacidade do ser humano de se ausentar da sua própria tristeza. O optimismo ajuda a melhorar a perspectiva das coisas e é imprescindível quando não correm tão bem como deviam. Mas é engraçado a Francelina ter ficado com esse olhar. Beijos :) Carla.

MRF disse...

A Francelinha tem razão. É uma chatice trabalhar! (comovente e divertido!)

Didas disse...

Adorei este post!
:-)

Anónimo disse...

Maneiras diferentes de encarar a vida... pior? melhor?

Bjinhos, Formiguinha****

Anónimo disse...

A Francelina até tem razão; Então tu depois de um dia de trabalho, ainda vais trabalhar mais? E como diz a minha mulher, um trabalho não remunerado. aflores/ailaife blog

lique disse...

Ora é evidente que a Francelina é que está coberta de razão! Vê lá como ela leva a vida numa boa, sem se perturbar com coisa alguma... Tu trabalhas demais, mulher! :)) beijinhos

Yardbird disse...

Admiro a tua ingenuidade, que ainda te deixa espantar com estas pequenas coisas :-) Gostei da Francelina. Ela é que a leva bem vivida

M.C. disse...

Como somos aquilo que nos fazem ser! Gostei da menina -mulher cigana.

fernanda dias disse...

E quem me dera ter uma costela de Francelina! Beijo

pipetobacco disse...

{ ... naufrago em ilhas nunca antes visitadas ... deixando vestígios [tb] ::: prazer ::: [eu sou o © de[mente]] ... }

Guilherme disse...

Ahhhhh.......
Dúvida cruel.
Gostaria eu de ser parecido com nossa amiga Francelina?
Talvez no passado pudesse pensar assim.
Hoje não.
Droga? Tia? Mãe? Filho? E ter pena de quem trabalha?
Nada de droga.
Adoro família. Ela lá e eu cá.
E adoro trabalhar.
Hoje tenho a sorte de fazer o que gosto.
Mas nem sempre foi assim.
Enfim, a vida dos outros é a vida dos outros e eu estou a viajar e aqui só estou falando bobagem.
um abração,

PARTILHAS disse...

Deixaste-me um sorriso no rosto ao ler-te. Aliás como de costume, mas hoje particularmente.
É fantástica a capacidade que nós os seres humanos temos de moldar o que sentimos ou pensamos... E, quanto menos pensamos, mais sentimos... e afinal... ser Feliz não é nada complicado... Mas, de um modo ou de outro, acaba sempre por ser cultural... Beijos :-)

sefaxavor disse...

E não é que a Francelina tinha razão? Faz-nos pensar, não faz? Beijinhos

Alma de Poeta disse...

Bonita maneira de viver a vida.
Nem todos somos capazes de seguir o nossos sonhos e vincar os nossos desejos mais intimos.
Outra cultura sem duvida, há que respeitar, e quem sabe até é feliz.
Gostei, até porque o nome de Francelina me é familiar, só que essa minha Francelina, não teve essa coragem de enfrentar a vida, e morreu infeliz.
Ser feliz é importante.
Beijo, obrigada por este momento de reflexão e lembranças

a disse...

talvez levemos uma vida mais triste do que o que a rotina nos deixa perceber, não é?

M.P. disse...

Pois... È assim... Um óptimo fim de semana! :)**

Miguel Sousa disse...

as prisões ^têm várias caras (não estou querendo dizer que o seu marido esta numa prisão quando trabalha). Muitas vezes sinto-me preso aos meus gostos profissionais que roubam tempo à família. Excelente blog ...parabésn

Estrela do mar disse...

...e há tantas "Francelinas" por aí...

Gostei da abordagem do tema...que além de ter o seu lado triste...até me fez rir...

Tem uma boa semana amiguinha.
Um beijinho* grande.

Anónimo disse...

És um bom exemplo Salta Pocinhas!São formas de estar na vida e também culturas diferentes.Parabéns.Arte por um Canudo.

Luis disse...

Como a vida e a moral mudam consoante os olhos e a educação... Devíamos sempre tentar aprender com as posturas diferentes, em vez de as negarmos à partida.
Gostei do post.