16 de agosto de 2009

Uma fotografia por domingo (104)

Achado hoje, na montra de um restaurante, na praia da Vagueira.
Vi o letreiro escrito à mão ao longe, só quando me aproximei para fotografar é que vi também o recorte do jornal.

Incrível, não é?

11 comentários:

aflores disse...

Depende...se o dono do Restaurante pagar a um euro à hora e o trabalhador trabalhar 8 a 12 horas. NÃO, não é incrível.

bell disse...

eheh Parece haver aqui uma relação causa/efeito. O patrão despediu o pessoal contribuindo para o aumento do desemprego ou não consegue arranjar empregados apesar do aumento do desemprego?? Depende de quem colocou os cartazes, eheh

Formiguinha disse...

Fogo ao que este país chegou!!!

O drama que estas pessoas estão a viver...

Bêjos

A Senhora disse...

Numa empresa que meu marido trabalhou a administração era inglesa. Simplesmente "varreu do mapa" todo um departamento. Depois, quis montá-lo novamente, pela metade do salário pago anteriormente. Demorou muuuuuuuuuuuuito para isso e a qualidade caiu junto.

entremares disse...

Este país está a ficar cada vez mais... estranho, nem sei se será este o termo.
Eu sei que existe a crise.
Até acredito nisso.

Mas custa-me perceber o resto. É como se existissem dois Portugal, um a viver a crise, outro a gozar que existe uma crise...

Já nem sei se há desemprego ou falta de vontade de trabalhar.

Já nem sei se há salários ou subsídios...

Muito a sério, como diria alguém... TIREM-ME DESTE FIIILLME...

mfc disse...

Pergunta-lhe quanto paga a quem quer que o sirva!!

Shakti disse...

lol

Sem comentários...

Hindy disse...

Curioso...

Um beijinho hindyado

MilleMonte disse...

Paradoxal .

Geoca disse...

É isso mesmo Aflores. Conheço pessoas que trabalham 12 horas por dia e ganham 420 euros no fim do mês. E não é em restaurantes!Assim, quem gosta de trabalhar, ninguém evidentemente! Mas também há quem não gosta de trabalhar!

Didas disse...

Isso cheira-me a esturro e não é pouco. Esse gajo deve ser dos que se aproveitam das estatísticas do desemprego para contratar de qualquer maneira e miseravelmente. Depois não arranja quem o ature e reaje assim. Se ele oferecesse um emprego decente, de certeza que teria candidatos. Cheiro esses parvos à distância!