11 de fevereiro de 2010

Iliteracia à séria

Notas prévias:

Hesitei bastante antes de escrever este post, mas decidi fazê-lo.
A pessoa a quem me refiro, além de não ler blogs, mantém-se no anonimato.
Mas escrevo principalmente para que, quem me lê, entenda do que falo quando digo que no meio em que trabalho, os pais e mães dos nossos alunos são pessoas com baixa formação académica, alguns são mesmo analfabetos. E são todos ou quase todos, pessoas ainda bastante novas, na casa dos 30 ou ainda menos. Quer dizer, nasceram na altura do 25 de Abril.
Há muito ainda a fazer pela educação neste país, acho que devia ser altura de a levar a sério.
A prioridade não devia ser acrescentar anos à escolaridade, mas antes acrescentar qualidade à escolaridade que existe actualmente.

A história:

Uma mãe dirigiu-se esbaforida à escola pedindo que lhe dispensassem o filho das aulas porque tinha de ir com ele à vacina ainda hoje.
A auxiliar que a atendeu estranhou a pressa (normalmente avisam de véspera se as crianças têm de ir a algum lado), mas a senhora disse que tinha mesmo de ir porque tinha acabado de receber uma carta.
E mostrou a carta.
Tratava-se afinal de um folheto que lhe tinham metido na caixa do correio e que dizia mais ou menos "Hoje em dia as vacinas evitam muitas doenças. Vacine o seu filho."

9 comentários:

polittikus disse...

Infelizmente apanho disso todos os dias...
E aqueles, que apenas lêem jornais desportivos, porque os "outros jornais" não trazem nada de novo!

Anónimo disse...

Ás vezes tenho um sonho...TU e a minha mulher, daqui por uns anitos, já na reforma, a escreverem um livro de memórias com estas pequenas histórias que retratam bem a (outra) realidade da nossa terrinha à beira-mar plantada.
Acredito mesmo que se o sonho fosse uma realidade, o livro era, sem dúvida alguma, um best-seller.

;)

[eu posso tratar de toda a logística do evento]

entremares disse...

Imagino que gostasses que tudo isto não passassem de anedotas, e bem criativas. Sei bem como é.

Mas é a realidade que temos.

E tens muitíssima razão quando dizes que na verdade, só é preciso acrescentar "qualidade" à escolaridade que temos.

Enfim, desabafos meus.

Tudo de bom para ti,
Rolando

Leci Irene disse...

De nada serve dizer que não é só aí que isto acontece. Pq não é por aí que a gente tem que aceitar esta situação - aceitando a coisa como está. Por isso gosto do teu cantinho - ele denuncia, e, provoca a necessidade de mudança em quem o lê.
Beijos

ameixa seca disse...

Apesar de tudo, dá vontade de rir ou de chorar... ainda não me decidi :)

Anónimo disse...

Por que o rei foi expulsar o Bom Senso? (Veja o post no meu blog). Taí o resultado! Essa é, infelizmente, uma realidade que enfrentamos, e muito, aqui no Brasil. Que fazer, denunciar é um bom começo. Beijo grande.

Shakti disse...

Sei bem aquilo que falas...apanho pior...e estão no privado com a mania que sabem tudo...

bj

Há.dias.assim disse...

E quantas mais não andarão por aí?
há tempo fui Às finanças e estava uma senhora à minha frente, na casa dos 30 anos. Queria mudar a morada fiscal. Entregaram-lhe um papel onde deveria escrever a actual morada, para além dos outros dados. A funcionária perguntou-lhe, sabe ler? tenho o 9º ano respondeu como que ofendida, mas não foi capaz de escrever a morada correcta no espaço que dizia morada actual.

Bombom disse...

Estou 100% contigo.O que precisamos não é de mais Ensino mas sim de Melhor Ensino! Enquanto tivermos Português A e Português B, não vamos longe. Enquanto não abolirmos o Ensino que só dá direito a um certificado no 9° ano a dizer que "frequentou" em vez de TEVE APROVEITAMENTO. Enquanto não repusermos o ensino da Gramática sem doideiras pseudo-modernistas...não há Ensino que nos valha. E o pior para mim é que ainda culpam os Professores! Será que não sabem que quem mexe nos Programas são os Iluminados avalizados pelo Ministério da Educação? Bjs. Bombom

Uma fotografia por domingo (385)

Oceanário de Lisboa