15 de junho de 2011

Profissão: professora

Os alunos tinham de escrever um texto sobre uma profissão que conhecessem bem.

A Rita escreveu assim:

«Anda de bata aos quadrados e às cores, e trabalha junto a uma mesa. Usa lápis, caneta e borracha.
As fichas são a sua especialidade. Também faz textos e fichas, ensina os meninos e ajuda a aprender.
Tira fotocópias para os alunos e ensina matemática, estudo do meio e língua portuguesa.
Escreve no quadro e ensina o a, e, i, o, u e o alfabeto todo.

Ajuda as crianças que têm dificuldades e ajuda os meninos e as meninas a ler.
Corrige testes, fichas, textos, contas, perguntas, lê histórias, livros e textos.
Manda trabalhos para casa, mostra coisas no computador e às vezes deixa-nos fazer outras actividades e deixa-nos dançar de vez em quando.
Todos gostam dela e do que ela faz.
É a minha professora e chama-se Margarida!»


Estou a pensar em apresentar este texto como a minha auto-avaliação.
Que acham?

9 comentários:

Mirian Martin disse...

Adorei! coloca! :)

Beijos

Anónimo disse...

Essa é a verdadeira avaliação!!

Angel disse...

Excelente! Que ano estás a leccionar? Escreve melhor q mts no secundário :)

mfc disse...

E põe-no no mais que perfeito!

mlu disse...

Esta é a avaliação sem truques, de quem sabe do assunto porque está por dentro. Não ficavas nada mal servida com ela, em termos curriculares!

Um abraço.

pé-de-cereja disse...

Parabéns, parabéns, parabéns, parabéns,parabéns!
Sobretudo a frase: «ensina os meninos e ajuda a aprender» é excelente por falar em ajuda a perceber o que no meu entender é a exacta missão de um professor.
Gostei imenso, e dou-te estes parabéns todos porque sem esta professora ela não escrevia assim, de certeza!

aflores disse...

São estes momentos que te levam a continuar!
São estes momentos que jamais esqueceremos!
Professores há muitos. Mas Margarida só há uma! ;):)
Bravo aos alunos, Bravíssimo à Professora (e todas as Professoras)!

Tudo de bom.

Santos Passos disse...

Só posso endossar todos os comentários anteriores. Parabéns!

R. disse...

Duvido.
Será que o Ministério vai perceber um texto que não está escrito em eduquês...?
Hummm...
É arriscado...

R.