29 de novembro de 2011

Devo ser muito burra,

mas não sei onde raio está a justiça de, por ganhar mais de 1100 €* por mês, deixar de ter direito ao subsídio de natal e de férias...
E de o vizinho do lado, apesar de ganhar bastante mais, não perder direito a nada, só porque o patrão não é o mesmo.

Não seria muito mais justo se, por exemplo, criassem um imposto sobre o que vai para além dos 800, ou dos 900, ou dos 1000 - o que entendessem - mas para toda a gente?

Será assim tão difícil de entender?

* eu sei que a maioria dos portugueses ganha ainda menos, mas não é isso que está em causa agora.
Realmente o ordenado mínimo nacional é uma vergonha, uma afronta a todos os que trabalham e que têm uma casa para sustentar e direito a uma vida digna.

6 comentários:

mlu disse...

Nós não somos burros, eles é que são outras coisas! Como aquele senhor que foi tomar posse de lambreta, coitadinho, para não gastar dinheiro ao Estado, e agora comprou um carro de serviço por 86000euros! Fico "piurça", como dizia o outro!
E depois quem paga, que é?

Boa semana.

Anónimo disse...

Por acaso somos burros! Afinal quem votou neles? Sempre ouvi dizer que os politicos são todos iguais, mas na hora continuamos a votar neles.
Injusto é mesmo ter de pagar algo por qual não cometemos, seja rico, seja pobre. Afinal de contas, não me lembro ter assinado um documento a dizer que seria o fiador do estado, caso este não pague. Enfim!

Reis

aflores disse...

Pois é minha amiga, bem vinda ao "clube"... dos indecentemente roubados!

Tudo de bom.

gena disse...

eles comem tudo...eles comem tudo....eles comem tudo,e não deixam nada!!!!Pois é...povinho com memória curta

mfc disse...

Eles só não tiram aos privados para que as receitaS FISCAIS NÃO CAIAM...

maria mar disse...

Já nao ha muito a dizer sobre este governo de incompetentes, desde um pelo PM que presta vassalagem a Bruxelas em vez de servir o País (e isso tem um nome!), passando pelo ministro que fala por ele que nem para governar uma criaçao de gericos presta. Estamos despojados de direitos constitucionais e nao há uma entidade que diga a esta cambada que tem de cumprir a lei.