27 de janeiro de 2006

Professores-a-dias

Venho anunciar o nascimento de uma nova profissão: a dos professores-a-dias.
Além das 25 horas lectivas semanais sem direito a nenhuma redução ao longo de toda a carreira, inventaram agora mais duas horas lectivas semanais para os professores do 1º ciclo.
Até aqui tudo (mais ou menos) bem: ficar mais tempo na escola e aproveitá-lo para ajudar alunos com mais dificuldades, ou fazer sem "remorsos" aquelas actividades que às vezes se deixam de fazer porque o português e a matemática nos "roubam" muito tempo, ninguém contestava...

Mas o ministério não se ficou por aqui: descobriram agora que os prolongamentos até às 17:30 não estavam a ser feitos na maioria das escolas!
Grande descoberta! Quando todos sabemos (parece que a ministra não sabia!!) que a maioria das escolas tem 2 ou 3 professores e a semana tem cinco dias, como podem fazer um prolongamento diário?

Vai daí apareceu um outro nome para os professores: a partir da altura em que largamos os nossos alunos deixamos de ser professores e passamos a "professores-a-dias" ou, para quem gosta de títulos mais pomposos, passamos a "recursos".
E que fazem os "recursos"?
Pois os "recursos" vão de escola em escola tapar os tais buracos que os professores de lá não conseguiram tapar!
No seu carro, a gastar da sua gasolina!
Giro não é?

Ao longo de 25 anos de serviço já me tinha chateado, arreliado, preocupado e outros "ado" com as diversas medidas (ou ideias de jerico) que cada ministro manda cá para fora para mostrar que tem ideias e é inovador.
Desta vez (e pela primeira vez) cheguei à indignação!
E não sou só eu, somos muitos, cada vez mais...
Os sindicatos fazem o seu papel, ou seja, nada.
Os professores que gostam do seu trabalho e que fazem muito mais do que lhes é exigido, estão a ficar cada vez mais desmotivados, tristes e revoltados!

Esta história não é das minhas preferidas: não vai acabar aqui e muito menos vai acabar bem!

10 comentários:

Santos Passos disse...

Infelizmente.

angelis disse...

O jardim de infância onde trabalho, está aberto diariamente até ás 17h30m...sei a que te referes...e também, nós, educadores de infância, temos para além das 25 horas lectivas diárias, mais 2h de componente de estabelecimento. Dizer mais o quê? GRRRRRR...desmotivação...revolta...etc...etc. Bom fim de semana

polittikus disse...

Será que os professores são vistos pelos políticos como portugueses de segunda? Por vezes tenho essa sensação... a sério.

Abelhinha disse...

Não sou professora, apesar de conhecer essa realidade porque a minha mãe é professora aposentada. Mas como mãe, o que menos me agrada é a ideia de pensar que quando a minha filha for para a escola pode ter uma professora ou um professor que esteja desmotivado.

A desmotivação leva à perda da paciência... e a falta de paciência com miúdos é tudo menos bom!

Paulo Longhin disse...

Vcs de ai não são diferentes de nós de aqui,ou seja, se em portugual esta assim, o que dizer então do Brasil. Se preocupem pois eu estou muito preocupado com a falta de respeito dos governantes de todos os paisesdo mundo. Acredite mesmo que são todos feitos do mesmo material, ou seja, de péssimo material cefálico.

123de4 disse...

Essa nem a mim me lembrava.. Isso já entrou em vigor?...Achas que ela aceitaria um convite para escrever uma anedota no meu Blog?...

Anónimo disse...

Cada vez mais a nossa profissão é considerada, pelos outros, como das melhores profissões do mundo. Só se trabalha 25h semanais(????), afinal é só ensinar a ler e a escrever e qualquer um pode fazer isso (????)....
Ninguém se lembra que o nosso trabalho não acaba quando saímos da escola. Que passamos horas a planificar aulas, a corrigir trabalhos, a arranjar estratégias...
Resta-nos os sorrisos dos nossos alunos como consoloção!!!
Continuação de um bom ano lectivo, para todos os colegas, e força para aguentar tudo o que se avizinha....

PN disse...

Ultimamente tenho ouvido tanta coisa, tenho visto tanta coisa, tenho lido outra tanta que me desgosta, me desmotiva e me deixa quase à deriva sem saber ao certo o que fazer. Afinal ando a investir numa profissão que me querem praticamente impedir de exercer. Na escola vejo os colegas desmotivados, cansados, a entrar na escola às 8 e meia e por vezes a sair às 8 da noite, a serem obrigados a faltar para poder fazer algo que é trabalho para a escola como corrigir testes, a roubar o tempo com a família para planificar aulas. E no meio destes professores cansados e sobrecarregados, estão professores de part-time, como eu que não sabem se irão ter alguma hipótese de trabalhar a tempo inteiro algum dia ou se será preferível deitar fora 10 anos de investimento e um sonho.

guevara disse...

qq dia... os alunos passam a chamar os professores de pais! se é que ja nao o fazem, alguns.

e a ministra (esta e qq outro) esquecem que os professores sao educadores para o desenvolvimento intelectual e pessoal e nao milagreiros do tempo e amas-secas.

AnaCristina disse...

Durante muitos anos, andei com a casa às costas... A certa altura aborreci-me de pagar duas casas e resolvi assentar... Faço viagens de hora e meia para chegar à escola mas adoro o que faço e onde estou colocada. Trabalho das 8h até as 9h da noite, no entanto o que me magoa mais é ver a malta cá da terra, que não tem que aturar viagens, não se esforça minimamente nem se empenha nas actividades. É isto que me desmotiva! E não propriamente as medidas que a ministra despeja...
Somos a classe mais anárquica!!