20 de abril de 2006

As férias da Helena

Os meus Golfinhos andaram numa azáfama a contar as férias deles para pôr no blog.
Como não temos tempo para publicar tudo o que escrevem, fazemos uma selecção de textos, que pode ser por sorteio (quando tenho muita pressa), por votação (quando há mais pachorra) ou por artimanhas (minhas) várias!
Mas o texto da Helena merece um destaque especial e por isso vou publicá-lo aqui.
A Helena é uma menina (já mulher) de 12 anos que vive com o pai, a madrasta, três irmãos e quatro meios-irmãos.
A mãe está na cadeia.
É ela - que é a mais velha das raparigas - quem, juntamente com a madrasta, "trata da casa" o que implica, entre muitas outras tarefas, lavar montanhas de roupa à mão.
E tanto ela como os irmãos andam sempre limpos e asseados...
Ah, e talvez seja importante acrescentar que a Helena é de etnia cigana...

«As minhas férias

Nas minhas férias eu vi televisão e brinquei com o meu gatinho e também brinquei com o meu irmão André e com a minha irmã Verónica e com a minha prima Mara.
E eu fui a casa da minha avó porque ela antes das minhas férias estava muito doente e não conseguia levantar-se da cama. O meu pai foi comprar os medicamentos para ela. E ela já ficou bem.
Eu fui ver os três gatinhos que acabaram de nascer. E eu fui a casa da minha tia e brinquei com o seu filho.
O meu primo veio da cadeia visitar-nos.
Ele só ficou quatro dias e ontem voltou para a cadeia.
Eu gostei quando ele veio. E o seu filho ficou feliz por ver o seu pai.
Eu fiquei triste quando ele foi embora.»

9 comentários:

Leonoretta disse...

sim! sei como é ter alunos com pais e família na cadeia. no dia do pai ou no dia da mae deixam as prendas em cima da secretaria de proposito, fazendo-se esquecidos. sabem que nao vao visit-los.

parece que ha problemas na candidatura electronica, o que quer dizer que as listas provisorias nao saem para maio como previsto.
eu ja sabia.

beijinhos da leonoreta

PN disse...

Há miúdos cujas vidas nos obrigam a olhar melhor para nós próprios e a perceber o quão insignificantes são os pequenos problemas que nos ocupam o pensamento...

Amaral disse...

Uma criança de 12 anos a falar com a criança que tem dentro dela… A inocência aliada à aspereza da vida do dia-a-dia, tornando-a um misto de mulher e criança…

miguel disse...

O pn tem toda a razão!

Fiquei com os olhos molhados!

beijos,
Miguel

Zana disse...

Fiquei emocionada, Saltapocinhas. Uma menina de 12 anos e já com tanto e tristezas pra contar. A vida, nessa idade, deveria ser só alegrias ou, ao menos, sem preocupações e responsabilidades.

bjs!

zecadanau disse...

Pois...
são mesmo o melhor do mundo.

Um @bração do
Zeca da Nau

P.S.: Quando deres um beijo terno à Helena, pensa por favor que eu também o quero dar.

Carla Silva disse...

Com histórias destas os nossos problemas tornam-se tão insignificantes; um beijinho muito especial para todas as "Helenas" que tanto precisam da nossa ajuda.

Bjos.

O Micróbio II disse...

Emocionantes histórias feitas de vida...

Paula disse...

O pior é que os professores do 1.º ciclo conhecem tantas "Helenas"...