26 de abril de 2006

...

É notícia hoje que as instituiçoes recebem cada vez mais crianças em risco.
Eu devia alegrar-me com a notícia pois na minha escola - dentro da minha sala - havia uma dessas crianças.
No último dia de aulas antes das férias da Páscoa não sabíamos, nem eu, nem ele, nem os colegas, que não voltaria no 3.º período.
Porque entretanto foi entregue pelo tribunal a uma dessas instituições.
Ainda não entrei em contacto nem com ele nem com a instituição pois não sei se o devo ou posso fazer.
Mas os colegas estão a escrever-lhe cartas e a fazer desenhos que lhe iremos enviar pelo correio.

Eu "perdi" o meu "companheiro" que acabava os trabalhos à pressa e se vinha pespegar ao pé de mim para observar tudo o que eu fazia e para conversar...
"Perdi" um dos grandes fãs do Blog dos Golfinhos...
"Perdi" o meu poeta...
Por isso, e como disse no início, acho que devia alegrar-me, no entanto não o consigo fazer!
Porque penso o que sentirá uma criança de 10 anos habituada a viver em liberdade e bem integrada no seu ambiente que conhece como ninguém, de repente enclausurada num mundo completamente estranho.
Por outro lado, sei que era negligenciado pela mãe: não lhe proporcionava refeições decentes nem a horas, não lhe lavava a roupa...
Se a mãe é que é a incompetente porque há-de ser ele o castigado?

Porque não tomaram esta medida quando ele tinha 2 ou 3 anos, se nessa altura houve acontecimentos ainda mais graves na sua vida?
Porquê esperar tantos anos?
E será que esgotaram todas as tentativas junto do pai, que mora perto, e com quem ele até passava muitos fins de semana?

Sei que ele agora deve estar limpo, asseado, com a mochila finalmente em ordem e sem fome.
Mas feliz duvido que esteja!

5 comentários:

Paula disse...

É só mais uma triste história, que se vem repetindo cada vez mais. O ano passado também aconteceu por aqui e mais ou menos pela mesma altura do ano. Um abraço Paula

luis manuel disse...

Recordo o que dizes.
Não tenho dúvidas que durante o dia, no tempo em que estava na escola, seria feliz e aprendia.
Também não "gosto" que fales em perda.
Tal como nessa altura, senti a força que te levava a procurar uma solução, para além da escola.
Acho no entanto que, independemtemnete de contactares a instituição-perfeitamente legítimo, a tua escola deveria ser envolvida no processo.
Como dizes, será agora bem alimentado e algum carinho há-de receber.
Não se deve é tornar numa perda.
O que se poderá fazer para continuar a fazer parte da "vossa" família ?

Espero notícias.

Um abraço para os Golfinhos.
Beijinhos para ti

CMatos disse...

Espero que ele esteja bem, mas Feliz não estará com certeza.

IsaMar disse...

Pois...são tantos os porquês na tua cabeça...
Nem sempre as coisas são como nós queremos na vida..nem todas as pessoas têm formação ..como penso que é o caso da mãe dessa criança.
Há processos que demoram muito tempo a serem resolvidos...
Como tu disseste...a Criança é que é sempre a prejudicada....infelizmente.
Mas tens de pensar...que deste o teu melhor e tu prória tens a certeza disso...porque a criança gostava muito de ti, pois acabava os trabalhos a pressa para ter a tua atenção...coisa que se calhar não tinha...
Alegra-te pois fizeste uma criança feliz...

miguel disse...

Não, um amigo nunca se perde.

Beijos,
Miguel