19 de abril de 2006

Professores de primeira, de segunda e por aí abaixo...

Desde que comecei a trabalhar, já lá vão bastantes anos, que sempre houve "professores destacados".
São professores que pertencem a uma escola mas prestam serviço noutra ou então fazem outos serviços que nada têm a ver com o curso que tiraram: trabalho nos sindicatos, nas antigas delegações e direcções escolares, etc.
Tenho colegas que saíram comigo do Magistério e nunca na vida deram aulas... Não teria nada contra esta situação não fora o facto de eles, embora não leccionando e tendo emprego garantido perto de casa, ganharem tanto como os que dão aulas e andaram anos por aí de trouxa às costas.

Também havia (e há) os destacamentos pela "lei conjugal": se tens a sorte do teu marido/mulher ser funcionário público tens a garantia de ficar a trabalhar perto de casa. Os outros... esses podem ir para onde calhar!

Há ainda os destacamentos por razões de saúde.
E aqui é onde se geram as maiores injustiças pois normalmente quem se "safa" nem são os que mais precisam... Os que realmente precisam muitas vezes já não têm direito a nada porque já não há vagas!

Acabar com todos os destacamentos e em vez disso ter a preocupação de colocar toda a gente o mais perto possível da sua residência, respeitando escrupulosamente o tempo de serviço de cada um, isso sim é fazer justiça.
E obrigar aqueles que fazem outros serviços a optar: ou vão para a sua escola ou ficam onde estão e perdem o direito à escola!
É que estes professores, num país de desempregados "acumulam" empregos: trabalham lá onde for, mas têm um lugar cativo na escola a que pertencem... E normalmente são efectivos porque, como tinham as costas quentes, podiam tentar efectivar-se a nível nacional - coisa que os outros não se podiam arriscar a fazer porque teriam de ir trabalhar para a escola que lhes calhasse!
E ainda por cima, quando ficavam efectivos passavam à frente de outros com mais tempo de serviço mas que não eram efectivos
E assim se foi perpetuando no tempo esta tremenda injustiça...

Até que ontem, sem mais nem menos, parece que resolveram acabar com os (alguns?) destacamentos...
Mas a pouco mais de dois meses do final do ano lectivo, obrigar as pessoas a mudar de escola??
Já não basta o sufoco de Setembro??
Não seria muito mais normal deixar terminar o ano e depois fazer os concursos com regras bem definidas?
E acautelar bem acautelados os direitos daqueles que tiveram entretanto a infelicidade de adoecer, mas que podem continuar a trabalhar se lhes criarem condições para isso?

Eu não sei mas parece que às vezes anda tudo doido!


Não andará?
(foto recebida por email)

10 comentários:

tb disse...

Infelizmente é em todo o tecido do país que a planificação é palavra desconhecida e retirada do lexico de quem comanda os destinos do nosso país...

Didas disse...

É a adrenalina. É por isso que no Algarve estão a construir uma mega montanha russa! :)

miguel disse...

Não podia concordar mais!

Não tenhas dúvidas:
- Anda tudo doido!

Beijos,
Miguel

PN disse...

Sim, é isso mesmo, está tudo doido! Eu cá não sei, mas dá-me ideia que quem anda por aí a mandar e a desmandar sobre o destino dos professores não tem os parafusos todos atarrachados.

IsaMar disse...

É tudo injusto...os concursos, os colegas, os destacamentos...
Tens toda a razão no que dizes...
Mas é assim o sistema..e tudo a favor da burocracia daquele que é mais forte.

CAP disse...

É apenas mais uma demonstração gratuita de exibir poder, de mostrar quem manda.

afigaro disse...

Em linguagem ferroviária, quer se goste ou não é o "acertar de agulhas" num Estado onde ninguém mudou nada ao longo de décadas.Mas, a culpa foi sempre dos políticos que tiveram sob ponto de mira a caça ao voto, com a complacência dos sindicatos que ainda hoje reivindicam o tostão, quando há tanta coisa simples a fazer que podem dar alguma esperança a quem trabalha e vive neste País.Até lá reina o pessimismo e a vontade de emigrar.

SaltaPocinhas disse...

@@ AFIGARO: tens toda a razão, mas podiam começar em Setembro!!

mar disse...

Eu diria q o ensino em Portugal, está tal e qual essa foto.
Bjs

Anónimo disse...

Olha do que mais gostei foi da foto! Quanto ao resto, já estou tão farta que nem palavras tenho. Um abraço, força e esperança que Julho chegue depressa.

Paula