Às sextas feiras

fico na escola até às 17:30.
As aulas acabam às 15:15 e como o meu AE (tradução: acompanhamento ao estudo) começa às 16:45 aproveito esse "furo" para ir ao Agrupamento tratar de assuntos da escola.
E também tenho de lanchar, que a essa hora já estou cheia de fome...
Podia ir lanchar a outro lado, mas prefiro fazê-lo no tasca café que fica mesmo em frente à escola.
Não prima pelo asseio, muito menos pelo ambiente, mas os donos são simpáticos, e pronto, para ser muito sincera, gosto de cuscar quem lá vai!

Os frequentadores, a esta hora da tarde, são sempre um (às vezes dois) grupos de jogadores de sueca, um ou outro que entra para comprar tabaco ou beber uma cerveja e os que vão para a "sala de jogos", que fica lá para trás e que eu nunca vi...

Mas o que me põe mesmo fora de mim é que uma das habitués do jogo da sueca é a mãe daquele meu ex-aluno de quem eu já contei a história.

Sei que passa lá os dias...
Claro, tiraram-lhe os filhos, agora é que não tem mesmo nada que fazer!
Não sei do que vive, mas não me admira nada que, apesar de tudo, ainda receba Rendimento Social de Inserção...

Comentários

bell disse…
Fui ler a história da mãe do teu ex-aluno e fiquei sem palavras. E há tantas histórias assim. Não têm para comer, não têm para dar aos filhos,não têm para vestir, vivem na maior miséria, no meio da imundice, vivem às custas dos outros, mas o dinheiro chega sempre para o café e para o tabaco.
SaltaPocinhas disse…
E, Bell, ela é ainda muito nova, trinta e poucos anos, tem muito bom corpo para trabalhar!
Ela cometeu um crime e quem foi para a "cadeia" foram os inocentes dos filhos!
josé palmeiro disse…
É infelismente mais comum do que parece. E com os despedimentos que por aí se adivinham, muitas mais situações hão-de surgir.
Agora gostaria de voltar a um comentário teu que apareceu no Pópulo, onde falavamos de bibliotecas.
Em "su sítio" deixei um esclarecimento, mas como não tive feed-back, vou aqui, voltar a fazê-lo.
Fiquei contente de saber que tens a felicidade de ter aí uma biblioteca itinerante.
Relativamente ao que eu afirmei, devo esclarecer-te que tenho razão e sei do que falo. Assim o Serviço de Bibliotecas e de Apoio à Leitura, da Fundação Calouste Gulbenkian que geria uma rede de Bibliotecas Itinerantes e outra de Bibliotecas Fixas, foi extinto, quando da implantação da Rede Pública de bibliotecas. Houve entretanto algumas Câmaras Municipais que ficaram com as estruturas e o espólio dessas Bibliotecas da Fundação, que as transformaram em Bibliotecas para as sua Escolas, o que aplaudo. Hoje, nem todas trabalham mas as que o fazem, de certo levam a alegria e o convívio que transmitiste, ao escrever o que escreveste.
Se te puder ser útil em mais esclarecimentos, aqui estou.
Bom Fim de Semana!
José António disse…
Isso de Pai e Mãe são conceito que já há muito deveriam ter evoluído. Mas continua a saga de dar importância ao truca-truca para lá daquilo que a coisa é. Mas esta gente não encaixa que abrir as pernas não é obra que justifique título tão importante?
São esses mesmos que as escolas gastam os seus recursos na procura de melhores condições e eles não as aproveitam.Gostam de viver assim e nada os demove.Claro que se for a ganhar sem qualquer trabalho para eles é que é bom. Deviam ser todos responsabilizados e como é que não sei!Bom Domingo
perola&granito disse…
uma boa semana :)
perola&granito disse…
uma boa semana :)
Abelhinha disse…
No meio dessa história toda espero mesmo é que os miudos estejam com alguém que os trate bem

Mensagens populares deste blogue

O vagalume e o sapo

O respeito

Fábula moderna