Pé na argola!

Ultimamente tenho feito com os meus alunos algumas provas de aferição de anos anteriores.
Servem como revisão das matérias e também servem de treino para as verdadeiras...
Ontem fizeram mais uma: Língua Portuguesa de 2005.
Achei a prova difícil e mandei-os ignorar uma pergunta pois não tinha dado aquela matéria.
No fim da prova expliquei-lhes a matéria em falta (que não dei porque não consta do programa)...

Já bem tarde da noite, quando finalmente me sentei ao computador, fui ao site das provas conferir a correcção.
Procurei a prova e... nada!
Aquela prova que eu tinha não existia em lado nenhum!
Comecei a pensar que foi desta que ensandeci de vez!
Mas não: na minha mão tinha a prova devidamente impressa (ou imprimida?) que atestava a minha sanidade mental.

Afinal que raio aconteceu?
Não demorei muito a descobrir:
Os meus alunos tinham feito a Prova de Aferição de Língua Portuguesa de 2005, mas...
... a do 2.º ciclo!

Comentários

José António disse…
Por esse andar lá para Agosto levam com uma do Secundário(eh!).
Aí as provas de aflição, até deixam as pessoas ajuizadas, a fazer coisas de gá-gá.
Não calhou apresentares uma com aqueles conceitos das TLEBS.
Isto é da profissão ser de desgaste rápido e o resto é conversa.
Angel disse…
Pode ser q fiquem melhor preparados :)
PN disse…
Se a conseguiram fazer é bom sinal!

P.S. Podes enviar-me as fotos da minha visita?
Hindy disse…
Ups! Ninguém deu conta!

Bom fim-de-semana e beijinhos :o)
Professorinha disse…
E safaram-se bem? Óptimo!!! Ainda bem que estão bem preparados. Dá sempre gosto vê-los sair-se bem...

Beijos
bell disse…
Se a conseguiram resolver estão de parabéns, eles e tu. As colegas que têm 6º queixam-se que os alunos delas não as conseguem resolver! Se calhar deveriam dar-lhes uma de 4º!!
Emiele disse…
Parabéns!!!!
Claro que foi uma confusão, mas olha que é brilhante!
E havia UMA coisa que não lhes tinhas ensinado?...
:))))
Gotinha disse…
E que tal foram os resultados??!
;-)

Mensagens populares deste blogue

O vagalume e o sapo

O respeito

Fábula moderna