22 de maio de 2007

A subsídio-dependência

faz-me imensa impressão.
O apoio do Estado (ou seja de todos nós), devia ser utilizado para acudir às pessoas numa altura de crise, e apenas isso.
Mas o que nós vemos todos os dias são pessoas que "vivem" dessa mama ajuda e nada fazem para deixar de necessitar dela!

Creio que foi no domingo que passou na SIC a história de um casal que vive assim, de subsídios, há vários anos.
Nem um nem outro trabalham.
Ele diz que só conseguiria arranjar trabalho nas obras, mas que não pode fazê-lo porque sofre de "fraqueza e anemia".
Ela é seropositiva.
Os 5 (!!) filhos do casal estão em famílias de acolhimento ou instituições (não sei bem).
O que é certo é que também eles, embora completamente inocentes, vivem à nossa custa.

No entanto...
... eles tinham os dedos completamente amarelos de tanto fumo!
... as pessoas que os conhecem dizem que às vezes tentam ajudá-los, mas que é preciso cuidado pois eles tornam-se agressivos quando estão sob influência do álcool. (o que é frequente)

Portanto, apesar de viverem na mais completa miséria, conseguem sustentar dois vícios bem caros.

Não há algo de errado nisto??

prioridades... (foto da net)

8 comentários:

Didas disse...

Parece-me que há por aí umas coisitas erradas, há há!

Emiele disse...

Esta é uma história complicada. Não a 'história modelo' que contaste mas todas as outras que conhecemos de situações ainda piores. Alguma coisa está muito mal, os serviços que deveriam ajudar verdadeiramente, ou seja segundo a velha fábula «ensinar a pescar» limitam-se a dar o peixe e pronto. Eu, para ser franca há muita coisa que não entendo. Nesse caso que não vi, não posso dizer nada, mas conheço quem receba o RMG pelas mais variadas aldrabices. E muitas outras coisas bem feias e pouco cívicas.
Pessoas que seriam completamente incapazes de roubar numa loja ou numa situação de roubo evidente, trazem com a maior naturalidade resmas de papel do emprego, e até material mais importante desde que não esteja inventariado. Conheço uma senhora que faz limpezas em empresas e 'inocentemente' reconhece que nunca compra detergente, ou sacos do lixo, ou papel higiénico, porque «lá há muito».
Que raio de valores é que nós temos...?!

Hindy disse...

Ainda há muitas pessoas a viver à custa de todos nós...

Beijinhos :o)

José Alberto Mostardinha disse...

Olá:

Venha o primeiro partido político por em causa esta subsídio dependência e leva uma "catrefada" de votos só por isso.
Como esses... há por ai aos montes.

Beijinhos,

Cakau disse...

Infelizmente há mais do que se pensa.

Que podemos fazer?

Beijinhos *

Antero Ferreira disse...

Boa tarde. Gostava que passasse no m/blog sobre Moçambique:
http://anteromanuel.blog.simplesnet.pt/
que tem lá uma surpresa, espero que goste. Sobre a subsídio-dependência, posso falar nisso porque trabalho na Segurança Social e a m/mulher está na acção social e todos os dias vão lá pessoas pedir para as mais variadas coisas. Desde medicamentos (já foram pedir 3 Euros), uma foi pedir um subsídio para comprar uma casa, (pois dizia que era barata),para irem dormir pois foram despejadas e depois de lhe arranjam uma pensão não querem. A melhor de todas foi uma senhora que ainda andava de bébé e já queria receber o subsídio. O Rsi, obriga os beneficiarios a tentar arranjar emprego, mas o que querem é estar no café sem fazer nada. Obrigado.

Cruxe disse...

Infelizmente é a realidade.

Conheço 2 histórias que passaram na televisão e que se passam perto de onde eu vivo.

Na 1ª uma família queixava-se que vivia numa barraca, sem condições e que mal tinham dinheiro para sustentar os filhos. Pois... os filhos, porque os adultos sustentam-se bem com pequenos almoços todos os dias no café e sempre com tabaco (só para dar 2 exemplos).

No 2º caso, uma miúda, mãe adolescente, comoveu meio mundo porque não havia alturas que não conseguia dinheiro nem para o filho e que vivia da caridade das pessoas. Deram-lhe tudo: roupas para o bebé, comida e dinheiro.
O dinheiro gastou-o num instante em roupa para ela própria. Cerca de 2 meses depois da reportagem ter passado já vivia na "miséria" novamente.

Um dos problemas é que dão um peixe às pessoas em vez de as ensinarem a pescar. O outro é que não se verifica o que as pessoas fazem ao que lhes é dado.

aflores disse...

Devia haver uma Lei, que impedisse estes casais de terem filhos. Era um bom começo para a resolução de alguns problemas.