3 de novembro de 2007

O põe ma do corretor horto gráfico


Tenho um corretor horto gráfico,
Nu meu computa dor a trabalhar.
Com fio nele, ver e fica sem pré
O diz para te que não com sigo em contar.


Reli este põe ma de pio a navio
E de certo vão gostar de sabor
Esta coreto horto gráfica mente
A sim a testa o meu corretor.


A Bell descobriu - e confirmou - que afinal não podemos confiar no corrector ortográfico.
Mas haverá quem confie??

6 comentários:

PN disse...

Então não há? E a Boneca não é nada convencida, nadinha mesmo...

Hindy disse...

Bom Domingo!

Estou de partida!

Beijinho hindyado

Emiele disse...

:))))
Quantas vezes não acontece!!!
E o pior é quando «corrige» automaticamente. Quando se limita a assinalar a verde ou vermelho, a gente pode verificar, mas muitas vezes «ele» decide corrigir sem perguntar nada.
O poema está giríssimo, parabéns à Bell (vou lá dar-lhos!)

Didas disse...

Abreu??? Deve ser uma figura de estilo propositada!

José António disse...

Quer dizer: dá jeito, mas é infíel. Ou será infiável?

Abelhinha disse...

Fantástico este post

beijinhos