12 de fevereiro de 2009

O S. só vem à escola quando lhe apetece: às vezes vem 3 ou 4 dias seguidos, depois falta outros tantos, ou ainda mais.
De cada vez que aparece depois de ter desaparecido, está ainda mais desfazado do resto da turma (do grupo do 2.º ano, embora esteja matriculado no 3.º)

No entanto...

Graças à ideia peregrina da Lurdinhas, vou ter de fazer uma "prova de recuperação" a este menino.
Isto, quando o apanhar novamente na escola, está bom de ver!

Esta situação tão estúpida que nem consigo qualificar, incomoda-me até à náusea: o garoto tem mais faltas que presenças, liga tanto à escola como eu ligo aos movimentos da Bolsa na China, e EU é que ainda tenho de ter o trabalho acrescido de lhe fazer a tal da prova de recuperação!!

Mas vai ser um aluno de sucesso, daqueles que a ministra gosta.
Como anda no 3.º ano, vai passar para o 4.º e no final do ano que vem, se Deus quiser, passará para o 5.º.
Porque agir assim é a única forma que tenho de me ver livre desta loucura!!

12 comentários:

Angel disse...

É assim... Ainda hoje em conversa c um colega na escola chegámos à brilhante conclusão q o trabalho sobra sempre p nós, principalmente por causa dos 'maus' alunos...

ameixa seca disse...

E os pais onde estão no meio disso tudo? Deviam fazer cursos tipo "Aprender a ser pais"... muita gente precisava disso!

bell disse...

Uma medida de faz de conta para uma educação de faz de conta.

Ainda não fiz nenhuma prova de recuperação, mas uma colega fez uma a duas alunas. Só colocou 3 perguntas. Pois, as meninas boicotaram por completo a prova e não responderam a nada. Lá terá ela de as "recuperar".

Boop disse...

Já lá vão alguns anos desde que tenho de lidar com "situações-alunos-crianças" dessas.
E sabes, não tenho saudades!
Porque simplesmente há situações em que... não se consegue!
É sem dúvida recompensador o que às vezes se consegue em termos de relação, do afecto, do exemplo, mas o sentimento que fica é quase sempre que nada se muda.

Ou estou pessimista?

Professor do 1.º ciclo disse...

"Como anda no 3.º ano, vai passar para o 4.º e no final do ano que vem, se Deus quiser, passará para o 5.º.
Porque agir assim é a única forma que tenho de me ver livre desta loucura!!"

As escolas do 1.º ciclo não são o local adequado para alunos maiores de 10 anos. Mandá-los para a frente é uma forma de evitar problemas.

Sozinhos os professores do 1.º ciclo nada conseguem fazer.

Saltapocinhas disse...

ameixa: ospais recebem dinheiro para mandarem os filhos às escola, e não mandam! e não lhes acontece nada!!

professor: este caso de que falo até já tem 11 anos!
e a única maneira de me ver livre dele é passá-lo, pois não estou disposta a aturá-lo até aos 15 anos que é a idade limite de se andar no 1.º ciclo. E quem pôs este limite de idade para o 1.º ciclo ´só pode ser doido!!

aflores disse...

Eu diria:"Assim se vai formando um futuro marginal" Mais nada!!.
Viva o facilitismo!
Viva os subsídios!
Viva PORTUGAL!!!!

mfc disse...

O fim dela está por perto...
É só esperar mais uns tempinhos!

entremares disse...

Primeira visita este blog...

Sugestão para prova de recuperação: Um conjunto com duas simples questões:

1ª Queres passar de ano?( Se ele souber ler, irá responder sim )

2ª Tens mesmo a certeza ? ( É o tal feed-back, claro que ele vai responder sim na mesma )

Pronto, está feito. Acertou nas duas respostas ? Tem 100%

Agora mais a sério.
Quando tivermos ministros titulares e ministros não titulares... médicos titulares e médicos não titulares... advogados titulares e advogados não titulares.. etc, etc... aí eu pensarei de novo sobre a questão dos professores titulares e não titulares...

Até lá, só reproduzo uma das frases que li num blog:

" EU VOU SOBREVIVER A ESTA MINISTRA"

Shakti disse...

Começa-se a tornar irrisório ...

bj

Anónimo disse...

Estás aborrecida com o trabalho acrescido de fazer (e corrigir...) a prova de recuperação a um aluno... E tens razão!
Mas agora imagina que tens quatro turmas, nessas quatro turmas tens alunos óptimos, trabalhadores, dedicados e com muito bons resultados (graças a Deus, para sentires que o teu trabalho faz sentido!!!), mas tens, no meio dessa gente boa, 6 ou 7 alunos "faltosos"...
Uns são de 10º ano, outros são de 12º ano, a natureza das faltas é diferente e as datas também, por isso és obrigada a marcar, elaborar, dar e corrigir provas diferentes a cada um dos alunos pouco assíduos...
Depois ainda tens de reunir os diferentes Conselhos de Turma quando têm de ser tomadas decisões!
Agora imagina que um desses alunos, que frequenta o décimo ano embora já tenha dezoito anos (vai fazer 19 dentro de poucos meses...), falta sistematicamente... Com a idade dele eu já frequentava a Universidade... mas ele acha muito mais cómodo ter parado no 10º ano e continuar a perturbar as aulas e os colegas. E a massacrar-te durante os testes, porque interrompe toda a gente de 5 em 5 minutos para pedir explicções adicionais!
Às 8h30 da manhã, quando chegas à escola para iniciar o dia de trabalho, estacionas o carro e vês esse "menino" a estacionar o Mercedes do pai ao teu lado. Mas na aula seguinte ele resolve ir passear os colegas no Mercedes e não aparece, uma vez mais. Tu avisas o rapaz, a Directora de turma avisa os pais, os pais não comparecem e continuam a emprestar-lhe o carro, a dar-lhe dinheiro, a dar-lhe razão.
Vês-te obrigada a notificar o aluno de que vai fazer mais uma prova, e pedes-lhe que assine um papel em como tomou conhecimento da data e da hora em que estarás ao seviço, expressamente à sua espera (de sorriso no rosto e coração apertado, porque tens imenso que fazer para ajudar os alunos interessados) e já perdeste HORAS e HORAS a marcar provas, a notificar um aluno que continua a faltar (às aulas e às provas...). E entretanto tens mais outras provas para fazer... os testes normais para corrigir, as aulas para preparar, milhentas reuniões por semana... e uma vida própria e familiar, que é o que toda a gente se esquece que devias ter!!!
Só ainda não disse - mas digo agora - que o menino das dúzias de faltas e do Mercedes e dos pais ausentes não é invenção minha, e tão real como eu!
Isto não será um perfeito inferno?
Agora experimenta colocar estes problemas concretos a quem nos rege, que obterás respostas evasivas, agressivas... mas nada conclusivas! E o famigerado estatuto do aluno (que até já levou a que fôssemos culpados de não compreender o seu espírito!!!) continua a desresponsabilizar as novas gerações, a penalizar quem trabalha... e a criar a impunidade em quem devia, urgentemente, ser orientado para outra vida em que fosse obrigado a produzir algo, já que a altura é de crise!

Bea disse...

Como eu vos compreendo! Quem faz as legislções nunca teve que viver e conviver com estes alunos e tb com muitos outros de etnia cigana..é o desespero... e ainda falta a s cartas e comunicados e chamamentos aos Enc de Ed que nunca comparecem ou tb não sabem o que fazer.
bjs