31 de dezembro de 2006

**FELIZ 2007**


A todos os que aqui passam, mesmo os que passam por engano à procura de fábulas, eu desejo que o novo ano que começa daqui a poucas horas vos (nos) traga muitos dias felizes - pelo menos 365 - e que todos os desejos se realizem...
E já agora que uma estrelinha ilumine o Mundo todo e que se acabem a fome, as guerras, as injustiças...
Era tão bom, não era?

Os não propósitos

É altura, nesta época do ano, de fazermos os nossos propósitos para o ano que vai começar.
Já fiz isso algumas vezes e não cumpri!
Por isso, desta vez, vou fazer os meus "não propósitos" e assim tenho a certeza de que os cumprirei!

  1. Não prometo levantar-me cedo, pois adoro dormir...
    Se toda a gente tem direito a um desporto preferido, porque não há-de ser o meu dormir? É seguro, económico e não engorda!!

  2. Não prometo ler mais do que lia...
    Porque os dias vão continuar a ter apenas 24 horas, porque o tempo não estica, porque adoro ver televisão e porque tenho de cumprir o ponto 1.

  3. Não prometo deixar de comer tantos chocolates...
    Eu adoro chocolate, nunca dei que me fizesse mal a nada, por que carga d'água hei-de deixar de o comer?

  4. Não prometo que finalmente vou começar a ir ao ginásio...
    Porque já sei que não vou!
    Não gosto!
    Não me apetece!
    Não quero!
    Já temos tantas obrigações, por que havemos de inventar outras?

  5. Não prometo que é desta que vou ser arrumadinha e organizada com as minhas coisas e que farei tudo com antecedência...
    Porque já sei que só funciono bem sob stress e quanto mais tempo tenho de mais preciso!

30 de dezembro de 2006

Assassínios...

Uma bebé de dois anos assassinada pela mãe...
Um ditador assassinado em nome da democracia...
Seis pescadores assassinados por falta (?) de meios de socorro...
Cinco pessoas assassinadas nas estradas...

Isto já era trágico se fosse o balanço do ano!...
Infelizmente não é...
É apenas o balanço dos últimos dois dias!

Estaremos no 3.º milénio ou na Idade Média?

27 de dezembro de 2006

1000 euros por segundo...

... dizem que foi o que os portugueses gastaram em compras neste Natal.
Então o Portugal pobre e deprimido, com gente sem poder de compra, onde está?
Palavra que não entendo!
Se estou em fase optimista penso "é porque somos muito generosos, gostamos tanto de dar, que até gastamos o que nos faz falta para agradar aos amigos..."
Se estou em dia pessimista (ou realista?) só me vem à ideia um país de gente irresponsável e consumista, que não pensam no dia de amanhã.

"Eu ainda sou do tempo" em que os presentes (escassos) eram só para as crianças...
Agora é uma confusão de trocas de inutilidades entre familiares e amigos!

E as pessoas que já têm as casas cheias de tralha que só serve para dar trabalho na hora de limpar o pó, lá acrescentam mais uns quantos cacarecos aos que já existem!


Espero que, pelo menos, levem o papel para os papelões!

25 de dezembro de 2006

Natal

Um Deus à nossa medida...
A fé sempre apetecida
De ver nascer um menino
Divino
E habitual.
A transcendência à lareira
A receber da fogueira
Calor sobrenatural.

Miguel Torga
24/12/1953

22 de dezembro de 2006

Problemas com cirurgias Lasik?

Ao contrário daquilo que alguns oftalmologistas fazem crer a quem os procura, nem todas as cirurgias Lasik correm bem.
Algumas correm realmente mal, criando nas pessoas que a elas se submetem problemas de visão que não tinham anteriormente.

Duas dessas pessoas a quem isso aconteceu, juntaram-se e criaram este blogue por reconhecerem o grau de importância em aceder a informação sobre a cirurgia LASIK, na perspectiva dos potenciais interessados em se submeter a essa intervenção...

Os seus autores pretendem informar dos riscos que os médicos escondem e também criar uma associação de pessoas que tenham tido más experiências com esta cirurgia.
Com uma Associação talvez os médicos se sintam obrigados a elucidar melhor os seus pacientes e a avisar dos riscos que se correm.
Leiam e divulguem...

21 de dezembro de 2006

O especialista

A padeira mais conhecida da blogosfera tem andado a fazer um estudo altamente científico dos vários tipos de "homo", mas acho que ainda não falou no que eu vou falar hoje: o "especialista".

Todos nós conhecemos algum espécime dessa raça...
Hoje, no hiper, cruzei-me com um especialista em peixes, enquanto aguardava que me amanhassem as pescadas...

Os mais chatos são os especialistas em vinhos, porque tenho quase a certeza que a maioria deles desbobina o que ouviu dizer a outro igualmente ignorante ou então leu um artigo sobre vinhos numa revista-de-jornal-de-domingo (das fracas, porque também as há boas).
Normalmente não têm outro tema de conversa às refeições: bebem vinho e só sabem ter conversas sobre tipos de vinho, quais os melhores, quais as melhores colheitas, o ano das colheitas e blablabla.
Que seca!

Um dia destes, num jantar onde estava um desses "especialistas", daqueles mesmo, mesmo, meeeesmo convencido que é entendido em vinhos, alguém resolveu tirar o rótulo à garrafa e pedir-lhe opinião.
Que era um tinto Bairrada, sem dúvida nenhuma, e mais, da colheita de 2005!

Reposto o rótulo, afinal tratava-se de um vinho alentejano...
Mas não errou de todo: o vinho era mesmo tinto!

20 de dezembro de 2006

Petição contra a TLEBS

Anda já em circulação uma petição contra a TLEBS.
Apesar de não saber muito sobre o assunto, o pouco que sei já me chega para ter uma opinião.
Nos últimos 30 anos professores e alunos têm servido tantas vezes de cobaias para as ideias peregrinas de ministros que passam a vida a mudar, que é tempo de dizer basta!
Para refilar contra mais esta "experiência", é só irAQUI e assinar a petição.

19 de dezembro de 2006

Hoje vivi uma experiência

que nunca tinha vivido:
a visita a um acampamento de ciganos.
Já toda a gente passou perto de um, já todos olharam de relance e com mais ou menos curiosidade, mas são poucas as pessoas que se aventuram a ir mesmo lá.
E lá fui eu, "levada" pelas minhas colegas pois a G., do Ensino Especial, precisava de uma assinatura dum encarregado de educação - e cá para nós também estava cheiinha de curiosidade!

Quando vêem o carro a aproximar-se, interrompem as suas actividades e começam a olhar desconfiadamente...
Num instante aparece um simpático velhote (o chefe do clã) e algumas crianças mais curiosas que nos começam a reconhecer. "São as professoras da escola", e pronto, o medo desaparece e todos se aproximam, apresentam os filhos mais novos, os sobrinhos, os netos...

Estava uma bela manhã de sol e uma cigana estendia roupa e mais roupa, enquanto outras acartavam água para o tanque, porque água corrente não há.
São todos da mesma família e vivem em barracas feitas dos mais diversos materiais e cobertas com placas de zinco.
Há várias fogueiras, muitos estendais, montes de lenha e variedade de animais: cães, gatos, galinhas e patos que convivem pacificamente.

À vinda discutimos as vantagens e desvantagens de se viver assim: afinal o modo de vida deles é pior ou melhor do que o nosso?
E não chegamos a nenhum acordo...

16 de dezembro de 2006

Consegui!! Iuupi!!

Achei num blogue esta coisa do slide show e não resisti a tentar com as fotos que tirei hoje aos meus dois fofinhos: a Pandora e o Nico.
Não são liiiindos??

História de amor

Passo por eles todas as manhãs, antes das 9, quer chova quer faça sol.
E já andam na rua há algum tempo, pois quando os encontro estão longe de casa.
E deslocam-se bem devagar.
Porque já não são novos, mas principalmente porque ela se desloca numa velha cadeira de rodas que ele empurra, incansável...

Dá gosto ver aquele casal de velhotes, que, apesar das dificuldades de locomoção, mesmo com chuva e frio, não se conformam em ficar em casa sentados no sofá.

A isto chamo eu companheirismo, amizade, cumplicidade, entre-ajuda, enfim... o verdadeiro amor.
Quantos se poderão gabar de ter um assim?

13 de dezembro de 2006

Roubo ou sequestro?

Nas notícias de hoje ouvi, pelo menos por duas vezes, que tinham "sequestrado" o Menino Jesus do presépio de Faro.
Ora, que eu saiba, os objectos não se sequestram: para os objectos usam-se os verbos "roubar" ou "furtar"
A notícia correcta seria, portanto, "roubaram o Menino Jesus do presépio de Faro"

Mas, se os jornalistas fossem ainda mais bem informados (se recebessem os meus mails, por exemplo) saberiam que o Menino Jesus não foi sequestrado, nem roubado, muito menos furtado!
O Menino Jesus está na escola!
Só não sei de que estão à espera o burro e a vaca para ocuparem os seus postos...
Será isso um sinal de que vamos ter um Natal em paz?

10 de dezembro de 2006

Que a terra não lhe seja leve!


Morreu em paz e sossego, até teve direito a extrema unção e tudo...
Mas, se Deus existe mesmo, este deve ir direitinho para o Inferno.
Já que não houve justiça na Terra, resta-nos a esperança da justiça divina!

9 de dezembro de 2006

TLEBS

Todos temos um bocado a tendência de, à primeira vista, rejeitar o que é novo para nos agarrarmos àquilo a que estávamos habituados e familiarizados.
Mas nesta história da TLEBS, só tenho visto professores a reclamar.
Quem diz bem são, além dos que estão por trás dos novos conceitos, outros intelectuais que nunca sentaram o rabinho numa sala de aulas.
Sei muito pouco sobre o assunto, mas o pouco que sei já deu para ver que vem aí complicação da grossa...
Já falei com alguns professores, daqueles que eu sei que são muito competentes e não vi nenhum entusiasmado com a nova terminologia!!
Antes pelo contrário!
Eu ficava feliz se cada aluno que termina o 12.º ano soubesse escrever um texto escorreito e perceptível, e tivesse lido meia dúzia de obras de bons escritores na íntegra!!
Primeiro nasceu a língua, depois é que inventaram a gramática!
E se deixassem as complicações gramaticais para quem vai seguir cursos de línguas?
E que os professores fiquem apenas a ensinar os seus alunos a gostar de ler e a saber escrever!
Vem isto a propósito dum mail que recebi hoje e que passo a transcrever:
«Meu, não dá para te passar tudo, mas é uma cena... Como é que t'hei-de dizer, assim uma cena um bocado marada que não dá prá agarrar logo!
Tem bué de words novas, tu nem tosgas, eu pelo menos vejo-me à rasca.
A profe também anda bimba com a cena, parece que não topa peva, é assim uma cena toda nova.
Aquelas gaitas ca gente teve de encornar - os adjectivos, os verbos, essas cenas, 'tás a ver - agora tem tudo outros nomes, bué de compridos e depois cada cena com uma data de nomes.

Por causa daquele baril que no outro dia dizia na televisão que o fora de jogo "era consoante o árbito", até copiei a cena das consoantes que vem no paper: passou a haver "consoantes surdas"e "sonoras" mas, aguenta-te aí, que depois tens consoante oclusiva, fricativa, nasal, oral, lateral, vibrante e africada.
Esta do "africada" julgo que é por causa dos blacks, e a minha miúda, que costuma ler os jornais, ficou lixada, diz que lhe parece uma cena um bocado racista!

Acho que é uma lei que os políticos fizeram e depois os profes têm de andar com a cena e a gente é que amoxa!
Passas a ter de meter nos cornos que há verbo principal impessoal , verbo pessoal intransitivo, verbo principal transitivo directo, verbo principal transitivo indirecto e verbo principal transitivo directo e indirecto, uma cegada!
Lá o que são verbos, ainda perguntei ao meu velho lá em casa e o gajo lá disse umas coisas, até falou da cena do transitivo, mas aí já foi muita areia - mas agora isto tudo!

E, ainda por cima, dizem que é para a maralha aprender a escrever, a criar, como eles dizem, uma cena de "hábitos de leitura"!
Topas, um gajo a querer ler uma cena numa curte porreira e vêm com esta trapalhada, mais vale um tipo agarrar as words do inglês, que dão para o computas e a malta até topa logo.

Houve um gajo - penso que é do sindicato ou uma cena assim, mas é fixe, alinha com a malta - que me disse que isto vem tudo do mesmo sítio, dos mesmos cromos do Governo e do Ministério que também andam a despedir os profes, a inventar aquela cena marada das "aulas de substituição", a correr com o pessoal que tratava lá da cantina e tudo isso, a fazer um granel do camandro nesta cena toda.

A minha esperança é que agora, com o TLEBS (topas? A Terminologia Linguística para os Ensinos Básico e Secundário) isto vai ficar uma curte muito mais fixe e vou ler o Fernando Pessoa.
Ruben de Carvalho,
jornalista

5 de dezembro de 2006

Vida boa!

Enroscadinha numa velha toalha, olho para ela enquanto o sono não me domina por completo...

Ela passa a ferro a roupa de que precisa para se vestir!
E eu observo-a, aqui aconchegadinha, com o meu belo e macio casaco preto e branco, de pele verdadeira.
Nunca o tiro: ele aquece-me no tempo frio e mantém-me a uma temperatura agradável no tempo quente.
Nem preciso de o tirar quando me sujo, pois ele não é lavável nem à máquina e nem à mão, muito menos na lavandaria!

Rica vida a de uma gatinha mimada!



Assinado (como mandou a Emiéle):
Pandora

4 de dezembro de 2006

Ter ou ser?

Pergunta desnecessária, pois todos sabemos que cada vez mais se valoriza o "ter" e desvaloriza o "ser".
Como remar contra esta maré?
Não há remédio infalível, mas talvez começar a educar as crianças nesse sentido não seja má ideia...

Por isso me repugna tanto a nova publicidade à TV Cabo.
... primeiro era a mulher que abandonava o marido por não haver a dita cuja TV lá em casa (podia entrar aqui pelo tema do machismo na publicidade, mas agora não me apetece)
... depois era a empregada que se despedia pelo mesmo motivo

Pronto, até aqui tudo bem: era só mais um anúncio de mau gosto a juntar a tantos outros.
Mas agora passou as marcas da decência ao colocarem a voz duma criança a despedir-se do pai, pois vai morar para casa de uma amiga que tem a tal da TV Cabo!

Ter uma televisão com muitos canais é mais importante que a presença de um pai...
Mas alguém duvida??

3 de dezembro de 2006

Uma fotografia por domingo...

Esta fotografia não é minha (também não sei de quem é), mas ilustra bem os meus sentimentos dos últimos tempos:
... a falar para o boneco!

2 de dezembro de 2006

Tarde* de compras

Ontem à tarde fui às compras.
Ao contrário da grande maioria (?) das mulheres, detesto andar às compras.
O meu limite de tolerância ao Fórum é de cerca de 2 horas, livraria incluída.

Só queria umas simples calças de bombazina (chegou a altura de arrumar as de ganga) e acreditam que me vi aflita para encontrar umas que me servissem?
Umas que não ficassem:
  • pelo meio das ancas
  • um palmo abaixo do umbigo
  • com um espaço enorme atrás, na cintura
  • que não mostrassem as cuecas?
Depois de experimentar imeeeeeensas, e quando já me dispunha a voltar de mãos a abanar e uma grande neura, lá encontrei finalmente umas que me ficam mais ou menos?
Ufff...
Eu só não entendo como é que, havendo cada vez mais lojas - que se reproduzem como cogumelos - haja cada vez menos variedade de roupa?
As lojas são todas iguais, as roupas são todas iguais e todas mal feitas!

Mas por que que raio eu detesto saias?

*tarde: espaço máximo de 2 horas