5 de julho de 2007

Pelo caminho


Quando fazemos, anos a fio, todos os dias o mesmo percurso e às mesmas horas, começamos a reparar em situações engraçadas ou repetidas.
Já aqui falei uma vez de uma "loja" muito surrealista, tipo mundo paralelo...

Mas há mais coisas engraçadas:
Ainda na minha aldeia há uma casa que tem um portão. Quando o portão está aberto, vêm até à porta dois pássaros grandes e pretos.
Penso que sejam cucos, ou corvos ou gralhas. (não percebo nada de pássaros!)
O interessante aqui é que eles andam completamente à solta, a saltitar no passeio!!

Mais adiante, numa paragem de autocarro, está uma rapariga que dá nas vistas por estar sempre muito bem vestida.
Num local onde as pessoas vestem roupas vulgares, ela destaca-se pelos fatos saia casaco, impecáveis, e pelos saltos bem altos, tudo a condizer.

Quase sempre passo também pelo casal de velhotes, de que também já falei aqui.
Um pouco mais adiante está sempre um homem à porta. Quando eu passo, faça chuva ou faça sol, lá está o homem parado à porta!

Com certeza nunca me viram, que passo de carro no meio de outros carros...
Mas, para mim, são os meus "companheiros de viagem".

4 comentários:

Zita disse...

Também se passa comigo. São os nossos companheiros como diz e parece que já não passamos sem eles. Contribuem de algum modo para o nosso dia.

Para sempre, Maria disse...

Se eu te contasse o que vejo nesta terra...

medo...

Professorinha disse...

A rotina à nossa volta muitas vezes passa-nos despercebida. Nunca me dei ao trabalho de observar essas situações que me rodeiam... mas vou tentar fazê-lo...

Beijos

Pedro A. disse...

Com muita certeza, essas pessoas pensarão o mesmo de si!

Imagino, todos os dias, o tal velho à porta: "Ora, portanto... está na hora daquela senhora passar, atrasada para as aulas ... Cá está, ali vai.... foi ela!"

: ))))) Beijinhos,
Pedro Andrade