23 de março de 2009

Basta...

...de tanto futebol, xiça!
No sábado houve um jogo em que uma equipa (o Sporting, mas é impossível que alguém neste mundo ainda não saiba) sofreu um golo por erro do árbitro (e não perdeu o jogo por isso, pois não ficaram impedidos de continuar a jogar! e também não ficaram impedidos de marcar os "pénaltis" no fim, mas parece que os outros marcaram mais, por isso ganharam).

O árbitro, humildemente, já veio publicamente assumir o seu erro e dizer que na altura lhe pareceu que o jogador tocou com o braço na bola, ou lá o que foi...

É que os árbitros, ao contrário da maioria das pessoas que veem futebol, não está confortavelmente sentadinho no sofá a ver a jogada em câmara lenta, de vários ângulos e em repetição.
Tem de ver e decidir em segundos!
E às vezes erra, como todos nós...

E isto é motivo para, de cada vez que se liga a TV, só se ouvir falar do assunto?
É motivo para lhe dedicar quase metade de um Telejornal, com direito a debate e tudo?
E parece que até o programa "Prós e Contras", que está prestes a começar, vai ser dedicado ao assunto!
Realmente!
Num país que não tem problemas, podemos dar-nos ao luxo de discutir estas inutilidades!!

7 comentários:

José António disse...

O que me preocupa é o facto dos Sportinguistas andarem sempre a mudar de patrocínio. Primeiro mudaram da 5 à Sec para a 7up e agora, a propósito do roubo, viraram-se para a 3M. Assim parece que trabalham nas Escolas: sempre em mudanças! Xiça!

ameixa seca disse...

Com o dinheiro envolvido no futebol, é natural que não lhes falte tempo de antena. Todos sabemos que estamos em crise e tal, podemos não ter dinheiro para comer e tal, não temos dinheiro para comprar livros para os filhos e tal, mas para um jogo de futebol arranja-se sempre uns €€€ :) É o povinho minha amiga! Eu não vejo nada disso, abstenho-me que é o que faço melhor! Comigo as audiencias não sobem :)

Emiele disse...

Sabes, como eu vejo pouquíssima TV, não tinha reparado nesse excesso, apesar de acreditar porque faz parte do modelo. São interesses muito grandes. E há quem não tenha dado por isso, afinal. Viste a AB lá no meu blog, quando eu deixei uma gracinha sobre o assunto.

Também acho que neste momento já é tempo de se falar noutra coisa, mas a tua 'análise' é um tanto redutora: aquilo não foi um jogo qualquer, era uma final que decidia uma taça, e perdeu de facto o jogo pelo tal engano porque se não tivesse acontecido em golos 'verdadeiros' tinha mais um. Sempre achei que os golos de penalti são uma espécie de lotaria.
Mas já está, já está, e temos coisas bem mais graves para pensar.

Mocho Falante disse...

ai as saudades que eu tinha de aqui vir....

beijocas

entremares disse...

Antes, dizia-se que a religião era o ópio do povo.

Hoje, alguém duvida que se se disser que o futebol é o ópio do povo ?

aflores disse...

Não vi, não vejo nem quero saber.
Uns mascam tabaco, outros snifam, outros...enfim, drogas a diverso preço para desviar a atenção do povinho dos verdadeiros problemas.
Crise? Onde? O que é isso?

setora disse...

Pois, pois, saltapocinhas...
Basta, basta mas vais tomando partido e adulterando a análise. Por que não dizes o outro lado da coisa - se o árbitro não tivesse marcado o penalty inexistente, o Benfica que se esforçasse por empatar, coisa que ainda não tinha conseguido. E foi a decisão errada do árbitro que levou ao falso empate e desempate final.
As paixões conduzem às torcidelas do real. A coruja também acha os seus filhotes os mais lindos do mundo.
Um abração livre de paixões clubísticas que eu cá não vou em futebóis.