17 de março de 2009

Racistas? É claro que sim!

Cada vez que há um problema em que os intervenientes são ciganos, vem logo à baila o termo "racismo".
Dei-me ao trabalho de ir ao dicionário ver o significado exacto da palavra (mostras de hostilidade face a um grupo social ou étnico, entre outros).
Sendo assim, creio que há racismo.
Só que é um racismo "ao contrário" do que aquilo que geralmente se quer fazer crer: a hostilidade, quando existe, parte dos ciganos para os outros cidadãos.
Não quero generalizar, mas se formos ver bem as coisas é assim mesmo que acontece.

Querem exemplos?

Ainda no outro dia um familiar me contou que estando nas urgências do hospital à espera de ser atendido, entrou um grupo de ciganos com uma criança ferida que foi atendida imediatamente... (havendo outras crianças também à espera!)
Isto é racismo!

Numa escola, estes meninos faltam indefinidamente, chumbam por faltas anos a fio, prolongado a sua escolaridade na primária até idades indecentes e nunca perdem direito a livros, material escolar e refeições de borla.
E mais: ao contrário de todos os outros que têm de pagar a sua refeição se não a cancelarem, a estes a Câmara paga sempre, porque a refeição vem sempre a contar com eles.
Isto é racismo!

Alguns adultos têm carros tão podres que é impossível aquilo alguma vez ter passado perto de um centro de inspecção...
Mais: como podem ter carta de condução se mal sabem assinar o seu nome?
E acreditam que alguma vez são mandados parar pela polícia??
Isto é racismo!

Alguns adultos andam na escola (para poderem receber o rendimento mínimo) há mais de 10 anos e a única coisa que aprenderam - e mal - foi a assinar o nome.
Mas continuam lá...
Isto é racismo!

Quando passam para o 5.º ano, as meninas deixam de ir à escola. A maior parte casa-se por volta dos 13, 14 anos.
E os pais não são condenados por isso.
Isto é racismo!

Realmente: estou farta de tanto racismo!!

15 comentários:

Shakti disse...

Posso assinar por baixo...

bj

Didas disse...

Isso não é racismo, para mim é terrorismo.

Angel disse...

É bem verdade... Têm direito a td e mais alguma coisa...

Lucinda disse...

Às meninas que procuram as pedras parideiras. Estas pedras estão num lugar da Freita, chamado Castanheira, rodeadas de arame para que os turistas não as tirem do lugar.
E, caso as descubram, não pensem ir ver pedras a sair de fendas abertas na rocha.
Mais:não as tirem do lugar. Não estraguem.

Racismo: assino em baixo e acrescento. Estes meninos podem ser e são negligenciados, não há assistência social que se atreva a retirá-losaos pais.

Saltapocinhas disse...

não quis usar um termo tão forte, mas tens razão, didas!

ó lucinda mas foi nessa terra que eu tirei a foto!
não vi pedras nem arames!

Emiele disse...

Ufff... que bem acompanhada estou!!!!
Aqui no meu bairro, em Lisboa o supermercado mais perto da minha casa, evito lá ir porque a frequência é sobretudo cigana. A desordem é contínua. A polícia está sempre à porta mas deve ser para alguma vez em que esfaqueiem alguém porque nunca os vi intervir por um «simples» roubo.E a falta de respeito para com as pessoas que lá vão às compras é inacreditável. Os miúdos abrem pacotes e comem o que lá está, empurram toda a gente, mexem nas prateleiras todas e tiram tudo do lugar, abrem embalagens de brinquedos, tudo na maior gritaria. As mães, cheias de jóias, cordões de ouro, brincos, pulseiras - aquilo até faz doer os olhos - com os carrinhos com produtos caríssimos, do mais caro que o tal supermercado têm, com a maior das latas enfiam debaixo das saias outras coisas que fazem apitar os alarmes (eu mesma já vi!) e se as meninas das caixas se atrevem a dizer qualquer coisa, a gritaria é tal e as ameaças tão assustadoras (vou ali chamar o meu homem e ele deixa-te aí toda retalhada!!!) que se safam sempre na maior...

ameixa seca disse...

Eu concordo em absoluto que eles tenham aulas num barracão (esqueci-me do raio do nome!) e podem dizer que sou racista. Mas, enquanto não se integrarem na nossa sociedade e modo de vida, também não merecem partilhar a sala de aula com os outros alunos! É esta a minha opinião. Fazem questão de ser diferentes então metam agora a diferenla entre as pernas e abanhem-se! Os senhores da junta de freguesia parece que estão com dor de corno e ainda não entendi porquê!

aflores disse...

"Tás feita"...se aparece aqui aquela "simpática anónima", vai-te chamar nomes muito feios, vai vai :):):)

Ainda ontem foi divulgado um relatório (de uma entidade qualquer europeia que não me lembro mesmo do nome) que chega à conclusão que o "Povo Português não se acha racista" ehehehehe...ok, haverá excepções, mas na verdade verdadinha....é óbvio que somos racistas. Pronto...não seremos muito muito muito muito....mas que somos um "pouquinho" lá isso somos.

-Vai um jovem branco e outro negro tentar alugar um quarto...a quem é alugado o quarto?

-Vai uma jovem inglesa e outra iraquiana tentar alugar o mesmo quarto...a quem é alugado o quarto?

-Numa obra de um shoping center os trabalhadores africanos, marroquinos, moldavos, fazem o mesmo trabalho que os portugueses...mas porque motivo ganham menos??

E ainda não esqueci "os discursos/pensamentos" dos nossos retornados das ex-colónias...

Agora digo eu: "Racistas? É claro que sim!"

Inca disse...

só quem tem que os aturar é que sabe a paciência que é necessária, e trabalharem não era uma boa ideia? ou também é tratarem mal os senhores manda-los trabalhar?

Emiele disse...

AFlores, tudo o que dizes está certo, mas o que a Saltapocinhas disse também e veio despoletar as queixas que muitos de nós temos. Ele veio dizer que «racistas são eles» e aqui muita gente concordou.
De resto, se se aluga o quarto a um branco ou um negro, creio que depende sobretudo do 'aspecto' que tenham. Mas deves querer dizer nas mesmas circunstâncias, tal e qual. Francamente não tenho tanta certeza de que se escolhesse por sistema o branco. Não vejo isso à minha volta.

setora disse...

Os ciganos foram construídos para dar ânimo aos outros.Convém ter este grupo na margem para passar a ideia de que com os outros está tudo bem.
Na minha escola temos uns quantos alunos ciganos. Alguns deles são bastante bem educados e trabalhadores embora a escola tenha sempre feito o possível para os desenquadrar - um deles absolutamente capaz chegou com rótulo de atraso mental, são atirados para turmas de alternativos e CEF. Digo alguns porque há outros mais "normalizados" ainda assim fazendo disparates bem menores que outros alunos não ciganos. Com os pais não tem havido problemas.
Também frequento às vezes um supermercado na zona da escola onde vão ciganos. Ainda há dias fiz discurso a uma mulher que espancava com violência uma criança que devia ter dois anos. Não me esfaqueou nem maltratou. Engoliu e parou com a pancadaria.

É curioso que a raiva de alguns comentadores se volte contra os apoios dados aos ciganos (mesmo sabendo que ninguém os emprega) ignorando todos os tâo sérios ladrôes que assaltam o erário a partir dos lugares de administração. E aqui não se trata de feijões.

Saltapocinhas disse...

olá setora!
nunca na minha escola tive problemas com ciganos - alunos ou pais.
Mas revolta-me que eles faltem sempre às aulas e por isso não aprendem e depois andam lá até aos 15 anos e aí já provocam disturbios, não por serem "maus" mas por causa da diferença de idades.
chateia-me que eles tenham tudo à disposição e não o aproveitem - como almoços e magalhães - enquanto que meninos e meninas filhos de pais trabalhadores e esforçados, não têm direito a nada!

Bea disse...

parabén pelo post, tão lucido e real... subscrevo.

Emiele disse...

Volto aqui para deixar uma citação de uma frase que li por aí num blog que por sua vez citava uma crónica:
Se um pai "branco" bate na filha (porque esta beijou um preto), esse pai tuga é visto como racista. Se um pai cigano bate na filha (porque esta beijou o mesmo preto), esse pai não-tuga passa à condição de "patriarca cultural"

Vem inteiramente ao encontro do que disseste sobre racismo.

setora disse...

Emiele, esse pai cigano é tão xenófobo quanto o outro. Ou será que acha que o pai branco também é patriarca de alguma coisa?
Vira-se a coisa facilmente. Na escola o menino cigano faz asneira - é marginal; o menino caucasiano faz asneira igual ou pior - é criança, é traquina, é vivo, no máximo é hiperactivo.
Militância antixenófoba precisa-se!

Saltapocinhas, és uma sortuda. Então só os meninos ciganos é que têm tudo de mão-beijada e não aproveitam?