15 de dezembro de 2004

Diga à gente, como vai este país...

Ora atentai lá nesta coisa vinda no Diário da
República nº 285 de 6 de Dezembro 2004:

No aviso nº 11 466/2004 (2ª Série), declara-se aberto concurso no I.P.J. para um cargo de "ACESSOR", cujo vencimento anda à roda de 2500 Euros (500 contos).
Na alínea 7:..." Método de selecção a utilizar é o
concurso de prova pública que consiste na...
apreciação e discussão do currículo profissional do candidato."
_______________

No Aviso simples da pág. 26922, a Câmara Municipal de Lisboa lança concurso externo de ingresso para COVEIRO, cujo vencimento anda à roda de 350 Euro (70contos) mensais. "...
Método de selecção: Prova de conhecimentos globais de natureza teórica e escrita com a duração de 90 minutos.
A prova consiste no seguinte:
1. - Direitos e Deveres da Função Pública e Deontologia Profissional
2. - Regime de Férias, Faltas e Licenças
3. - Estatuto Disciplinar dos Funcionários Públicos

Depois vem a prova de conhecimentos técnicos:
Inumações, cremações, exumações, trasladações, ossários, jazigos, columbários ou cendrários.
Por fim, o homem tem de perceber de transporte e remoção de restos mortais. Os cemitérios fornecem documentação para estudo.
Para rematar:
Se o candidato tiver:
- A escolaridade obrigatória somará + 16 valores
- O 11º ano de escolaridade somará + 18 valores
- O 12º ano de escolaridade somará + 20 valores

No final haverá um exame médico para aferimento das
capacidades físicas e psíquicas do candidato.
ISTO TUDO PARA UM VENCIMENTO DE 70!!! CONTOS MENSAIS!
Enquanto o outro, com 500, só precisa de uma CUNHA!!

(recebido por mail)

11 comentários:

Grilinha disse...

O mal é que somos nós que fazemos este País. Temos que dar a volta a isto e rápido.

fernanda dias disse...

Até me dá vontade de .. emigrar! Beijo

Didas disse...

Mas eles escreveram mesmo assessor com "c"???

Anónimo disse...

Da "cunha" já todos nós sabemos, mas o que nem todos sabem é que na maior parte das vezes estes concuros são só para "inglês ver". É que o candidato já está escolhido... aflores/ailaife blog

MRF disse...

Diga a gente o que disser, para os portugueses a cunha é sp válida. Se o vizinho trabalha na empresa X, é normal sondar se não há vaga para o filho! E boa pessoa é aquela que nos arranja um emprego, ou simplesmente uns cobres a mais. Acho que nem nos damos conta disso. O que nos choca nos altos cargos não é o modo de recrutamento, é o dinheiro que vão ganhar.

darkman disse...

sim realmente eh estranho...

Anónimo disse...

Bem,convenhamos que o cargo de coveiro é muito apetecível, pelo que se prevê que sejam muitos os candidatos a oferecer-se. Assim, covém fazer uma selecção rigorosa dos candidatos.
Quanto ao resto, eu que eu acho é que eles precisam de contratar um consultor de Língua Portuguesa que lhes diga que se escreve «assessor» e não «acessor».
Beijocas para a raposinha matreira.
(Nor- Eu e os Outros)

bertus disse...

...o teu post merece-me um comment curto e "lapidar".
-Que os coveiros enterrem de imediato os Acessores da Cunha.
-Que os Acessores sem Cunha, deixem trabalhar em paz os coveiros se não querem ser enterrados...
Intés!!

Yardbird disse...

LOL! Nem acredito

Maria Papoila disse...

É o país que temos. Quem não têm cunhas está F...
bjs

Anónimo disse...

É a república das bananas!Estás admirada saltapocinhas? Não há como a cunha metodo rápido eficiente e eficaz de entrada em qualquer cargo basta para isso ter um bom padrinho.Quem não tem cunha não tem competência e por isso as tais provas.Cumprimentos. Arte por um Canudo