10 de março de 2005

Sem título...

Hoje roubei este post ao Santos Passos.
E não digo mais nada, não vale a pena.
Aliás, posso dizer-lhe uma palavrinha: Obrigada!

«Viva a saltapocinhas
Podem me chamar de bocó (esse termo nem mais se usa), mas várias vezes me emociono com detalhes da educação em Portugal. É o facto, por exemplo, de um concelho pagar a um taxista pra que leve à escola - todo santo dia - um aluninho perdido em alguma aldeia remota. Essa destinação de uma fatia do orçamento demonstra a importância que os portugueses reconhecem na educação. Eles, de natural tão pão-duros, "esbanjam" para que uma criança tenha acesso ao estudo. Sei que mesmo assim é pouco. Meus primos do Alentejo me contaram que a escola em que estuda sua filha não consegue verba pra pagar a alguma senhora pra que fique com as crianças nas horas em que não está a professora. Mas, comparada a situação portuguesa à brasileira, não. Não há comparação. Crianças do sertão andam quilômetros, todos os dias, para ter acesso à escola. Quando há escola. Afinal, nossos atuais dirigentes esnobaram escolas e estudos e "deram certo". Pra quê desperdiçar dinheiro com essas bobagens?Tudo isso a propósito de uma professora de Aveiro que teve a idéia de fazer seus alunos da segunda série (imagino que crianças em torno dos oito anos, por aí)produzirem um blog.Não deixem de visitar o
Blog dos Golfinhos.É, antes de tudo, um tributo ao futuro. Um investimento na qualidade da posteridade. Quase dizia que é uma pena que "saltapocinhas" seja pseudônimo. Gostaria de homenagear a pessoa verdadeira que se esconde sob esse rótulo.Ao pensar mais um pouco, descubro que isso é bom. No pseudônimo, com seu caráter anônimo, fica uma homenagem a tod@s @s professor@s portugueses.»

E eu agradeço em nome de todos os professores portugueses e fico ainda esperançosa de que nem tudo esteja perdido aqui no nosso cantinho...

2 comentários:

Santos Passos disse...

E eu, agradeço a indicação que fizeste ao "Querido Leitor".
Beijinhos

Amaral disse...

Foste visitar-me, soube que existias (num blog)...
E aqui estou eu a ler-te. Com prazer, porque nada me desgostou.
Como estou longe, não encontrei o "teu sentido de humor", mas já vi que em boa hora o encontraste. Ou talvez nunca o tivesses perdido?!
A cena da fotografia do Freitas também só a posso compreender por despeito, por uma ciumeira qualquer. Na política, vale tudo, nada se desculpa!
Está bem enquadrado o teu comentário sobre os exames. Pode ser que o Sócrates te ouça e inclua nos seus planos tecnológicos os cursos que defendes.
Vou voltar para continuar a "ver-te"!