2 de fevereiro de 2006

Os sindicatos...

Parte 2.829.063.723.899

Queria esclarecer umas dúvidas acerca do prolongamento de horários (ler nos "professores-a-dias") e telefonei para o meu sindicato.
Atenderam-me muito bem e tentaram esclarecer-me (só tentaram, pois não conseguiram e mandaram-me "fazer queixa" ao presidente, professor fulano-de-tal (esse não deve fazer prolongamentos nem substituições, mas isso fica para outro dia).

Como não fiquei esclarecida, telefonei para a delegação de Aveiro da FENPROF
(aqui um àparte para dizer que, há muuuitos anos quando me sindicalizei este era o meu sindicato preferido, mas acabei por optar pelo outro - o da FNE - porque a quota custava metade do preço!)
A menina que me atende o telefone a primeira coisa que perguntou foi "é sindicalizada no nosso sindicato?"
"Não"
"Então não a posso ajudar, só esclarecemos dúvidas aos nossos sócios"

Parte 2.829.063.723.900

Nota: nesta parte quem estiver de pé é melhor sentar-se.
Se és professor é melhor teres por perto um copo de água com açúcar.

Sobre o assunto que me levantou tantas dúvidas - "Organização e distribuição do serviço docente nas escolas" - achei na net, com a ajuda da Angelis, um Relatório Preliminar do Grupo de Trabalho do Sindicato dos Professores da Zona Norte.

Acerca das vantagens das aulas de substituição, a certa altura deste relatório pode ler-se:
«3.1 Vantagens:
Os alunos respeitam os tempos escolares.
(...) (...)
Os professores não se concentram na sala de professores na maledicência»

13 comentários:

Q disse...

Quanto a essa história de só responderem aos sindicalizados, são muitos os sindicatos que o fazem. Fico com os cabelos em pé, mas é mesmo assim. Não é só o teu!
Quanto à maledicência... lol
Tu não precisas, tens o blog, não é? :))
Mas "isso" veio num relatório do Grupo de Trabalho do Sindicato ...? Eu fui ler outra vez. Saltapocinhas, a gente fica mesmo sem palavras, né?

Emiéle disse...

Como é que o meu comentário ficou só com Q como assinatura???? Eu assinei! Isto está com mau olhado é o que é!

PN disse...

Bem essa da maledicência fez-me soltar uma grande gargalhada interior, que não pôde ser sonora por estar acompanhada quando li...
Quando ao sindicato que não te respondeu, por acaso é o meu e eles optaram por essa política devido à gde quantidade de perguntas que recebem. Claro que se dissesses que sim, eras sindicalizada, atendiam-te e nem confirmavam.
Dos últimos contactos que tive com sindicatos, um nao me ajudou nada, mas tiveram o cuidado de me telefonar. O outro foi útil. Ainda assim acho que são 1 mal menor. Essa de na FNE a cota ser menor é que estanhei porque pensava que se descontava o mesmo em todos (1% ou 10%? eu de n.ºs não entendo nada). Mas este ano ganho tão pouco que nem sequer desconto, por isso nem me preocupo...

Joana disse...

Estou estupefacta! Não consigo dizer muito mais!
Há pouco tempo dirigi-me à FENPROF do Porto (pessoalmente)...esclareceram todas as minha dúvidas e nem perguntaram nada! Retribuiram ainda com um sorriso simpático.
Mas acredito que seja esse o procedimento em casos normais...neste país faz-se tudo por dinheiro! :(
"Os professores não se concentram na sala de professores na maledicência"...esta parte é terrivel!
Hoje tive conhecimento de uma história que aterrorizou:
Numa escola EB2/3 um aluno deu uma pancada na cabeça da professora. Esta caiu, bateu com a cabeça e ficou inconsciente.
Esta internada no hospital, ao que parece depois de ter estado em coma!
Como é possível?????
Expliquem-me...isto não pode estar a acontecer!
Bem...beijo e força!

Paula Santos disse...

E qual é o sítio que o sindicato indica para os professores se encontram na maledicência nas escolas onde não há sala dos professores?

midas disse...

Os sindicatos são maus. Mas é bom não esquecer que são os professores que lideram os sindicatos.
A parte da maledicência… não deve existir escola neste país onde não aconteça.

saltapocinhas disse...

@@ MIDAS: É claro que existe... Se na minha escola existisse sala de professores haveria maledicencia...contra os sindicatos!!Mas achas normal essa frase aparecer num documento de trabalho????

sem eco disse...

acho q é tempo p/uma canção.
"muda de vida, se tu ñ viveres satisfeito,..." lá lá lá! ;)
e mais... os profes, mts xs, concentram-se na sala de professores na maledicência!
....
pronto, era só p'ra picar um naco! =)

SaltaPocinhas disse...

@@ SEM ECO: na minha escola não se concentram porque nem há sala de professores (e somos só 2!). Em mais de 4000 escolas deste país os professores estão sozinhos com 1 ou 2 alunos. Mas tens razão no "mudar de vida": não vou mudar de profissão porque, apesar dos sindicatos gosto muito da minha... Mas vou dessindicalizar-me: pelo menos não escrevem mais parvoices com a ajuda do meu dinheiro!

AnaCristina disse...

Sabes o que me apraz dizer?

Welcome to the real world!!

E mais não digo!
Um abraço

com mais eco agora... disse...

saltapocinhas, ora aí está uma atitude radical, pensaste bem?!~

sindicatos. ñ se pode viver sem eles, ñ se pode viver c eles! ;)

JesusRocks disse...

Eu por acaso caí da cadeira logo na primeira parte. Mais uma prova para suportar a minha teoria de que os sindicatos (pelo menos alguns) são apenas mais uma forma de controlo. A única diferença entre um sindicato e um bom advogado é que o sindicato cobra menos dinheiro mas, por outro lado, nem sempre consegue (ou pretende) proteger os interesses dos associados.

Deviam acabar com essa palhaçada.

Quanto à segunda parte... reflecte também a minha opinião de que o problema da área da educação em Portugal não é da exclusiva responsabilidade do Estado - é essencialmente da responsabilidade de todos, começando nos próprios professores e passando pelos sindicatos. Assim, não vão longe (só a descer). E não são [apenas] melhores políticas que irão resolver todos os problemas conhecidos nesta área - a solução é muito mais complexa do que meia-dúzia de diplomas aprovados na AR. A solução começa em vós próprios, os professores.

Beijocas e desejos de um futuro melhor para a tua classe profissional.

midas disse...

Não faz qualquer sentido aparecer num documento de trabalho e nesses termos em lado nenhum. É de elementar justiça não generalizar e evitar este tipo de comentários que moralmente ficam bem. Sem qualquer outro fim ou mesmo legitimidade por parte de quem os profere.
Este tipo de situações apenas termina se os professores forem exigentes com aqueles que os representam, não deves sair do sindicato – se achas que pode ter utilidade - deves é denunciar as situações que não dignificam o papel de docente, independentemente da posição que ocupam.
Já agora, qual a fundamentação para proferir a afirmação «Os professores não se concentram na sala de professores na maledicência»