2 de maio de 2009

Onde é que tu estavas no 24 de Abril?

Mais um desafio, desta vez da Emiele...
Trata-se de contarmos onde estávamos e a fazer o quê no dia 24 de Abril de 1974.
Quando ela me desafiou, fiz-lhe ver que nessa data ainda não tinha nascido, mas nem assim ela se comoveu!!

O dia 24 de Abril era, nessa altura da minha vida, um dia especial: a C. fazia (e ainda faz!!) anos.
Nesse dia de 1974 fazia 15 aninhos.
As festas de anos dessa altura não eram como as de hoje, nas discotecas e pizzarias.
Eram em casa, mas com uma particularidade ainda mais interessante: incluíam jantar e dormida! E ainda outra: na festa dela a única convidada era eu, na minha era ela! (a minha irmã, mais nova 5 anos que nós, fazia parte do "pacote" mas não contava!

Nesse dia, devo ter feito o habitual: escola (andava no 5.º ano do liceu, actual 9.º) e depois da escola e do lanche, devo ter rumado a casa da C.
Devemos ter feito as brincdeiras do costume, depois jantámos, vimos televisão e fomos dormir.
Dormir é força de expressão: a mãe dela montava o sofá na sala - ficava uma cama enorme - e nós ficávamos na galhofa até às tantas.
De vez em quando o pai ou a mãe dela mandavam um berro lá do quarto "toca a dormir que são horas" ou "párem de falar e durmam", mas nós continuávamos!

Nessa noite, de 24 para 25, (lembro-me perfeitamente porque a data ficou célebre), de madrugada ouvimos uma grande bulha de gatos, levantámo-nos da cama, saímos pela janela e fomos ver o que se passava no quintal...
De manhã, quando chegámos à escola disseram-nos que não havia aulas porque tinha havido uma revolução.

"Uma revolução?
Mas que raio é uma revolução?" - lembro-me de ter pensado vagamente, mas a perspectiva de um dia livre inteirinho para brincar e ainda por cima com montes de pessoal da escola, deixou-me super-feliz!!

(Já depois de ter escrito este post, pus-me à procura do meu diário e encontrei o dia 24 de Abril de 1974...
Aqui está!!
não se riam da minha escrita: tinha 14 anos!!)



Quem é que eu hei-de desafiar??
As vítimas são (depois de muito pensar!):

AFlores
Castanha Pilada
Bea e
José Antonio!

11 comentários:

Bea disse...

Bem!!! que espectáculo!!! e com direito a abrir o diário ao público... Do melhor mesmo! Parabéns, vou responder ..Já! bjs

Shakti disse...

Adorei ler ...

bj

Castanha Pilada disse...

Ora bem, eu já tinha contado isto...
Bem, arranjo outra versão, até é giro. Sai no dia 6. Certinho.

Castanha Pilada disse...

PS: Adorei o pormenor do diário. É verdadeiro?!

Saltapocinhas disse...

castanha: claro que é! tenho um monte de cadernos a fazer de diários!

Bea disse...

Ok... tens razão era 24 mas seria impossível porque acho que o 25 apagou da memória tudo o que tinah acontecido no dia anterior e não conseigo mesmo nada, nada, nada! DEve ter sido um dia muita chato.
bjs

aflores disse...

Já falei deste assunto no meu blo, mas faço aqui um pequeno resumo:
No dia 24 de Abril de 74 tinha 17 anos. Trabalhava (desde os 15) e estudava à noite. Nesse dia e nos anteriores, recordo, que andava muito excitado devido ás noticias e contecimentos dos últimos meses.
O meu avô materno, que já tinha passado por interrogatórios, torturas e prisão da pide, era o meu ídolo e professor, para grande preocupação da minha mãe.

Nessa altura eu tinha o cabelo muito comprido, usava calças boca de sino, nas férias do trabalho ia para a construção civil para ganhar mais algum dinheiro (que entregava todo à minha mãe)e tinha dois sonhos:

- que um dia a ditadura acabasse;
- gostava de ser bailarino.

A ditadura acabou para bem de todos, mas não consegui realizar o sonho de ser bailarino...a minha mãe dizia que isso era coisa de "maricas" :( que era preciso trabalhar para comer e que a dança não matava a fome.

Para acabar deixo aqui um pormenor muito importante. A minha mãe possuia um BI em que a determinado ponto (na penúltima folha) tinha escrito a vermelho que esteve presa e foi interrogada pela pide por agitação politica anti governo, e esse "pequeno pormenor" fez com que a minha mãe nunca tivesse emprego pois ninguém a empregava.

Foi um dia muito feliz quando após a revolução teve direito a um BI "limpo", como ela dizia.

Adorei o teu post, que te lembrasses de mim e o pormenor do diário (que também tenho) é muito muito 5 estrelas :)))))

(mesmo que tivesses verificação de palavras eu deixaria este comentário ) ihihihihihi

aflores disse...

...desculpa os erros no comentário anterior, mas ... esqueci-me das "lunetas".

Maldito pdi :))))

mfc disse...

Eu?!
... estava exactamente na véspera do 25!

Emiele disse...

Impecável!!!!
Tens toda a razão, ainda não encontrei uma resposta como a tua!
De qualquer modo, repara que quer tu, quer eu, tivemos uma «outr data» importante para fazer recordar essa 'véspera'
Gostei tanto de relembrar as conversas de amigas adolescentes onde se ficava horas e horas a falar com arrelia dos pais!

Dylan disse...

"Lembrar Abril"


Nesta altura do ano surgem sempre os detractores da Revolução de Abril - uma espécie de saudosistas do Estado Novo - pois "antigamente é que era bom", dizem eles. Como se 40 anos de obscurantismo não tivessem atrasado irremediavelmente o País e a Pide fosse uma qualquer organização sócio-cultural! Esta nostalgia serôdia dá náuseas e piora quando falam com desdém do "excesso de liberdade" e da democracia.

Mas será que esta gente não se lembra do que acontecia no tempo do pseudo-estadista? A colagem ao fascismo, as repressões políticas e públicas com a vergonhosa conivência da igreja católica, a censura literária, a educação baseada num nacionalismo bafiento, da interminável Guerra do Ultramar e do obsessivo colonialismo.

Actualmente parece que entramos num processo de regressão pois inauguram-se ruelas com nomes de ditadores existindo também regiões do País que ignoram a data. Convém explicar às gerações futuras que a História não pode voltar a repetir-se e que a morte de homens como Humberto Delgado não pode ter sido em vão.

http://dylans.blogs.sapo.pt/