30 de novembro de 2009

.

Para tratar de gente como este ser, que ontem matou a ex-mulher à frente da filha de 5 anos e depois ainda matou um agente da GNR, devia ser restaurada (já que estamos quase no dia da restauração) a pena de prisão perpétua.

Ou então, a pena máxima poder ser aplicada cumulativamente tantas vezes quantos os crimes cometidos.
Pode ser que diminuam os criminosos, se o crime deixar de compensar...

7 comentários:

Shakti disse...

Podes crer, não podia estar mais de acordo !

bj

mfc disse...

As penas nunca são inibidoras do crime... senão nos EUA não haveria crimes!

ameixa seca disse...

Não sei é como a polícia não fez nada de nada! Isso é que não entendo!!!

aflores disse...

Lá vou eu ser "mauzinho" e as pessoas ficaram zangadas comigo...E porque não, a PENA DE MORTE?

Já sei que não são as penas in ibidoras (obrigado MFC)do crime, mas um "gaijo" daqueles não merece viver, ponto final parágrafo.

Angel disse...

E aquele que matou (depois da namorada ou mulher e irmã dela) a criança de 6 anos q dormia tranquilamente na cama, dps do jantar de Acção de Graças na Flórida? Não entendo q culpa tinha a criança... os adultos q são grandes q se entendam, agora meter as crianças ao barulho...ñ percebo nada disto...

maria mar disse...

Justiça pesada em cima desta escumalha. Se eu mandasse qualquer coisita...

Emiele disse...

Estou inteiramente de acordo com o mfc.
Mas o que aqui a Saltapocinhas levanta é outro aspecto, quanto a mim. Um tarado destes deve ou não estar em contacto com a sociedade? Num caso assim, como os pedófilos e violadores e esses tipos de desvios, como o facto de estarem presos não os "cura" ao sair uns anos depois é como deixar uma fera em liberdade. As outras "feras" continuam a ser umas bestas e a praticar crimes, mas ao menos a que já se manifestou deve ficar bem guardada.