4 de novembro de 2009

Sem eira nem Beira... Mar

A propósito do que escrevi há muito tempo sobre o assunto do campo de futebol do Beira-Mar, foi-me deixado este vídeo na caixa de comentários.



Eu continuo a achar o que sempre achei: fazer um investimento daqueles, com as despesas que acarretou para a Câmara Municipal (e que ainda não acabaram) foi a maior barbaridade de todos os tempos.
Nem era preciso ser muito esperto para entender que um empreendimento gigantesco, para uso de um pequeno clube de futebol, e ainda por cima a milhas da civilização, só podia ser um fiasco.
E com as manias de grandeza dos outros eu posso bem, desde que não sejam realizadas com o meu dinheiro...
O que não é o caso!

3 comentários:

aflores disse...

No passado sábado, passei lá ao lado....no próximo domingo vou voltar a passar por lá (tenho que ir a Peniche). Lembro-me logo de ti e do tal pastel de nata e café há muito prometido.

Quanto ao "elefante branco"...infelizmente, há muitos por esse País fora.

Anónimo disse...

O problema não foi fazer o Estádio, mas sim o local onde foi feito e quem o gere. Quanto ao local já nada se pode fazer. Agora ao resto pode-se fazer tudo, basta ser competente e empreendedor. Implodir o estádio? Ou implodir quem o gere? É só ver por esse mundo fora que os estádios já não são só para o futebol. Têm concertos, museus, academias de ginastica, exposições, centros comerciais...

maria mar disse...

De megalómanos estamos cheios, ainda se as verbas fossem deles, mas não! pagamos todos as taras de alguns. Pesa-nos este e mts outros estádios, para honra e gloria dos lobbies do futebol, quando a nível cultural estes investimentos teriam servido para um progresso qualitativo do País.