25 de abril de 2005

25 de Abril, Dia dos Namorados

cravo.jpg

25 de Abril... de 1975

O dia estava lindo, luminoso, quente e cheio de sol!
As pessoas andavam com um brilhozinho especial nos olhos: afinal era a primeira vez que se podia votar livremente!
Por volta das 3 da tarde fui levar o lanche ao meu pai, que estava numa assembleia de voto. Como eram as primeiras eleições era tudo tão a rigor que as pessoas não saíam lá de dentro nem para comer... O cuidado era tanto que não me deixaram entrar com o lanche: dei a um senhor que depois o foi entregar (frustando a minha tentativa de ver como eram as eleições por dentro...)

No caminho de volta a casa encontrei o meu grupinho de amigas e resolvemos ir comer um gelado ao café onde costumávamos ir, no centro da vila.
Nisto passa um carro com um rapaz conhecido de uma delas.
Ele parou, ela apresentou o resto da malta e fomos todos para o café.
Chegados lá, eu desisti do gelado e resolvi pedir uma Coca-Cola.
Gelado era coisa de crianças e eu, com os meus 15 aninhos, não queria parecer uma criança à frente do rapaz, que era mais velho.
(O que não teria nada de mais não fora o facto de eu não gostar de Coca-Cola!)

Ele trazia ao peito um enorme "pin" do PS, era lindo, charmoso, com um enorme sentido de humor (embora um bocadinho arrogante para o meu gosto, que estava habituada a lidar com "meninos" da minha idade).
Já era de noite quando se foi embora, sem data marcada para voltar.
Voltou logo no 1.º de Maio e também nos encontrámos na rua e também fomos ao mesmo café... (não sei o que bebi, mas não foi Coca-Cola!)

E foi assim...
Desde esse dia nunca mais nos separámos.
Acho que posso acabar esta história como costumam acabar as de contos de fadas de que tanto gosto: casaram, tiveram muitos meninos (dois, pronto, não pode ser tudo igualzinho) e... viveram felizes para sempre!

PS: por isso hoje é o meu "dia dos namorados" e não devo estar em casa pois pretendemos sair para festejar...

26 comentários:

JesusRocks disse...

Então divirtam-se muito e aproveitem bem o dia. Essa história de amor tem praticamente a minha idade. :)

fotoaprendiz (M.P.) disse...

MUITO BEM!!! Então.. namorem MUITO e PARABÉNS!;)**

pekala@sapo.pt disse...

Epá,eu ainda nem era nascida!Mas os meus pais já namoravam;)
Divirtam-se e passeiem e dêem montes e montes de beijinhos peganhentos:)))Não há nada melhor do que namorar,namorar,namorar!!!!!!

JPD disse...

Olá saltapocinhas

O que mais desejo é que nunca te sintas tão desalentada quanto as poessoas que nessa data votaram pela primeira vez e agora acham que a esperança então depositada está seriamente frustrada...apesar de acharem que jamais poderá voltar um regime onde o voto livre tivesse sido banido.
Bjs

Betty Branco Martins disse...

Olá Saltapocinhas

É um ENCANTO a tua história. Já que existe tanto desencanto, no que diz respeito...

"25 de Abril, Dia dos Namorados"

Viva O Dia Dos Namorados!

Que se beije,namore e que se ame muito com muito encanto e muita magia!

Um beijo

aflores disse...

25 de Abril, Dia dos Namorados. Deve ser engano, pensei eu. Será o servidor do sapo que está maluco novamente? Depois comecei a ler com calma e dei comigo todo "agarradinho" à história:):) É caso para dizer, 25 de Abril sempre!!!

Vulcão disse...

Espero que tenhas festejado e namorado muito ;)

Didas disse...

E com mais uma vantagem: No vosso dia dos namorados é sempre feriado! :)

Cakau disse...

Que bonita a vossa história, saltapocinhas :) Muito mais marcante pelo simbolismo que tem a data.

Sejam felizes... para sempre! Como nos contos de fadas e princesas *

Gustavo Almeida disse...
Este comentário foi removido por um gestor do blogue.
Gustavo Almeida disse...

25 de Abril de 1974.

Bonito dia deve ter sido para vocês.

Quanto a mim, estava ainda no ventre de minha mãe quando esse dia mudou o percurso da nação, e, já agora, o vosso...

Bem longe deste rectângulo de terra, face da Europa, contaram-me que, nesse dia, subitamente, começaram a chegar as notícias dos acontecimentos a Luanda, onde eu haveria de nascer cinco meses depois.

A minha mãe era professora do ensino básico e encontrava-se a dar aulas. Ao assistir ao burburinho que vinha do exterior, começou a ver inúmeras cabeças sobre os muros a olharem para o recinto escolar, com o medo estampado nos rostos. Eram pais dos diversos alunos, brancos ou pretos, não interessa, que com medo dos ruídos e notícias desencontradas que ouviam na rádio, acabaram por ir procurar os filhos para se recolherem em suas casas.

Ao que parece, devido a essas notícias dissonantes, algum regimento militar terá entendido que a escola X estava a ser atacada, por não se sabe quem, e acabou por enviar um destacamento. A páginas tantas, a minha mãe terá compreendido que algo estava errado e, ao ver os militares no exterior da escola, teve que se impor para que nenhuma chacina ocorresse por má informação.

Aqueles militares deverão ter visto, pela primeira vez, uma mulher jovem, professora e grávida, a colocar-se à sua frente impedindo que cometessem alguma atrocidade irreflectida, ainda que fosse em nome da propalada liberdade.

Aqueles pais apenas estavam a procurar os seus filhos, em normal instinto protector, para os recolherem nos seus lares até que as coisas acalmassem…

Afinal de contas, foi, sem dúvida, um dia de amor, nos mais diversos sentidos...

(trata-se de uma história verídica)

Clitie disse...

Estava um lindo dia!! Pelo menos em Madrid onde estive no fim de semana e prometo partilhar com voces o que lá vi...por isso atentos ao meu bloguinho...

Bjs a todos

António disse...

Olha como estamos sempre a aprender!
O 25 de Abril também foi casamenteiro!
Jinhos

Gustavo Almeida disse...

Olá Saltapocinhas!

Peço desculpa pelo lapso de um ano. Lol!!!

Efectivamente, dei por mim a magicar o ano de 1974, ano da revolução, quando te referias efectivamente já ao ano de 1975.

Bem... pelo menos deixei aqui vertida uma semente de uma memória de família.

Infelizmente, a minha mãe já não está entre nós (desde há 7 anos) para nos confirmar mais alguns dados, que ela, enquanto professora, teria certamente sabido esclarecer melhor do que a minha memória de simples contador de algo que me foi transmitido e que, conscientemente, não consigo recordar.

Bárbara Vale-Frias disse...

Que história linda. Ainda por cima, têm a grande vantagem de ser sempre feriado e de poderem gozar o dia juntinhos!

Obrigada pela tua visita. Volta sempre ao Sublimações :)

Grilinha disse...

Uma forma diferente de comemorar o 245 de Abril. Faço votos para que festejes este dia por muitos e muitos anos e sempre a namorar. :)

Carla disse...

Fiquei tão comovida... :) Que história tão bonita! Um beijo enorme e parabéns :)

BlueShell disse...

Lindo...e ternurento. Gostei tanto de ler. Jinho, BShell

Amaral disse...

Como vês, as "coincidências" ofereceram-te a possibilidade de Seres O Que Querias, num dia especial para tanta gente.
O teu "dia dos namorados" pode ser comemorado todos os dias, mas os cravos anuais vão sempre dar-te um cheirinho único e pessoal.

Varela de Freitas disse...

Já de algum modo te dei os parabéns na minha Memória... Reforço-os aqui. Abril em Portugal é sempre Abril em Portugal...

O Micróbio disse...

Tem cuidado... olha que os amores de Abril são demasiado revolucionários e só despontam 1 vez por ano! :-) Olha lá, o P.S. final tem algo a ver com o "pin" arrogante? :-))

António disse...

Como estava eu na tropa em 1974?
Nasci em 1949.
Acabei o curso em 1972
Fui para a tropa em 1973 (Setembro)
Saí da tropa em 1975 (Novembro)
Percebido?
Jinhos

Adryka disse...

Pois que seja o dia dos namorados, vou na tua, gosto até muito mais. Beijos

Anónimo disse...

:) Muitos, muitos parabéns!
Beijinhos. Pedro A.

lique disse...

Mais uma história linda do 25 de Abril. A tua história de amor. Felicidades, sempre! :) Beijinhos

Anónimo disse...

É por falares lingua de gente, que gosto de ti. E te respeito, tanto, tanto. Mulher.

Partilhas