16 de abril de 2005

Presunção e água benta...

Um dia durante a 2ª Guerra Mundial um bêbedo berlinense puxa o autoclismo da sua casa de banho exactamente na altura em que cai uma bomba dos aliados nas redondezas de sua casa, ficando tudo destruído. E o homem diz "Meu Deus, o que eu fui fazer!!"

Hoje lembrei-me desta história quando ouvi no Jornal da Tarde aquele-indíviduo-inqualificável-que-dá pelo-nome-de-Alberto-João dizer que a medida do governo de querer limitar os mandatos dos autarcas era por causa dele, para o derrubar do poder e blá blá blá!!
Valha-me Deus!

Sobre esta medida do Governo só tenho a dizer que peca por tardia e que devia funcionar já nestas eleições.
Eu sei que este tema não é consensual, mas eu acho que os autarcas devem ter os seus mandatos limitados sim.
É a nível das autarquias que se têm feito as coisas mais extraordinárias deste país desde o 25 de Abril, mas também é nas autarquias que se assistem às maiores barbaridades e atropelos à lei.

Dada a sua influência na vida económica da região, a sua continuidade por tempo exagerado conduz à formação dentro da autarquia de um "núcleo duro" que aproveitando-se das funções estratégicas que exercem passam, com o decorrer dos mandatos a servir-se em vez de servir.
Aqui há uns tempos não havia dia em que não fosse noticiado um caso de corrupção que alegadamente envolvia autarcas.
Os "favores" aos construtores civis são os que mais saltam à vista: alguém conhece alguma cidade que não tenha crescido desordenadamente com prédios sobre prédios sem espaço para mais nada?
A nível das Juntas de Freguesia, o panorama embora a outro nível é idêntico. Deixam de ser autarcas e passam a considerar-se "donos".

Há excelentes e honestos autarcas?
Claro que há, afinal como diz o povo "a excepção confirma a regra"!

Frase do dia
«Deixe sempre para amanhã o que não deve fazer nunca.»
M.M.

9 comentários:

lique disse...

Concordo em absoluto contigo, no que respeita à limitação do número de mandatos. O poder corrompe e quanto mais tempo lá estão, pior é. Quanto ao Alberto João, olha eu já só me rio, porque não consigo indignar-me mais! Beijinhos

BlueShell disse...

Realmente: só assim se pode acabar com certas "negociatas"...que vão existindo quando alguém está há muito tempo num mesmo cargo. DEIXO um beijo;
BShell

António disse...

De acordo!
Já tive a opinião contrária, noutros tempos.
Mas mudei!
Afinal só os burros é que não mudam de opinião, não é verdade?

Carla disse...

Também concordo. Muito tempo no mesmo poiso, num lugar de poder, cria comodismos e facilitismos. É necessário renovar e dar espaço a quem vem 'de sangue na guelra' :) Beijo grande e bom domingo :)

JesusRocks disse...

Concordo com a limitação de mandatos em todos os cargos de chefia na política. Existem sempre outras formas de implementar políticas de desenvolvimento sem precisar de estar no poleiro. A Câmara Municipal do Seixal é prova clara e evidente disso.

sonia disse...

concordo em absoluto. o poder em demasia faz mal...
e a frase do dia é o meu lema de vida eheheheh.
beijinhos

Kapa disse...

Achei o teu blog por acaso e adorei, muitos parabéns.
Em relação a este post concordo contigo plenamente, e o Alberto João está a ver o seu reinado a chegar o fim, pois eu conheço mais ou menos a Madeira e ela limita-se essencialmente ao Funchal o resto é povo.
Adoro Aveiro, já por aí passei algumas vezes e tenho aí alguns amigos. Parabéns pelo Blog

O Micróbio disse...

E tb sabes aquela história do Solnado, quando ele contava o episódio do avô: "O meu avô era surdo como uma porta. Uma vez caíu uma bomba lá em casa e o avô, nos meio dos escombros, gritou: 'Não batam com as portas'!"...

magnolia disse...

Concordo plenamente e subscrevo o teu post.
O "poder" é uma arma que sendo usada muitas vezes em benefício próprio e como criação de lobies pode ser bastante perigosa. Acrescentando o facto de que a permanência indefenida de alguns eleitos na cadeira do poder pode fazer nascer novamente grandes ditadores.
Beijinho