7 de abril de 2005

"Furos" - Parte 2

E volto aos "furos" desta vez mais a sério.

Antes de mais devo dizer que acho inadmissível e uma falta de respeito para com alunos e pais que haja "furos" nos horários. Ainda há jovens (quase crianças) que saem de casa de madrugada e entram em casa de noite porque moram longe, têm transportes a horas impróprias e horários mal elaborados.

Quando me referia aos "furos" estava a pensar apenas naqueles que derivam da falta de um professor. E que devem ser uma excepção e acontecer muito de vez em quando...
Continuo a achar que esses podem ser úteis, sabem muito bem e constituem um direito que não deve ser retirado aos alunos: o de disporem de 50 minutos livres.

O problema só se põe quando há mais furos que aulas...
E isso, infelizmente, acontece com muita frequência.
Às vezes há manhãs ou tardes inteiras em que os alunos têm uma ou duas aulas!
Nesses casos as crianças andam por ali mais ou menos ao abandono e até chegam a sair da escola para frequentar os cafés estratégicamente colocados nas suas imediações (não conheço nenhuma escola C+S que não tenha nenhum café muito perto...).
Fala-se tanto em avaliar professores e não se avança muito pois é uma tarefa bem difícil porque os resultados do seu trabalho têm muitas variantes. No entanto há um aspecto fácilmente avaliável: a assiduidade.
Não se podia começar por aí?

Sobre "horários zero" e horários reduzidos não vou falar porque não estou dentro do assunto. Mas acho que é um problema a resolver, este sim mais urgente que o de "tapar furos"!

14 comentários:

Carla disse...

Também me lembro de ir jogar snooker quando tinha furos ou algum professor faltava :) Penso que é importante poder-se ter algum tempo livre entre tantas horas de aulas. No entanto, com conta, peso e medida. Ter 3 e 4 horas livres à espera de uma aula é muito aborrecido. Devia-se começar por aí, sim. Pela causa e não pelo combate ao efeito. Beijo grande :)

aflores disse...

Olha este exemplo: Manhã com aulas, paragem para almoço regresso à tarde (16) para uma aula de ginástica :((((( que tal? Acho que o problema já vem da altura em que são feitos os horários.

Miguel Pinto disse...

Não consigo visulalizar esta página através do Mozilla Firefox. O que é que se passa? Como é que podemos ultrapassar o problema?

O Micróbio disse...

Eu continuo a dizer que com os furos aprende-se muito e que por isso são necessários para fortalecer a personalidade de cada um...

SaltaPocinhas disse...

@@ AFLORES: E ás tantas a dona desse horário tem alguém que a vá buscar para almoçar e que a volte a levar à hora da aula. Agora imagina os de longe, que não têm quem os vá buscar. Todas essas horas à boa vida só podem trazer maus resultados àqueles que já não gostam muito de estudar e desmotivar os que gostam. tal como escrevi no meu post esse é o verdadeiro problema.

SaltaPocinhas disse...

@@ MIGUEL: Não faço ideia, já não é a primeira vez que me dizem isso. Mas eu não percebo nada do assunto...Vou tentar saber, ok?

Cakau disse...

Acho que a minha opinião do post anterior vai ao encontro da tua neste post.

"Feriados" (quando um prof falta) é uma coisa; furos entre as aulas é outra. E é muito chato.
O meu primo de 13 anos, entra todos os dias às 8:30, mas às 10:30 tem um furo, depois tem uma aula das 11:30 às 12:30 e tem tardes horrivelmente preenchidas (se é que se pode chamar preenchidas a tardes de cinco horas, com dois furos pelo meio).

Os horários deviam evitar ao máximo isso. É inconveniente e arrasta os alunos para outras experiências que podem não ser assim tão positivas quanto se espera.

E deixo-me ficar por aqui ;)

Beijinho grande e bom fim-de-semana *

Anónimo disse...

Trabalho em horário normal...o único "furo" que tenho /se assim se poder chamar) é uma hora para intervalo de almoço, não só para mim como para as minhas crianças...compreendo a problemática dos "furos" e as consequências nefastas para as crianças...a quem reclamar? Beijinhos e um excelente fim de semana Angelis (http://pedevento2004.blogs.sapo.pt)

Amaral disse...

Pois é , os furos entre as aulas é um pandemónio! E o pior é que, nestas circunstâncias, há pais que não conseguem calar a situação...
Agora os "furos" são por falta do professor, como é? Eu, no meu emprego, não posso faltar, sem justificar muito bem a minha faltinha!...

Leonoretta disse...

Pois Saltapocinhas...furos a mais no 2º ciclo. ai vamos ver como é que funciona o regime de faltas para os professores do 2º ciclo, porque como deves saber, no 1º ciclo as coisas tocam pianinho quanto às faltas.

SaltaPocinhas disse...

@@ AMARAL: Osprofessores também têm de justificar as faltas... O que acontece é que se tu te ausentares do banco 1 ou 2 horas para ir a uma consulta isso não tem grandes implicações. Se for um professor implica logo 1 ou 2 furos. as pessoas conscienciosas só faltam mesmo quando não há outra hipótese. Depois há os que faltam por tudo e por nada. isto acontece em todas as profissões...

@@ LEONORETTA
Tu quando dás um "furo" é logo para o dia todo. Nós não podemos faltar por horas, o que nos põe numa situação de desvantagem. Se tiveres uma consulta às 9 tens de faltar o dia todo, nem que estejas despachada ás 10...Mas ainda ninguém reparou nisso porque o 1.º ciclo não tem importância nenhuma...

Clitie disse...

Eu adorava ter "furos" quem não gostava? Mas um furo na ultima hora, tipo 11.30h às 12.30h ou das 17.30h às 18.30h eram os melhores, pq aqueles que nos cortavam as manhas ou tardes...faziam perder a vontade de ir à aula seguinte. Por isso acho que os horararios devem ser bem estudados.

Quanto aos professores...não comento pq só não foi a minha profissão por um azar da vida e não faço ideia do tipo que seria.

SaltaPocinhas disse...

@@ CLITIE: Já é a segunda vez que vens ao meu blog e eu não consigo retribur a visita pois o link que deixas não dá para lado nenhum! :-(

Anónimo disse...

Não há furos de 50 minutos, as aulas são de 90 minutos!