8 de março de 2006

Dia do mulherio

(como diria um dos meus cronistas preferidos, Manuel Ribeiro)

Ia pôr aqui uma imagem bonita, como as que vi por aí nalguns blogues, mas lembrei-me desta adivinha que recebi há tempos: "qual é a fêmea"?

Segundo o calendário e os blogues, hoje é o dia do mulherio.
Já aqui escrevi uma vez ou duas que não concordo com os "dias de..."
Não servem para nada, a não ser para dar fôlego aos comerciantes em épocas más (essa é a única boa causa que encontro nestas comemorações).
As mulheres mais exploradas do mundo, dos confins da África aos confins da Ásia, Afeganistão e campos de refugiados incluídos sabem que este dia existe?
E mesmo que saibam? A vida delas muda alguma coisa?
Mas respeito quem acha muito bem, quem oferece flores ou escreve post's dedicados às mulheres neste dia.

Especialmente hoje fala-se de mulheres, como se elas não fizessem as mesmas coisas espantosas todos os dias, assim como muitos homens!
E fala-se sobretudo das mulheres na política (ou da falta delas).
Eu tenho cá para mim que, se não há mais mulheres na política é porque elas não querem, ou não gostam e não porque alguém as impeça de exercer esses cargos. Essa história das quotas põe-me os cabelos em pé!
E porque não quotas nas outras profissões?
E os pobres dos educadores de infância homens que ainda hoje são olhados como aves raras?

Eu engravidei duas vezes e tive o meu filho e a minha filha enquanto andava a tirar o meu curso - de 3 anos! - era quando tinha a certeza que não ia para longe, porque depois do curso tirado tudo podia acontecer.
As minhas colegas saíam das aulas e iam lanchar à pastelaria, iam às compras, iam ao cinema... Eu vinha para casa tratar primeiro do meu filho e 17 meses depois tratar dos dois!
A maternidade é sempre usada como desculpa para muitas coisas que não se fizeram.
Realmente os filhos, enquanto são bebés, impedem-nos de fazer uma série de coisas.
Mas têm uma vantagem: crescem num instante.
Por isso, não vou muito na conversa de quem diz "eu podia ter estudado ou isto e aquilo se não tivessem sido os filhos"...

E agora que os filhos têm 30 anos, qual é a desculpa?
Desde que haja vontade tudo se faz.
E as mulheres e os homens são e devem continuar a ser diferentes (graças a Deus). O que deve ser igual são os seus direitos!
Ainda não chegamos lá? Concordo!
Mas também tenho a certeza de que muita da culpa dessa desigualdade é, infelizmente, das próprias mulheres!

14 comentários:

pekala disse...

Podes ter a certeza!Enquanto houver,por exemplo,mulheres a (des)educarem os filhotes e a fazer-lhes a papinha toda esta porcaria não vai a lado nenhum....e tbm não gosto dos dias de...e apesar de ser óbvio que ha mullheres a quem todas as condições para progredir são negadas por mais que elas lutam tbm há mtas outras que simplesmente se encostam...

afigaro disse...

Ah!Também gosto do Manuel Ribeiro.Deliro com os comentários de certas "femmes", aos seus escritos dominicais.E, nem todas são loiras.

afigaro disse...

Ah!Também gosto do Manuel Ribeiro.Deliro com os comentários de certas "femmes", aos seus escritos dominicais.E, nem todas são loiras.

afigaro disse...

Ah!Também gosto do Manuel Ribeiro.Deliro com os comentários de certas "femmes", aos seus escritos dominicais.E, nem todas são loiras.

SaltaPocinhas disse...

@@ AFIGARO: Pronto, temos um gosto em comum! Não precisas de repatir!

Emiéle disse...

Olá Saltapocinhas!!
Olha, acho que disse das minhas razões lá nos posts ( olha que escrevi vários...) da 'minha casa'. Não vou repetir agora porque ficava a conversa grande mas sobretudo porque estou com muita pressa que hoje é um dia importante mas complicado cá na minha casa ( a real, não a virtual!) e não me dá para estar sentada em frente de um PC.
Até amanhã...

miguel disse...

Todos têm direito a 2 dias:
o dia em que nascem e aquele em que morrem.
Mais tarde são recordados em 2 dias:
de todos os santos e quando morreram.
Depois só fica uma leve recordação naqueles que realmente gostaram deles. Estas recordações não têm dia, são momentos vividos longe na bruma do passado...
Beijos.

Didas disse...

Pois eu cá não quero ser igual a eles nem por nada! Viva a desigualdade!

Embora até os curta, pronto...

sonia disse...

e tens toda a razão. eu vejo isso a começar na minha casa. eu fui educada para a auto-suficiência, o meu irmão para ter uma mulher que cuide dele.
e a minha mãe é muito mais liberal que a mãe dela, bem como eu vou ser mais que ela. mas é uma caminhada lenta.
olha, já passou o dia, essa é que é essa.
beijinhos e boas postaladas.

Delfim Peixoto disse...

Bom, eu caí no erro de postar nos meus blogs uns ramos de rosas e não é que me apelidaram de machista???
Afinal, quem descrimina quem???
Um abraço

Topazio disse...

oi minha amiga saltapocinhas
subscrevo a tua ideia. Se quiseres ir lá dar um salto ao meu, vais ver que é verdade.
Beijinhos

silencebox disse...

Tiveste filhos enquanto estudavas na faculdade?! E, mesmo assim, não desististe, foste em frente e conseguiste!És professora e os filhos já são adultos. Tudo se torna possivel com a força de vontade e também com o desejo de atingir os objectivos! ;-)
Um abraço

alyia disse...

As imagens dos outros blogs não são mais bonitas que essa :)
Bons 365 dias da mulher para ti **

Anónimo disse...

Looking for information and found it at this great site...
General accounting office reports Refinance my home loan64 Jackets and leathers try acuvue color contact lenses Dysfunction erectile research Accounting course high school Pilates tv winsor accounting for equipment reinstallation