28 de maio de 2005

Dúvida existencial

Dúvida do dia:

Qual é a diferença entre uma "urgência urgente" e uma "urgência não urgente"?

(é minha... a dúvida, não a urgência!)

Adenda (face às dúvidas surgidas nos comentários):

O que eu quero dizer é que, quando uma mãe ou um pai têm um puto com 40 de febre tanto pode ser uma mortal meningite como uma simples otite... Onde se devem dirigir para ficarem descansados?? Ao hospital, claro! Como podem saber se a urgência é urgente ou não?? Na maior parte das terras não há centros de saude à noite.
E se na escola um garoto torce um pé ou faz um pequeno golpe que precise de pontos SÓ O HOSPITAL o atende.
No centro de saúde não sabem, ou não querem fazer uma simples sutura numa ferida.....
Portanto as coisas têm de ser mexidas, mas não é assim do género: desde que pagues entope à vontade...
Eu votei num raio dum partido que se dizia SOCIALISTA, mas até agora não tem mostrado socialismo nenhum..
Continua a mexer na carteira dos mesmos!!

11 comentários:

JesusRocks disse...

Conheço a diferença entre emergência urgente e emergência não urgente - não sei se isto ajuda...

Uma emergência é algo que emerge, um acontecimento repentino e talvez inesperado. Se for urgente significa que necessita de uma reacção imediata... se não for urgente, logo se lida com ele depois de uma cervejinha. ;p

Miguel Pinto disse...

A utilização de filtros no acesso ao serviço de urgência (imagino um supermercado e o processo de catalogação dos produtos...) parece ser a solução. O melhor é catalogar os produtos em casa, ou não?

mfc disse...

É uma redundância... se é que ajuda!

Bárbara Vale-Frias disse...

Boa pergunta... se é urgência... é urgente! Suponho que isso seja algo relacionado com hospital, certo? O problema não é dadesignação em si mas do facto de haver uma urgência hospital única. Se compararmos um dedo partir com um politraumático todo desfeito, fica fácil compreender a distinção. Mas esse mesmo dedo partido será uma urgêngia urgente caso na sala de espera só estejam pessoas engripadas (ou que acontece muitas vezes!). Tudo é relativo.

Quanto àquela reportagem, deve dar hoje no Jornal da Noite da Sic. Ligaram-me há pouco. Se tudo correr bem, dará agora, às 20h, e depois repetirá às 23h na Sic Notícias :)

Bjs... urgentes! ;)

Zecatelhado disse...

Olá!
Agora estou em wwwlimite.blogspot.com

Aquele abração do
Semog

SaltaPocinhas disse...

Meninos e meninas que venham aqui comentar: O que eu quero dizer é que, quando uma mãe ou um pai têm um puto com 40 de febre tanto pode ser uma mortal meningite como uma simples otite... Onde se devem dirigir para ficarem descansados?? Ao hospital, claro! Como podem saber se a urgencia é urgente ou não?? Na maior parte das terras não há centros de saude á noite. E se na escola um garoto torce um pé ou faz um pequeno golpe que precise de pontos SÓ O HOSPITAL o atende. No centro de saúde não sabem, ou não querem fazer uma simples sutura numa ferida.....Portanto as coisas têm de ser mexidas, mas não é assim do género: desde que pagues entope à vontade...
Eu votei num raio dum partido que se dizia SOCIALISTA, mas até agora não tem mostrado socialismo nenhum..Continua a bater na carteira dos mesmos!!

guevara disse...

POis, eu sei do que tás a falar...
E imagina tu que outro dia fui pro hospital com uma enxaqueca desgraçada, daquelas de deitar tudo cá para fora,e deram-me fita vermelha. POrtanto fui logo atendida!
E estavam pais, com os filhos ao colo, doentes, com fita amarela.
Sinceramente, por mais que estivesse a sofrer preferia que atendessem os putos!
MAs eles disseram-me que eram especialidades diferentes e que portanto, não ia passar à frente de ninguém.
Era bom que todos tivessem médicos na família...

Lyra disse...

BOA!! :-))

cândida disse...

é evidente que há muitas falsas urgências e um uso abusivo deste serviço. não é o pagamento de taxas que resolve o problema. lá voltamos nós à educação e cidadania. mais importante seria ter uma equipa de triagem realmente competente nos centros de saúde/hospitais.

Carla disse...

Pois... urgência é urgência. Se, numa urgência, eu pensasse em ir ao centro de saúde da minha zona e fosse mesmo caso de vida ou morte... de certeza que não escapava dessa! É logo hospital e pronto! Enquanto não estiverem asseguradas as condições de urgência nos centros de saúde (falo pelo meu), é mesmo para o hospital que vou! Beijo grande. (Até pensei que me tinha enganado no blog, o ambiente está muito fresco e bonito [mas também gostava do outro; bom gosto é bom gosto em qualquer ocasião] :))

pita disse...

Uma urgência urgente é aquela que urge, pelo contrário uma urgência não urgente é aquela que não urge!
O que eu quero dizer com isto?
Nada! ABSOLUTAMENTE NADA!
Fazer filtros nos hospitais serve para fumar a ganza em casa!