17 de maio de 2005

Obesidade infantil

«A publicidade televisiva portuguesa dirigida aos mais novos está repleta de anúncios a chocolates, cereais e lacticínios com açúcares, bolos, bolachas e fast food. Produtos "pouco interessantes numa dieta saudável", alerta a Associação para a Defesa do Consumidor.»
in site EDUCARE

Finalmente, a culpa é da televisão!
Desta vez, os professores foram poupados. Será que o deviam ser?
Lá vou eu ser polémica, mas a minha resposta é não, não deviam!
Nesta matéria, como em muitas outras, os professores têm um papel importante: na minha turma consegui erradicar quase por completo os "lanches empacotados".
Raramente uma criança traz um desses lanches e, quando traz, vem "queixar-se" a mim: já viste o que me mandaram hoje para o lanche? - e faz uma careta...

Claro que isto não foi fácil, demorou alguns meses, mas o certo é que consegui... Devagarinho, fazendo-os ver que aqueles produtos, só deviam ser consumidos raramente e não por sistema.
A mensagem passou deles para os pais a tal ponto de, um dia destes, um miúdo ter obrigado a mãe a vir justificar-se perante mim por ele ter trazido uma fatia de bolo para o lanche!

As escolas têm uma dose enorme de culpa: os bares estão cheios deste tipo de alimentos.
Todas as qualidades de "empacotados" e de fritos...
Todas as qualidades de guloseimas...
Bebidas das mais estranhas, incluindo a famigerada Coca-Cola.
Admite-se que numa escola frequentada por alunos até ao 9.º ano se venda tal bebida?
Em contrapartida, frutas ou sumos naturais, nunca vi!

E, nestes casos, a culpa é das escolas que não deviam ter estas porcarias à venda!
Mas, infelizmente até nas escolas, o lucro fala mais alto!!
A desculpa esfarrapada é "se eles não comerem disso aqui, vão comer lá fora".
Pois é!
Só que eles entram na escola por volta das 9 e saem por volta das 16 ou 17.
Pelo menos nesse espaço de tempo não comiam lixo!
E não trocavam a refeição da cantina pela do bar, porque não valia a pena. Quando quisessem trocar por não gostarem de algum prato, deveriam ter ali à disposição apenas alimentos saudáveis e para beber... água! Ou então sumos naturais.

Os meninos são obesos e a culpa é da televisão??
Não me parece...
(os pais ficam para outro dia)

NOTA: O C arranjou um trabalho, precário, mas um trabalho

19 comentários:

JesusRocks disse...

Infelizmente, o problema da obesidade está enraizado na nossa cultura e [ainda] não é visto como um verdadeiro problema.

A cultura do gordo=saudável continua a ser explorada e defendida pela própria população (não só pelas empresas que vendem fast-food).

Grande parte (penso que a estatística actual aponta para 3 em cada 5, se a memória não me falha) da população portuguesa sofre de problemas de saúde directamente relacionados com o excesso de peso.

Não existe informação suportada por estudos científicos que alerte para os problemas que o excesso de peso podem provocar desde complicações cardio-vasculares, acidentes vasculares cerebrais, distúrbios hormonais e por aí fora.

Até me causa certo espanto este tipo de iniciativas que a saltapocinhas tem levado a cabo na sua escola não ter sido já objecto de protesto por parte dos encarregados de educação - esperemos que seja sinal de que as coisas estão a mudar para melhor.

Ass.: Um escanzelado.

SaltaPocinhas disse...

@@ JESUSROCKS: Já trabalho por ali há uns anos, e as pessoas já me conhecem. Normalmente não levam a mal... e se levarem que metam uma rolha! ;-)

Miguel Pinto disse...

A obesidade é um tema que deve ser observado a partir de vários ângulos. É um problema multifactorial. Vejamos o problema deste lado: De que é que estamos à espera para introduzir nos currículos escolares [do 1º ao 12º ano de escolaridade] uma aula de Educação Física diária?

Grilinha disse...

Ontem vi na TV uma reportagem sobre crianças obesas. O sofrimento delas e das familias é terrivel. A educação alimentar começa em casa para que na escola ou na rua não tenham a tentação de comer toda a porcaria. O meu filho está a fazer dieta de guloseimas há 5 meses e já perdeu 25 kilos. Claro que tem 21 anos e sabe o que gosta de ver no seu corpo mas conseguiu ultrapassar a má alimentação que fazia no Instituto. Toma o pequeno almoço em casa, vem almoçar a casa e lancha sandes e sumos. Pizzas e hamburgers e batatas fritas não passam na minha cozinha há meses. No colégio onde andou a venda de artigos de guloseima só era permitida fora das horas de refeição para os obrigar a ir almoçar ao refeitório. Adoro ler os teus posts e a tua forma de pensar e agir na vida. Parabéns ao C pelo emprego.

SaltaPocinhas disse...

@@ MIGUEL PINTO: de um ginásio, talvez??

SaltaPocinhas disse...

@@ GRILINHA: Parabéns ao teu filho! Deve ser um grande esforço...

aflores disse...

A culpa não sei de quem é, mas sei que gostei do teu texto e sei tambem de uma médica que por mais de uma vez se vê obrigada a ensinar ás suas "doentes" jovens mães, ou mães recentes, a fazerem sopa para dar aos filhos...é que nem todas o sabem fazer e optam pelo caminho mais fácil que é os empacotados, enlatados e seus derivados.

Didas disse...

É tão difícil manter os miúdos no bom caminho com tantas tentações plásticas à volta deles! A minha filha mais nova chegou a ter uns bons kilinhos a mais, mas depois de uns aninhos de esforço está no peso normal e já não quer sair dali. Conheço outra que, não sendo gorda porque não tem tendência para isso, está cheia de colestrol aos 15 anos. É uma porra!
E é verdade que nas escolas se vende todo o tipo de lixo...

(Feliz pelo C)

O Micróbio disse...

Bolas, já me enrascaste... e eu que já tinha combinado ir até ao McDonald's comer um BIGBIG MAC... :-(

Bárbara Vale-Frias disse...

Culpados:

- televisão (sem dúvida)
- escola (os bares estão repletos de doces e carentes de alimentos saudáveis)
- pais (os filhos não saem às pedras da calçada!)
- playstation (os miúdos deixaram de correr e de pular; preferem jogar futebol na playstation do que dar toques numa bola)

Pronto, há-de haver mais... mas estes parecem-me os principais.

Bjs :)

Anónimo disse...

Afinal, depois de estranhar que se ataque a escola, que haja sempre "tanta gente a fazer pontaria à escola" em todas as circunstâncias, ainda vem a senhora professora Saltapocinhas desviar as culpas da televisão para a escola?
Todos têm a sua quota-parte de responsabilidades, mas não se pode generalizar sem mais nem menos. A escola dos meus filhos fecha o bar perto das horas das refeições para que não haja fugas à cantina (que tem ementa escolhida por nutricionistas), promove no bar o consumo de leite, de sumos naturais e até de fruta fresca, cujo consumo é incentivado. E sei que não é a única! E se um dia um garoto comer uma fatia de bolo caseiro ao lanche não se deve sentir culpado por isso!
Por agora, deixemos a sociedade reflectir sobre os malefícios das campanhas publicitárias na televisão! Depois, falemos das comidas apressadas segundo a lei do menor esforço praticada em muitas casas, dos interesses dos estabelecimentos comerciais, sem atirarmos mais pedras às escolas! E se calhar é mais fácil controlar a alimentação de 20 garotos que de umas centenas de adolescentes... Por favor, mais guerra às escolas, não!
Fátima Silva

Varela de Freitas disse...

Mais para dizer "olá" do que para dissertar sobre a obesidade das crianças e as culpas da escola. Mas já que falei da escola, penso que é necessário que exista sentido crítico por parte dos professores. Não para asusmir as culpas que não tenham mas para perceberem onde podem intervir para melhorar o que está mal. E aí está como tu consegues fazer alguma coisa em benefício da saúde das crianças. Pronto, já disse olá e mais alguma coisa...

SaltaPocinhas disse...

@@ FATIMA SILVA: Esta "guerra de culpas" vem na sequência de outros post's que só quem conhece o meu blog entende. É portanto uma ironia que só algums entendem... Quanto à escola dos seus filhos, se é como diz, está de parabéns! Infelizmente escolas dessas são a excepção e não a regra! Por isso eu ponho a culpa nas escolas e até me está a dar razão: é possível mudar...Então porque não se muda? Qual será o mistério??
Não falei dos pais, porque isso é assunto para outro dia. O tema era escola/televisão.

"E se calhar é mais fácil controlar a alimentação de 20 garotos que de umas centenas de adolescentes..." Aqui não concordo; será fácil controlar a alimentação das centenas de adolescentes se não houver "porcaria" à venda na escola. havendo, não é possível controlá-los... Quanto aos "meus" 2o tem sido um trabalho de quase 2 anos, e sempre com a colaboração dos pais. E não, não tenho criancinhas aterrorizadas por causa de uma fatia de bolo!

Clitie disse...

Eu só digo o que vejo : os papás a passear pelos centros comerciais ao fim de semana e a mandarem os filhos para o McDonalds e para a Pizza para poderem fazer as compras em sossego...
Não conhecem alguns assim?...

guevara disse...

Ola!
Sabes que noutro dia, quando fui buscar os meus sobrinhos à escola ouvia uma mae dizer ao filho (que tinha acabado de pergntar o que era o jantar) que ele comia o que quizesse porque hoje n tinha paciência. Claro, o filho n quis sopa e a mae disse logo que também n gostava nada, além de dar mt trabalho.
Ora, imaginando que isto acontece varia vezes por semana, deduz-se logo que a criança n ingere leguminosas...
logo aqui ajuda a prevalecer a obesidade.
E claro, meninos de cidade, sem lugar onde brincar, com o pavor que os pais têm dos pedófilos e demais, não admira que estes passem o dia frente à tv, sem pular, brincar, correr, esgotar, transpirar, experimentar...
;)

Estrela do mar disse...

...@miga...logo que comecei aos pouquinhos a comentar alguns blogs...senti uma enorme vontade de continuar com o meu...e assim fiz...

Um beijinho*.

Adryka disse...

Olha amiga essa é a lei do menor esforço, pela parte dos pais, e os miúdos habituan-se de tal maneira a essas merendas que é dificil faze-los mudar de habitos.Um beijo para ti e os meus parabens pela coragem

danirmartin disse...

Estas coisas nao só acontecem em Portugal...

Uma pena.

Carla disse...

Todos os professores fossem assim educadores e já se começava por algum lado... / Fiquei feliz com a notícia do emprego, espero que a situação melhore rapidamente. Beijo grande.