Voltaire preferia a monarquia à democracia; na primeira basta educar um homem, na segunda há necessidade de educar milhões - e o coveiro leva-os a todos antes que dez por cento concluam o curso. Raro percebemos as partidas que a limitação da natalidade prega aos nossos argumentos.
A minoria que consegue educar-se reduz o tamanho da família; a maioria sem tempo para se educar procria com abundância; quase todos os componentes das novas gerações provêm de famílias cujas rendas não permitiram a educação da prole.
Daí a perpétua futilidade do liberalismo político; a propagação da inteligência não está em compasso com a propagação dos ignorantes. Daí ainda a decadência do protestantismo; uma religião, do mesmo modo que um povo, não vinga em consequência das guerras que vence, senão que dos filhos que gera.

Will Durant, in "Filosofia da Vida"

Comentários

Emiele disse…
E na monarquia educam um?...
Oh dúvida!
Porque afinal quem é que educa os educadores...
Grilinha disse…
Este post dá que pensar.

Bom Domingo
TINTA PERMANENTE disse…
Curiosamente, Will Durant era... gago!

Abraço!

Mensagens populares deste blogue

O vagalume e o sapo

O respeito

Fábula moderna