30 de janeiro de 2009

A moral da história

João Pedroso teve os seus 15 minutos de glória mediática no processo Casa Pia ao lado do irmão Paulo, colega da ministra da Educação no ISCTE.
Pelos vistos tomou-lhe o gosto, e volta agora à ribalta depois de contratar e cobrar por duas vezes o mesmo serviço ao Ministério da ministra.
Tratava-se de fazer um apanhado das leis sobre Educação, coisa complicada de mais para os juristas do Ministério.
Da primeira vez, cobrou e não fez o trabalho.
O Ministério, magnânimo (afinal o dinheiro não é seu, é dos contribuintes), encomendou-lho… de novo.

E de novo lho pagou.
E Pedroso de novo o não concluiu.
Aí, o Ministério, em vez de, como é normal, lhe encomendar e pagar o serviço uma terceira vez, decidiu enfim rescindir o contrato.
Só que Pedroso já embolsara 287 980 euros.
Devolveu-os?
Não.
Devolverá… metade.
A prestações.
Entretanto, a Universidade de Coimbra lembrou-se de repente de que Pedroso tinha subscrito consigo um contrato (outro) de exclusividade… Está em curso o usual inquérito, mas não há-de ser nada.
Histórias destas, em Portugal, acabam sempre bem, com o herói a casar com a rapariga.

JN, Manuel António Pina

6 comentários:

Bea disse...

Em que é que nos transformamos,meu Deus?... até diziam que éramos um país de brandos costumes...

ameixa seca disse...

Quem se lixa é sempre o contribuinte e é sempre o mais pobre!

José António disse...

E agora? Achas que vai devolver o dinheiro? Vai esperando sentada.

José António disse...

É por essas e por outras que terás de trabalhar mais 10 anos. E sabes que mais? Quando vier a aposentação, se vier, receberás menos de metade do que recebes hoje. Lindo...

Grilinha disse...

deveria devolver a dobrar

Donnola disse...

neste caso provavelmente acabará a casar com algum inocente da casa pia